Presença luminosa…

| 20 Out 19

“Pensar o futuro contempla uma dupla preocupação: promover o entendimento em torno dos objetivos a alcançar num horizonte temporal alargado e contribuir para a construção de uma visão prospetiva, no que se refere à identificação de potencialidades e riscos decorrentes de mudanças demográficas, tecnológicas, económico-financeiras e outras”. A complexidade estava no seu horizonte, na linha dos ensinamentos de Edgar Morin, mas nessa preocupação estava fundamentalmente a consideração dos problemas concretos das pessoas. Manuela Silva (1932-2019) deu-se inteiramente às causas dos outros, na defesa intransigente da dignidade da pessoa humana, em coerência plena com o espírito e a letra do Concílio Vaticano II e com todo o ancestral ensino social e económico da Igreja Católica. Tal ficou demonstrado em toda a sua ação, na Comissão Nacional de Justiça e Paz, a que presidiu e a quem deu o seu maior entusiasmo!

Deve-se-lhe a coordenação de estudos científicos pioneiros sobre a pobreza, realizados nos anos 80, em ligação estreita com Alfredo Bruto da Costa, afirmando que a pobreza é uma grave violação dos direitos humanos, enquanto situação de privação por falta de recursos, correspondendo a privação em geral a não ter as necessidades básicas garantidas, por falta de meios ou outra razão. Para cada um dos casos as soluções são muito diferentes. Na pobreza é preciso ajudar as pessoas a ter meios, na privação é indispensável apoiá-las a fim de que a gestão dos recursos seja melhor assegurada. A pobreza apenas se resolve com autonomia. É uma das formas de exclusão social, mas não a única; há outras – como o isolamento dos idosos, que podem ter recursos materiais, a discriminação social de imigrantes ou deficientes etc.. A pobreza é um flagelo que exige políticas económicas – que corrijam a repartição dos bens e as desigualdades.

Para pôr a pobreza no primeiro plano, nas suas formas mais complexas e difíceis, é necessário coordenar políticas económicas, controlar os mercados financeiros, não formalmente, mas em termos substanciais, e apostar corajosamente na educação e na formação. “A pobreza afeta os pobres, mas também a qualidade da democracia” – repetia insistentemente.

Como Secretária de Estado para o Planeamento no I Governo constitucional (1976-77), ao lado de António Sousa Gomes, deixou pensamento e ação, tendo integrado diversos grupos de peritos no Conselho da Europa, na OIT e nas Comunidades Europeias. Como economista pioneira e exemplar foi das primeiras pessoas a estudar no terreno o fenómeno da vida comunitária e da sua ligação às condições de desenvolvimento. O projeto de desenvolvimento comunitário da Benedita (Alcobaça), coordenado em 1963 pela jovem investigadora Maria Manuela Silva é hoje ainda um caso exemplar de um trabalho com consequências práticas em vários domínios no campo do desenvolvimento. Como afirmou então: «As técnicas clássicas de desenvolvimento não se mostraram eficientes para promover o crescimento de certas zonas, conhecidas por isso pela designação de «regiões-problema». A técnica de desenvolvimento comunitário, apresentando a vantagem de aproveitar dados da Economia e da Psicologia, procura vir ao encontro dessa dificuldade e baseia-se fundamentalmente na adesão das populações e sua participação efetiva em todas as fases do processo de desenvolvimento». Ao relermos hoje esse estudo e ao compará-lo com o que permitiu avançar e com o que foi esquecido, podemos dizer que o exemplo da então coordenadora deve ficar bem presente na nossa memória. De facto, o planeamento estratégico e a ligação à vida das comunidades constituem uma exigência atual, de resposta aos desafios com que nos defrontamos.

Sou testemunha direta de como, até aos últimos dias, Maria Manuela Silva manteve-se empenhada, atenta, desperta e esperançosa no tocante à necessidade de não baixar os braços no combate pelo desenvolvimento humano. Manuel Brandão Alves confirmou como a generosidade de Manuela Silva foi até aos limites – muitas vezes deixando momentaneamente os medicamentos para não perder tempo no que tinha ainda para fazer! Lendo e relendo as encíclicas Caritas in Veritate, de Bento XVI e Laudato Si’, do Papa Francisco, dizia, nos últimos dias, ser necessário encarar a sustentabilidade a sério, não como uma fórmula ou como um método burocrático, mas como uma exigência. Não bastaria falar em reduzir a pobreza, uma vez que o objetivo seria erradicar a pobreza, nas suas diversas formas; não bastaria falar de sustentabilidade financeira, uma vez que é sempre uma economia mais humana que deve estar em causa.

Como afirmou em “Economia e Sociedade – Pensar o Futuro” (Gulbenkian, 2018): “Nem todo o crescimento económico é virtuoso. Só o será se der origem a maior bem-estar das pessoas e das suas comunidades e a mais elevado progresso social, isto é, melhor nível de educação, saúde, conhecimento, segurança, liberdade e participação; se os seus frutos forem equitativamente apropriados e repartidos por todos os cidadãos, estratos sociais e territórios e, ainda, se for sustentável, quer do ponto de vista ambiental quer em termos de coesão social, ou seja, se obedecer a critérios de ecologia integral”. Leia-se e releia-se o seu pensamento! Siga-se o seu exemplo! As Bem-aventuranças eram o seu programa! Continuemos a usufruir da sua riquíssima experiência e do seu exemplo. Foi a parábola dos talentos, no sentido espiritual e económico, que sempre a ocupou. Lembraremos sempre a sua presença luminosa!

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco