“Assembleia da República moribunda”

Presidente do episcopado pede vacinas para todos e critica aprovação da eutanásia

| 9 Nov 2021

Discurso na abertura da Assembleia Plenária da CEP. Foto HM/Agência Ecclesia

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), José Ornelas, disse que é necessário o acesso da população mundial às vacinas contra a covid, de modo a evitar “novos contágios, com estirpes mais complicadas do vírus”. No seu discurso de abertura da 201ª assembleia plenária da CEP, em Fátima, o também bispo de Setúbal criticou ainda “uma Assembleia da República moribunda” por ter aprovado a lei da eutanásia.

Não haverá um “futuro mais humano” sem um “espírito de solidariedade e de justiça”, afirmou D. José na intervenção que marca uma assembleia em que também será debatido o tema dos abusos sexuais e que decorre até quinta-feira.

“No contexto da pandemia, sem um acesso da população mundial a vacinas e a recursos para todos, as melhores práticas dos países com mais possibilidades económicas acabarão sempre por naufragar em novos contágios, com estirpes mais complicadas do vírus”, afirmou. “Sem a globalização da justiça e da solidariedade o mundo globalizado torna-se numa confusão de tensões contagiosas, miséria, migrações perigosas e depredação do planeta.”

Precisamente sobre este tema, o presidente da CEP disse que “solidariedade, convergência de vontades e atitudes concretas” é o que se espera da COP, a conferência sobre o clima que decorre em Glasgow. “A evidência científica e a constatação empírica não deixam dúvidas de que não se podem perder estas derradeiras oportunidades para conter ao máximo” as catástrofes que já atingem o mundo inteiro. “A voz do Papa Francisco desafia-nos a todos a colocar na agenda prioritária da Igreja e do mundo este tema fundamental para o futuro do planeta, nossa casa comum”, afirmou o bispo.

Referindo-se à situação do país, José Ornelas falou do momento “delicado” que se vive, entre as dificuldades e a esperança, que exigem “o empenho e a mobilização de todos”. “Depois da rejeição da proposta do Orçamento do Estado e da dissolução anunciada da Assembleia da República e consequente realização de eleições antecipadas, exige-se agora que todos estejamos à altura”. Isso significa, acrescentou, “tomar decisões certas” que devem basear-se no “bem comum, sobretudo numa atenção particular aos mais frágeis e marginalizados e a todos aqueles que por causa da pandemia enfrentam agora tantos problemas sociais e económicos”.

Apesar do processo ter eventualmente provocado cepticismo, esta etapa da vida política deve “contar com a participação acrescida dos cidadãos, na clarificação do panorama político”, apelou o bispo. “É urgente que os partidos e todos os intervenientes encarem com credibilidade e sentido de Estado os grandes desafios e oportunidades que se encontram no futuro imediato de todos nós.”

É o actual quadro político que leva o presidente da CEP a dizer que ele torna “ainda mais incompreensível a discussão e aprovação da lei da eutanásia por uma Assembleia da República moribunda”. Para lá do tema, que já mereceu várias tomadas de posição da CEP, “o modo e o momento desta iniciativa parlamentar lançam um ulterior manto de sombra sobre todo o processo desta lei que não dignifica os últimos dias desta legislatura”. E, garantindo que a Igreja “continuará a fazer tudo para que a dignidade da vida humana seja respeitada sem ser necessário o recurso à morte”, José Ornelas concluiu, com uma afirmação que se pode entender como apelo velado de veto do Presidente da República à lei aprovada na sexta-feira, 5: “As mais altas instâncias do País devem, por isso, pronunciar- se de acordo com as prerrogativas constitucionais de que dispõem”, disse.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This