Prémio Harambee vem a Lisboa para premiar documentários e video-clips acerca de África

| 8 Mar 19

A médica sul-africana Ozo Ibeziako e a enfermeira Cátia Sá Guerreiro, durante o anúncio da cerimónia em Lisboa; foto © Câmara Municipal de Lisboa

Em novembro deste ano, Lisboa será o palco da cerimónia de entrega do 8º Prémio Internacional Harambee Comunicar África, que pretende distinguir trabalhos de jornalistas e videoclips de jovens que lancem um novo olhar sobre África.

A organização “Harambee África International”, ligada à Opus Dei, criou a iniciativa com o objetivo de “contribuir para a difusão de uma informação mais real sobre África, de uma imagem que reflita os conflitos, mas também as razões da esperança, a riqueza e a diversidade das culturas e dos povos africanos, o firme compromisso com o desenvolvimento, e simultaneamente as necessidades, que continuam a ser bem reais”.

O prémio contempla duas categorias: “documentário ou reportagem” e “vídeo-clips” (sendo a última destinada a estudantes até aos 25 anos). O prémio monetário da primeira categoria é de cinco mil euros e, para o video-clip, o valor é de 1500 euros. No regulamento, pede-se que o documentário não tenha mais do que 60 minutos e que o video-clip não ultrapasse os cinco minutos. O prazo de entrega de candidaturas é 30 de setembro de 2019. 

O anúncio de Lisboa como sede da cerimónia final foi feito nesta quinta-feira, 7 de março. Trata-se de um prémio bianual, cuja primeira edição ocorreu em 2004 e a última em 2015.

A organização “Harambee África International” é uma ONG com sede em Roma. Harambee significa “todos juntos”, em suaíli. Para a organização, esta palavra tenta resumir a sua missão: “Todos juntos para acompanhar um continente que tem muito a ensinar ao mundo.”

Artigos relacionados

Breves

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This