Igreja Católica – que caminhos de futuro? (Debate – 3)

Prevenção em todo o lado – e muito, mesmo muito trabalho

| 4 Abr 2023

O catolicismo vive uma crise profunda, apesar de continuar a ser para muitas pessoas um espaço vital de busca de sentido e experiência de fraternidade. As situações de abusos de poder e violências sexuais vieram evidenciar problemas sistémicos. Em Portugal, depois de terem criado uma Comissão Independente (CI) para estudar os abusos sexuais sobre crianças, os bispos ficaram na indefinição sobre o que fazer com o panorama posto a nu pelo relatório da CI. Perante a perplexidade que tomou conta da sociedade e de muitos crentes, o 7MARGENS convidou católicos a partilhar leituras da situação e propor caminhos de futuro, a partir de três perguntas:

  1. Quais são os pontos que considera centrais nas medidas a assumir agora pela Igreja, para ser fiel ao Evangelho e ser testemunho de Jesus Cristo na sociedade? A quem cabe concretizar e liderar a aplicação de tais medidas?
  2. Considera que faria sentido que os batizados se encontrassem e se escutassem sobre essas tarefas e desafios que se colocam à comunidade eclesial, a nível diocesano e/ou nacional? Como? De que formas?
  3. Que contributo(s) estaria disposto a dar para que a Igreja, os católicos e as suas comunidades adotem um caminho centrado no Evangelho em ordem a superar a prática de abusos?

 

Um tsunami de crédito

Nesta terceira resposta, Joaquim Azevedo, professor universitário jubilado, criador e coordenador do Arco Maior, que publicou já no 7MARGENS um texto sobre o tema, não tendo disponibilidade para seguir o roteiro por nós proposto, concentrou a sua reflexão num ponto específico, mas não menos significativo: a aplicação de medidas de prevenção de maus-tratos e abusos sexuais.

“Enfim, a um tsunami de descrédito só é preciso responder com outro tsunami de crédito, assumindo todas as consequências disso mesmo.” Foto © Santos / Pixabay

 

Penso que as medidas de prevenção de maus-tratos e de abusos sexuais deveriam ser apreendidas, aplicadas e avaliadas em todo o lado, no quadro de organizações da Igreja Católica e de instituições onde ela participa direta e indiretamente (deveria ser uma obrigação, sem quaisquer contemplações).

Esse é, a meu ver, o trabalho de fundo mais direto e importante que há para fazer e que passa por muito, mesmo muito trabalho, de orientação e de apoio por parte de equipas técnicas, por todo o país (são vários milhares as instituições de bem fazer em que a Igreja está presente). E isso aplica-se a todas as instituições, incluindo seminários. É um trabalho colossal e para muitos anos (entre 10 e 20) e que requer um elevado esforço de renovação mental e de investimento de recursos. E de atenção-avaliação permanente e independente (dependo o acompanhamento e a avaliação de uma Agência autónoma). Na teoria e na prática, prevenir a sério significa passar a ter os olhos postos no amor aos mais pequeninos, aos mais frágeis e aos mais pobres e ter as mãos agarradas à justiça e ao serviço.

A formação inicial e contínua do clero (incluindo os bispos), é o outro domínio onde se deve trabalhar a fundo a prevenção, desde a questão dos abusos sexuais aos abusos de poder e ao que devem ser as consequências práticas de uma lógica de serviço, de serviço e amor aos mais pobres e desprotegidos, ao modo que Jesus inaugurou.

Enfim, a um tsunami de descrédito só é preciso responder com outro tsunami de crédito, assumindo todas as consequências disso mesmo. Há felizmente muitas instituições que já encetaram este caminho e podem servir de farol. Nada deveria ficar como antes. E isso só acontecerá se não recusarmos o repto, mas acolhermos e aproveitarmos este furacão e dele quisermos ser parte, ou seja, o caminho de sempre: morte e ressurreição.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This