“Momento delicado”

Presidente de “Comunhão e Libertação” forçado a demitir-se pelo Papa

| 16 Nov 2021

Padre Julian Carron apresentou a demissão de presidente do movimento da Comunhão e Libertação. Foto © Lupe de la Vallina/Fraternidade de CL

 

“Neste momento tão delicado da vida do Movimento, decidi apresentar a minha demissão de presidente da Fraternidade de Comunhão e Libertação (CL), para favorecer que a mudança de condução a que somos chamados pelo Santo Padre – através do decreto sobre o exercício do governo no seio dos movimentos – transcorra com a liberdade que o processo exige”.

Assim escreve o padre Julián Carrón, na carta dirigida aos membros do poderoso movimento católico, depois de 16 anos no exercício do cargo. O agora ex-presidente foi eleito em 2005, depois da morte do fundador, Luigi Giussani, e viu o seu cargo ser confirmado sem interrupção em 2008, 2014 e 2020.

No espaço de poucos dias, a figura chave de Comunhão e Libertação abandona o seu lugar e o cardeal Angelo Scola, outra figura maior do movimento, deixa de poder participar no conclave, por ter atingido 80 anos.

A demissão de Julián Carrón é apresentada no comunicado de despedida como decorrente das diretivas recentes do Papa que impedem que os titulares de cargos diretivos de movimentos católicos internacionais se eternizem nos lugares. O decreto papal vigora desde setembro último, estabelecendo que os mandatos dos líderes internacionais das associações de fiéis não podem ter uma duração superior a cinco anos, sendo que uma mesma pessoa não pode ocupar cargos no órgão máximo de governo por mais de dez anos.

Normas de aplicação deste decreto aprovadas pelo Dicastério para os Leigos, Família e Vida estabelecem que quem no momento da saída da medida ocupasse cargos há mais de dez anos, deveria sair no espaço de 24 meses, ou seja, até 11 de setembro de 2023.

Porquê, então, valorizar este gesto, aparentemente de mera obediência por parte do sucessor de Giussiani?

Segundo o jornal Il Fatto Quotidiano, a demissão surge no quadro de um braço de ferro com a Cúria Romana e para evitar uma possível intervenção papal no movimento Comunhão e Libertação.

A orientação do movimento não agradava a diversos setores e o próprio Papa Francisco, na celebração dos 60 anos do CL, perante uma multidão de membros e amigos reunida na Praça de S. Pedro, calculada em cem mil pessoas, advertia: “Quando nos tornamos escravos da autorreferencialidade acabamos por cultivar uma ‘espiritualidade da etiqueta’: ‘Eu sou CL’; e caímos nas mil armadilhas que a complacência autorreferencial nos oferece, aquele ver-nos no espelho que nos leva a ficar desorientados e a tornarmo-nos meros empresários de uma ONG.”

Há perto de dois meses, a Sala de Imprensa do Vaticano anunciava a decisão do Papa de nomear o arcebispo de Taranto como seu delegado especial para assumir a direção do Memores Domini, o setor dos consagrados do movimento. Faltas graves no governo desse instituto e a necessidade de o reconduzir para o carisma que lhe tinha sido dado desde a fundação justificaram a medida drástica.

Estes gestos tomados ao mais alto nível não podiam senão tocar na própria posição do presidente do CL e terão criado uma situação de tensão entre os dois lados que acabou por forçá-lo a demitir-se dois anos antes do fim do prazo. Por algum motivo forte o padre Carrón inicia a carta de despedida aludindo a um “momento tão delicado da vida do Movimento”…

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This