Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia

Prémio Nobel da Paz 2021 foi para jornalismo de coragem e liberdade de expressão

| 8 Out 2021

nobel paz 2021 Maria Ressa e Dmitry Muratov (1200 x 900 px)

Os jornalistas Maria Ressa e Dmitry Muratov foram os escolhidos entre 329 nomeações ao Prémio Nobel da Paz deste ano.

 

“Pelos seus esforços para salvaguardar a liberdade de expressão, que é uma pré-condição para a democracia e uma paz duradoura”, os jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, partilham o Prémio Nobel da Paz 2021. A novidade foi anunciada esta sexta-feira, 8 de outubro, em Oslo, por Reiss-Andersen, presidente do Comité Nobel e membro da Fundação com o mesmo nome. O prémio constitui um tributo ao jornalismo sério e de qualidade, que investiga e não se cala perante as pressões e os poderes, bem como a todos os jornalistas que procuram pô-lo em prática.

Nos dois casos, estamos perante conceituados profissionais que afrontaram regimes autoritários que perseguem os que publicam o que não convém a quem manda.

 

Condenada por lei publicada depois do “crime”

Maria Ressa foi em criança para os Estados Unidos e regressou ao seu país natal para chefiar o escritório da CNN nas Filipinas. Em 2012, decidiu fundar o jornal online Rappler, que aposta num jornalismo de investigação que tem posto a nu práticas abusivas de altos funcionários públicos e do governo.

Para o Comité Nobel, Rappler chamou a atenção pública para a “polémica e assassina campanha antidrogas do regime de Duterte”, cujo número de mortes “é tão alto que a campanha se assemelha a uma guerra travada contra a própria população do país”. Ressa e o jornal que dirige também documentaram como as redes sociais estão a ser usadas para “espalhar notícias falsas, assediar oponentes e manipular o discurso público”.

Sobretudo depois de Duterte ter chegado ao poder, o meio de comunicação e a sua principal responsável começaram a ser pressionados pela justiça, acusados de fuga a impostos, ciber-difamação, entre outros motivos. Atualmente encontra-se em liberdade sob fiança, depois de ter sido condenada em 2020 a mais de seis anos de prisão.

Esta condenação levou membros da Igreja Católica e da hierarquia nas Filipinas, um país fortemente católico, a virem a público em apoio de Maria Ressa. Falando criticamente sobre o julgamento de 2020, o bispo Broderick Pabillo, administrador apostólico da arquidiocese de Manila, descreveu o veredicto de culpado como “perseguição” à liberdade de imprensa.

“Essa perseguição é feita usando a lei, com as suas aplicações distorcidas e rígidas, para lhe dar uma aparência de legalidade”, disse Pabillo.

Vale sublinhar que o artigo que levou à condenação de Ressa foi publicado quatro meses antes da lei invocada para a condenar.

 

Rússia: corrupção, fraudes eleitorais, “fábricas de trolls”

Dmitry Andreyevich Muratov é há décadas um defensor da liberdade de expressão na Rússia, trabalhando, no dizer do Comité Nobel, “em condições cada vez mais desafiadoras”. Em 1993, foi um dos fundadores do jornal independente Novaia Gazeta, sendo desde 1995 o seu editor-chefe.

“O jornalismo baseado em factos e a integridade profissional do jornal – observa o Comité do prémio – tornaram-no uma importante fonte de informações sobre aspetos censuráveis ​​da sociedade russa raramente mencionados por outros meios de comunicação”. Entre os aspetos críticos estão a corrupção, a violência policial, prisões ilegais, fraude eleitoral e “fábricas de trolls”.

Comentando para a agência Tass este reconhecimento, Muratov, que não atendeu a chamada que lhe iria anunciar o prémio, disse que o mérito era da Novaia Gazeta e aproveitou para dedicar o Nobel da Paz aos vários colegas que foram assassinados na Rússia, pelo exercício da sua profissão de jornalista, nomeando-os: “É para Igor Domnikov, para Iura Shchekochikhin, para Anna Stepanovna Politkovskaia, para Nastia Baburova, para Natasha Estemirova, para Stas Markelov. Isto é para eles”.

O Comité Nobel teve de fazer a sua escolha entre 329 nomeações ao Prémio Nobel da Paz de 2021, dos quais 234 eram indivíduos e 95 eram organizações. A opção foi por Maria Ressa e Dmitri Muratov porque “a liberdade de expressão e a liberdade de informação ajudam a garantir um público informado” e esses direitos são “pré-requisitos cruciais para a democracia e proteção contra guerra e o conflito”.

O Prémio vai ser entregue no dia 10 de dezembro, aniversário da morte de Alfred Nobel.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This