Prémio Harambee vem a Lisboa para premiar documentários e video-clips acerca de África

| 8 Mar 19

A médica sul-africana Ozo Ibeziako e a enfermeira Cátia Sá Guerreiro, durante o anúncio da cerimónia em Lisboa; foto © Câmara Municipal de Lisboa

Em novembro deste ano, Lisboa será o palco da cerimónia de entrega do 8º Prémio Internacional Harambee Comunicar África, que pretende distinguir trabalhos de jornalistas e videoclips de jovens que lancem um novo olhar sobre África.

A organização “Harambee África International”, ligada à Opus Dei, criou a iniciativa com o objetivo de “contribuir para a difusão de uma informação mais real sobre África, de uma imagem que reflita os conflitos, mas também as razões da esperança, a riqueza e a diversidade das culturas e dos povos africanos, o firme compromisso com o desenvolvimento, e simultaneamente as necessidades, que continuam a ser bem reais”.

O prémio contempla duas categorias: “documentário ou reportagem” e “vídeo-clips” (sendo a última destinada a estudantes até aos 25 anos). O prémio monetário da primeira categoria é de cinco mil euros e, para o video-clip, o valor é de 1500 euros. No regulamento, pede-se que o documentário não tenha mais do que 60 minutos e que o video-clip não ultrapasse os cinco minutos. O prazo de entrega de candidaturas é 30 de setembro de 2019. 

O anúncio de Lisboa como sede da cerimónia final foi feito nesta quinta-feira, 7 de março. Trata-se de um prémio bianual, cuja primeira edição ocorreu em 2004 e a última em 2015.

A organização “Harambee África International” é uma ONG com sede em Roma. Harambee significa “todos juntos”, em suaíli. Para a organização, esta palavra tenta resumir a sua missão: “Todos juntos para acompanhar um continente que tem muito a ensinar ao mundo.”

Artigos relacionados

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

700 anos da morte do poeta

Lisboa acolhe os Dias de Dante novidade

Nos 700 anos da morte de Dante Alighieri, Lisboa acolhe os Dias de Dante, uma oportunidade para revisitar ou conhecer este poeta italiano “cuja obra marca profundamente a memória coletiva do Ocidente”. José Tolentino de Mendonça fará conferência de abertura.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Cultura e artes

700 anos da morte do poeta

Lisboa acolhe os Dias de Dante novidade

Nos 700 anos da morte de Dante Alighieri, Lisboa acolhe os Dias de Dante, uma oportunidade para revisitar ou conhecer este poeta italiano “cuja obra marca profundamente a memória coletiva do Ocidente”. José Tolentino de Mendonça fará conferência de abertura.

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This