Presidente do episcopado pede mundo e Igreja “mais solidários e mais atentos”

| 12 Nov 2020

José Ornelas sobre a eutanásia: “Respeito profundamente o drama de quem sofre e não estou pronto para condenar ninguém pelas atitudes tomadas em consequência da dor, da falta de sentido, de condições e de esperança”. Foto © Ecclesia.

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) e bispo de Setúbal, D. José Ornelas, diz que não podemos sair da pandemia “apenas curados, exaustos e vazios da pandemia, e naturalmente sedentos de voltar sôfregos e saudosos ao que já era”, mas antes devemos cuidar de fazer desabrochar um mundo, uma sociedade, uma economia e uma Igreja “mais solidários, mais atentos, com mais esperança”.

“Precisamos urgentemente de vacinas e de tratamentos eficazes, mas não somos apenas organismos doentes do coronavírus. Somos pessoas que precisam de integrar o sofrimento, os esforços e sacrifícios e a beleza dramática da solidariedade num sentido de viver e num caminho de futuro”, afirmou José Ornelas no seu discurso de abertura da 199ª assembleia plenária da CEP, nesta quarta-feira, 11 de Novembro.

Com uma dezena de bispos em Fátima e os restantes a participar em videoconferência, o presidente da CEP, eleito em Junho, afirmou que “tanto sacrifício, tanta luta e tanta vontade de ajudar e mesmo tantos erros e atitudes irresponsáveis não podem simplesmente ficar escritos nas páginas dum livro que se fecha e arquiva, ou numa página das redes sociais onde a memória recusa fazer um clique”.

No que respeita aos católicos, o bispo Ornelas afirmou: “Temos de voltar a socializar, temos de voltar às nossas igrejas, mais humanos, mais fraternos, mais crentes e consequentes ao Deus que caminha com a humanidade, sempre atento aos mais frágeis e sempre promotor de renovação e de esperança”.

O Evangelho, diria depois, chama os cristãos “a estar activos na construção do país e do mundo, através de uma cultura de humanização e dignidade que sabe integrar a diversidade e promover o respeito pela Terra onde vivemos, para que seja ‘casa comum da humanidade’, dando especial atenção aos mais frágeis e desprotegidos”.

 

Marcelo e Costa na missa de sábado pelas vítimas da pandemia

A reflexão sobre a pandemia é, aliás, um dos temas desta assembleia plenária que, ao contrário do que é habitual, concentra os trabalhos em três dias completos, entre quarta e sexta. No sábado, os bispos presentes em Fátima participam numa eucaristia, às 11h, em memória de todas as vítimas da pandemia. No acto, estarão também presentes o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa.

Em Junho, os bispos publicaram já um texto sobre a dimensão económico-social das consequências da pandemia mas, agora, querem lançar “o olhar mais próximo sobre a realidade e os desafios do presente e as perspectivas de futuro, que a crise representa” para a Igreja em Portugal. “Esta pandemia que paralisou e ainda continua a impedir dramaticamente o normal desenrolar das atividades da humanidade requer atitudes e medidas de carácter sanitário, social, económico, cultural e espiritual.”

O presidente da CEP defendeu a ideia de que, nestes últimos meses, “certamente com falhas e de forma que deve sempre ser melhorada, a Igreja em Portugal procurou ser sinal de esperança”. Ela “nunca se fechou com medo nem comodismo, mas tomou as medidas necessárias para evitar a expansão da pandemia”, mas garantindo a possibilidade de celebrar juntos, “reafirmando a própria fé, traduzida na atitude responsável de cuidar uns dos outros e do mundo no seu conjunto”.

Isso traduziu-se não só no âmbito celebrativo ou de reflexão, mas também “na sensibilidade para assistir quem precisa, de estar atentos às vítimas económicas, sociais e do isolamento”, com a atitude de clérigos e muitos cristãos que têm mantido contacto “com os mais isolados” e atendido aos “que mais perderam com a pandemia”. Inúmeros jovens, destacou, despertaram para uma “participação activa na vida das comunidades”, o que constitui “um sinal de esperança”.

 

“Respeito profundamente o drama de quem sofre”

Uma assembleia diferente em Fátima, com a maior parte dos bispos a participar em vídeconferência. Foto © Ecclesia.

 

Neste contexto, o bispo de Setúbal referiu-se ao debate sobre a eutanásia. Começou por se referir aos “sacrifícios e esforços” dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde, “que têm sido de uma abnegação que ficará na memória e no coração de todos nós, quando tantos e com total dedicação se esforçam por dar razões e condições para ‘ajudar a viver’”. Por isso, acrescentou, não encontra “lógica no facto de se escolher precisamente este momento para dizer aos que tocam o mais fundo da dor e do abandono: ‘tem coragem, ajudamos-te a morrer; estamos a caminho de aprovar uma opção que aceita a tua eutanásia’.”

José Ornelas afirmou, depois, numa expressão pouco usual nas referências de católicos acerca do tema: “Respeito profundamente o drama de quem sofre e não estou pronto para condenar ninguém pelas atitudes tomadas em consequência da dor, da falta de sentido, de condições e de esperança: aquilo de que essas pessoas precisam não é de mais condenação nem de estigmas.” Mas também, acrescentou, “não são as soluções facilitadoras e ‘legalizadas’ que ajudarão a criar uma sociedade mais humana. O que é preciso é acompanhar e oferecer condições e razões para viver”.

O bispo concluiu criticando a recusa do referendo decidida pelo Parlamento: “Que se tenha retomado esta iniciativa precisamente neste momento e se tenha negado a discussão pública integrada num pronunciamento da vontade do povo, em assunto tão importante e fracturante, não abona a nossa democracia nem a promoção de uma cidadania que se quer participativa e interventiva.”

No discurso de abertura, José Ornelas condenou ainda os atentados das últimas semanas na Europa, “bem como as densas nuvens de conflitualidade internacional que pairam sobre as relações políticas e económicas entre as nações”. E propôs a última encíclica do Papa, Fratelli Tutti (Todos irmãos), como “referência e um indicador de caminhos concretos para evitar o curso conflituoso e destrutivo que leva a humanidade, causando miséria, ansiedade e revolta”. Um texto em que o Papa “aponta caminhos” e “propõe atitudes que possam usar as poderosas capacidades científicas e tecnológicas de que dispomos para a preservação e o futuro da humanidade em harmonia com a terra que a sustenta”.

A agenda da assembleia prevê também o debate e eventual aprovação das directrizes sobre a protecção de menores e pessoas vulneráveis na Igreja e sobre a preparação da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa, em 2023.

(O discurso do bispo José Ornelas pode ser visto na íntegra no vídeo a seguir)

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This