Presença luminosa…

| 20 Out 19 | Entre Margens, Sem categoria, Últimas

“Pensar o futuro contempla uma dupla preocupação: promover o entendimento em torno dos objetivos a alcançar num horizonte temporal alargado e contribuir para a construção de uma visão prospetiva, no que se refere à identificação de potencialidades e riscos decorrentes de mudanças demográficas, tecnológicas, económico-financeiras e outras”. A complexidade estava no seu horizonte, na linha dos ensinamentos de Edgar Morin, mas nessa preocupação estava fundamentalmente a consideração dos problemas concretos das pessoas. Manuela Silva (1932-2019) deu-se inteiramente às causas dos outros, na defesa intransigente da dignidade da pessoa humana, em coerência plena com o espírito e a letra do Concílio Vaticano II e com todo o ancestral ensino social e económico da Igreja Católica. Tal ficou demonstrado em toda a sua ação, na Comissão Nacional de Justiça e Paz, a que presidiu e a quem deu o seu maior entusiasmo!

Deve-se-lhe a coordenação de estudos científicos pioneiros sobre a pobreza, realizados nos anos 80, em ligação estreita com Alfredo Bruto da Costa, afirmando que a pobreza é uma grave violação dos direitos humanos, enquanto situação de privação por falta de recursos, correspondendo a privação em geral a não ter as necessidades básicas garantidas, por falta de meios ou outra razão. Para cada um dos casos as soluções são muito diferentes. Na pobreza é preciso ajudar as pessoas a ter meios, na privação é indispensável apoiá-las a fim de que a gestão dos recursos seja melhor assegurada. A pobreza apenas se resolve com autonomia. É uma das formas de exclusão social, mas não a única; há outras – como o isolamento dos idosos, que podem ter recursos materiais, a discriminação social de imigrantes ou deficientes etc.. A pobreza é um flagelo que exige políticas económicas – que corrijam a repartição dos bens e as desigualdades.

Para pôr a pobreza no primeiro plano, nas suas formas mais complexas e difíceis, é necessário coordenar políticas económicas, controlar os mercados financeiros, não formalmente, mas em termos substanciais, e apostar corajosamente na educação e na formação. “A pobreza afeta os pobres, mas também a qualidade da democracia” – repetia insistentemente.

Como Secretária de Estado para o Planeamento no I Governo constitucional (1976-77), ao lado de António Sousa Gomes, deixou pensamento e ação, tendo integrado diversos grupos de peritos no Conselho da Europa, na OIT e nas Comunidades Europeias. Como economista pioneira e exemplar foi das primeiras pessoas a estudar no terreno o fenómeno da vida comunitária e da sua ligação às condições de desenvolvimento. O projeto de desenvolvimento comunitário da Benedita (Alcobaça), coordenado em 1963 pela jovem investigadora Maria Manuela Silva é hoje ainda um caso exemplar de um trabalho com consequências práticas em vários domínios no campo do desenvolvimento. Como afirmou então: «As técnicas clássicas de desenvolvimento não se mostraram eficientes para promover o crescimento de certas zonas, conhecidas por isso pela designação de «regiões-problema». A técnica de desenvolvimento comunitário, apresentando a vantagem de aproveitar dados da Economia e da Psicologia, procura vir ao encontro dessa dificuldade e baseia-se fundamentalmente na adesão das populações e sua participação efetiva em todas as fases do processo de desenvolvimento». Ao relermos hoje esse estudo e ao compará-lo com o que permitiu avançar e com o que foi esquecido, podemos dizer que o exemplo da então coordenadora deve ficar bem presente na nossa memória. De facto, o planeamento estratégico e a ligação à vida das comunidades constituem uma exigência atual, de resposta aos desafios com que nos defrontamos.

Sou testemunha direta de como, até aos últimos dias, Maria Manuela Silva manteve-se empenhada, atenta, desperta e esperançosa no tocante à necessidade de não baixar os braços no combate pelo desenvolvimento humano. Manuel Brandão Alves confirmou como a generosidade de Manuela Silva foi até aos limites – muitas vezes deixando momentaneamente os medicamentos para não perder tempo no que tinha ainda para fazer! Lendo e relendo as encíclicas Caritas in Veritate, de Bento XVI e Laudato Si’, do Papa Francisco, dizia, nos últimos dias, ser necessário encarar a sustentabilidade a sério, não como uma fórmula ou como um método burocrático, mas como uma exigência. Não bastaria falar em reduzir a pobreza, uma vez que o objetivo seria erradicar a pobreza, nas suas diversas formas; não bastaria falar de sustentabilidade financeira, uma vez que é sempre uma economia mais humana que deve estar em causa.

Como afirmou em “Economia e Sociedade – Pensar o Futuro” (Gulbenkian, 2018): “Nem todo o crescimento económico é virtuoso. Só o será se der origem a maior bem-estar das pessoas e das suas comunidades e a mais elevado progresso social, isto é, melhor nível de educação, saúde, conhecimento, segurança, liberdade e participação; se os seus frutos forem equitativamente apropriados e repartidos por todos os cidadãos, estratos sociais e territórios e, ainda, se for sustentável, quer do ponto de vista ambiental quer em termos de coesão social, ou seja, se obedecer a critérios de ecologia integral”. Leia-se e releia-se o seu pensamento! Siga-se o seu exemplo! As Bem-aventuranças eram o seu programa! Continuemos a usufruir da sua riquíssima experiência e do seu exemplo. Foi a parábola dos talentos, no sentido espiritual e económico, que sempre a ocupou. Lembraremos sempre a sua presença luminosa!

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco