Cinema

Prémio Árvore da Vida distingue “Viagem ao Sol”

| 9 Mai 2022

"Viagem ao Sol". Foto © D.R.

“Viagem ao Sol”. Foto © D.R.

 

O filme “Viagem ao Sol”, de Ansgar Schaefer e Susana Sousa Dias, foi distinguido este domingo com o Prémio Árvore da Vida, que o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC) atribui a um filme da Competição Nacional de Curtas e Longas-Metragens no festival de cinema internacional IndieLisboa.

«Os sorrisos e os olhares de inquietação e expetativa, tristeza e abandono, interrogação e esperança que a realização dá a contemplar demoradamente, conduzem o espetador numa viagem feita de luzes e sombras que atravessa pobreza e analfabetismo, política e religião, segregação e misericórdia, lágrimas e esperança, separação e reencontro», refere o texto de justificação do júri.

Para os jurados, Eugénia Quaresma, diretora da Obra Católica Portuguesa de Migrações, e Rui Martins, do SNPC, “Viagem ao Sol”, realizado em 2021 e com a duração de 107 minutos, «salvaguarda a memória» e, «ao mesmo tempo, propõe com subtileza uma educação para a solidariedade, cada vez mais necessária» na atualidade.

«Portugal nunca deixou de receber de braços abertos aqueles que procuram abrigo e ajuda»

O Prémio, no valor de dois mil euros, «usa imagens de arquivos familiares para destacar os testemunhos de crianças vindas da Áustria para Portugal, no período pós-Segunda Guerra Mundial», lê-se na sinopse.

O documentário, que evoca a ação da Cáritas Portuguesa na intermediação da receção das crianças e a sua entrega a famílias de acolhimento, «propõe olhar para um passado que pode ter ressonância no presente», aponta o texto de resumo da obra, que começa com imagens dos bombardeamentos e da destruição causadas pela guerra.

As imagens de arquivo que percorrem o documentário mostram escombros das cidades, antes de se iniciar, em voz “off”, a série de testemunhos dos adultos que, então crianças, viram familiares e amigos a perder a vida. A narrativa prossegue com a viagem para Portugal, o encantamento e as dificuldades da adaptação a novos hábitos e cultura, os elogios e as críticas ao acolhimento, o regresso à Áustria e os laços que permaneceram.

Antes da exibição do filme, o último a ser agendado na Competição Nacional, o embaixador da Áustria em Lisboa sublinhou que «Portugal nunca deixou de receber de braços abertos aqueles que procuram abrigo e ajuda».

O júri atribuiu a Menção Honrosa a “Águas do Pastaza”, de Inês T. Alves (2022, 61 minutos): «É um outro mundo aquele que a realização nos revela neste filme, em que tanto a simplicidade como a força e a beleza da natureza se cruzam com a alegria da infância, que tem tanto a ensinar e a maravilhar aos adultos de uma civilização que tantas vezes se esquece das suas raízes», assinala a justificação.

A 19.ª edição do IndieLisboa ficou marcada por ser a que teve mais longas-metragens na Competição Nacional (nove), a que se juntaram 16 curtas, distribuídas em 13 sessões.

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This