Presidente do episcopado pede mundo e Igreja “mais solidários e mais atentos”

| 12 Nov 20

José Ornelas sobre a eutanásia: “Respeito profundamente o drama de quem sofre e não estou pronto para condenar ninguém pelas atitudes tomadas em consequência da dor, da falta de sentido, de condições e de esperança”. Foto © Ecclesia.

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) e bispo de Setúbal, D. José Ornelas, diz que não podemos sair da pandemia “apenas curados, exaustos e vazios da pandemia, e naturalmente sedentos de voltar sôfregos e saudosos ao que já era”, mas antes devemos cuidar de fazer desabrochar um mundo, uma sociedade, uma economia e uma Igreja “mais solidários, mais atentos, com mais esperança”.

“Precisamos urgentemente de vacinas e de tratamentos eficazes, mas não somos apenas organismos doentes do coronavírus. Somos pessoas que precisam de integrar o sofrimento, os esforços e sacrifícios e a beleza dramática da solidariedade num sentido de viver e num caminho de futuro”, afirmou José Ornelas no seu discurso de abertura da 199ª assembleia plenária da CEP, nesta quarta-feira, 11 de Novembro.

Com uma dezena de bispos em Fátima e os restantes a participar em videoconferência, o presidente da CEP, eleito em Junho, afirmou que “tanto sacrifício, tanta luta e tanta vontade de ajudar e mesmo tantos erros e atitudes irresponsáveis não podem simplesmente ficar escritos nas páginas dum livro que se fecha e arquiva, ou numa página das redes sociais onde a memória recusa fazer um clique”.

No que respeita aos católicos, o bispo Ornelas afirmou: “Temos de voltar a socializar, temos de voltar às nossas igrejas, mais humanos, mais fraternos, mais crentes e consequentes ao Deus que caminha com a humanidade, sempre atento aos mais frágeis e sempre promotor de renovação e de esperança”.

O Evangelho, diria depois, chama os cristãos “a estar activos na construção do país e do mundo, através de uma cultura de humanização e dignidade que sabe integrar a diversidade e promover o respeito pela Terra onde vivemos, para que seja ‘casa comum da humanidade’, dando especial atenção aos mais frágeis e desprotegidos”.

 

Marcelo e Costa na missa de sábado pelas vítimas da pandemia

A reflexão sobre a pandemia é, aliás, um dos temas desta assembleia plenária que, ao contrário do que é habitual, concentra os trabalhos em três dias completos, entre quarta e sexta. No sábado, os bispos presentes em Fátima participam numa eucaristia, às 11h, em memória de todas as vítimas da pandemia. No acto, estarão também presentes o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa.

Em Junho, os bispos publicaram já um texto sobre a dimensão económico-social das consequências da pandemia mas, agora, querem lançar “o olhar mais próximo sobre a realidade e os desafios do presente e as perspectivas de futuro, que a crise representa” para a Igreja em Portugal. “Esta pandemia que paralisou e ainda continua a impedir dramaticamente o normal desenrolar das atividades da humanidade requer atitudes e medidas de carácter sanitário, social, económico, cultural e espiritual.”

O presidente da CEP defendeu a ideia de que, nestes últimos meses, “certamente com falhas e de forma que deve sempre ser melhorada, a Igreja em Portugal procurou ser sinal de esperança”. Ela “nunca se fechou com medo nem comodismo, mas tomou as medidas necessárias para evitar a expansão da pandemia”, mas garantindo a possibilidade de celebrar juntos, “reafirmando a própria fé, traduzida na atitude responsável de cuidar uns dos outros e do mundo no seu conjunto”.

Isso traduziu-se não só no âmbito celebrativo ou de reflexão, mas também “na sensibilidade para assistir quem precisa, de estar atentos às vítimas económicas, sociais e do isolamento”, com a atitude de clérigos e muitos cristãos que têm mantido contacto “com os mais isolados” e atendido aos “que mais perderam com a pandemia”. Inúmeros jovens, destacou, despertaram para uma “participação activa na vida das comunidades”, o que constitui “um sinal de esperança”.

 

“Respeito profundamente o drama de quem sofre”

Uma assembleia diferente em Fátima, com a maior parte dos bispos a participar em vídeconferência. Foto © Ecclesia.

 

Neste contexto, o bispo de Setúbal referiu-se ao debate sobre a eutanásia. Começou por se referir aos “sacrifícios e esforços” dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde, “que têm sido de uma abnegação que ficará na memória e no coração de todos nós, quando tantos e com total dedicação se esforçam por dar razões e condições para ‘ajudar a viver’”. Por isso, acrescentou, não encontra “lógica no facto de se escolher precisamente este momento para dizer aos que tocam o mais fundo da dor e do abandono: ‘tem coragem, ajudamos-te a morrer; estamos a caminho de aprovar uma opção que aceita a tua eutanásia’.”

José Ornelas afirmou, depois, numa expressão pouco usual nas referências de católicos acerca do tema: “Respeito profundamente o drama de quem sofre e não estou pronto para condenar ninguém pelas atitudes tomadas em consequência da dor, da falta de sentido, de condições e de esperança: aquilo de que essas pessoas precisam não é de mais condenação nem de estigmas.” Mas também, acrescentou, “não são as soluções facilitadoras e ‘legalizadas’ que ajudarão a criar uma sociedade mais humana. O que é preciso é acompanhar e oferecer condições e razões para viver”.

O bispo concluiu criticando a recusa do referendo decidida pelo Parlamento: “Que se tenha retomado esta iniciativa precisamente neste momento e se tenha negado a discussão pública integrada num pronunciamento da vontade do povo, em assunto tão importante e fracturante, não abona a nossa democracia nem a promoção de uma cidadania que se quer participativa e interventiva.”

No discurso de abertura, José Ornelas condenou ainda os atentados das últimas semanas na Europa, “bem como as densas nuvens de conflitualidade internacional que pairam sobre as relações políticas e económicas entre as nações”. E propôs a última encíclica do Papa, Fratelli Tutti (Todos irmãos), como “referência e um indicador de caminhos concretos para evitar o curso conflituoso e destrutivo que leva a humanidade, causando miséria, ansiedade e revolta”. Um texto em que o Papa “aponta caminhos” e “propõe atitudes que possam usar as poderosas capacidades científicas e tecnológicas de que dispomos para a preservação e o futuro da humanidade em harmonia com a terra que a sustenta”.

A agenda da assembleia prevê também o debate e eventual aprovação das directrizes sobre a protecção de menores e pessoas vulneráveis na Igreja e sobre a preparação da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa, em 2023.

(O discurso do bispo José Ornelas pode ser visto na íntegra no vídeo a seguir)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This