Papa não quer processo de fachada

Prior de Taizé propõe no Sínodo um grande encontro ecuménico animado por jovens

| 9 Out 2021

Irmão Aloïs, Taizé, Sínodo

O irmão Aloïs, prior de Taizé, na abertura do Sínodo 2021-23, em Roma, 9 Outubro 2021. Foto © Vatican Media.

 

Um grande encontro ecuménico com crentes de diferentes igrejas cristãs e não apenas católicos – tal é a proposta deixada pelo irmão Aloïs, prior da comunidade de Taizé, no decurso da sessão de reflexão deste sábado, 9 de Outubro, com que o Papa Francisco quis dar início ao processo sinodal da Igreja Católica, que decorrerá até 2023.

“Santo Padre, já que nos convida a sonhar, gostaria de partilhar um sonho: seria possível que um dia, no decurso da viagem sinodal, não só os delegados, mas o povo de Deus com crentes de diferentes Igrejas, e não só católicos, fossem convidados para um grande encontro ecuménico?”, perguntou o responsável da comunidade monástica ecuménica, situada na Borgonha, sudeste de França. Um grande encontro ecuménico para “promover a paz”, acrescentou, no discurso reproduzido pelo Religión Digital.

O irmão Aloïs perguntou ainda: “Poderiam os jovens ser os animadores desta iniciativa? Poderia tal celebração ser alargada através de intercâmbios inter-religiosos? Descobriríamos que, estando unidos em Cristo, nos tornamos artesãos da paz.”

Papa Francisco, Sínodo

O Papa Francisco a cumprimentar jovens na abertura do Sínodo: o irmão Aloïs perguntou se não podem ser os jovens a animar um grande encontro ecuménico. Foto © Vatican Media.

 

Partindo da experiência da comunidade de Taizé, onde milhares de jovens são acolhidos todos os anos, o sucessor do irmão Roger afirmou: “Longe de concordar com um pequeno denominador comum, somos constantemente instados a ir à fonte do Evangelho, ao Cristo ressuscitado que, através do Espírito Santo, nos conduz juntos ao Pai de todos os seres humanos sem excepção.”

O prior de Taizé manifestou também a sua gratidão pelo convite feito por Francisco a representantes de outras Igrejas: “Será valioso ouvi-los falar sobre a forma como praticam a sinodalidade, os seus benefícios e os seus limites.”

Lamentando que, entre as igrejas “as diferenças tendem a transformar-se em polarizações separatistas, quando o nosso testemunho da paz seria vital”, o irmão Aloïs acrescentou: “Dentro da Igreja Católica, o sínodo também trará à luz “grandes diversidades”, que serão “mais frutuosas quando a busca da comunhão for aprofundada ao mesmo tempo, não para evitar ou esconder conflitos, mas para alimentar um diálogo que reconcilie”.

 

Sinodal, escuta e proximidade: as três oportunidades pedidas pelo Papa
Cristina Inogés, Sínodo

A teóloga espanhola Cristina Inogés, professora na Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, abriu o Sínodo 2021-23 com a sua intervenção. Foto © Vatican Media.

 

A sessão de abertura do Sínodo da Igreja Católica sobre a sinodalidade contou com outros testemunhos e intervenções. A sul-africana Dominique Yon, que integra o Conselho Consultivo Internacional de Jovens e atravessou um processo de doença oncológica, confessou-se inspirada e entusiasmada com o Sínodo, que pode ser ocasião de participação também para “os perseguidos e oprimidos por causa da sua idade, religião, cor ou género”.

O sul-coreano Lazarus You Heung-sik, novo prefeito da Congregação para o Clero, disse que ser padre e bispo é, para ele, “dar a vida pelos outros, colocar-se ao serviço dos outros, ser um homem de diálogo e de comunhão” e “ouvir bem as pessoas”. A teóloga espanhola Cristina Inogés – que abriu as intervenções e o próprio Sínodo, ainda mais sendo professora na Faculdade de Teologia Protestante de Madrid – falou de uma “Igreja ferida, profundamente ferida” que fez “muito dano a muitas pessoas” e que há muitos séculos confia mais nos seus “egos” que na Palavra de Deus.

No seu discurso, o Papa Francisco começou por definir: “o Sínodo não é um parlamento, o Sínodo não é uma investigação sobre as opiniões; o Sínodo é um momento eclesial, e o protagonista do Sínodo é o Espírito Santo.” Referiu a participação e o “efectivo envolvimento de todos e cada um como uma ideia central, sem a qual a comunhão e a missão – os outros dois lemas desta assembleia – ficariam “meio abstractas” e não passariam “de pias intenções”.

Sínodo

Aspecto da aula sionodal na abertura do Sínodo 2021-23, durante a intervenção do Papa. Foto © Vatican Media.

 

No discurso, que está disponível em português no sítio do Vaticano, Francisco alertou para três riscos do processo sinodal: o do formalismo, reduzindo-o a um evento “de fachada”, que contrarie “o elitismo” clerical e a visão verticalizada; o intelectualismo que faça do sínodo uma “espécie de grupo de estudo, com intervenções cultas mas alheias aos problemas da Igreja e aos males do mundo”; e o risco do imobilismo, que leve a dizer que “fez-se sempre assim”, o que “é um veneno na vida da Igreja”.

Pelo contrário o Papa entende que este sínodo como processo deve oferecer três oportunidades: encaminhar “para uma Igreja sinodal: um lugar aberto, onde todos se sintam em casa e possam participar”; de tornar a Igreja uma comunidade “da escuta”; e de tornar também “uma Igreja da proximidade”, bem como da compaixão e ternura, ao estilo de Deus: “uma Igreja que não se alheie da vida, mas cuide das fragilidades e pobrezas do nosso tempo, curando as feridas e sarando os corações dilacerados com o bálsamo de Deus”.

A concluir, o Papa Francisco citou o padre Yves Congar, um dos teólogos do Concílio Vaticano II (1962-65), num livro publicado em 1994 (Verdadeira e Falsa Reforma na Igreja): “Não é preciso fazer outra Igreja; é preciso fazer uma Igreja diferente.

Papa Francisco, Sínodo

O Papa Francisco na abertura do Sínodo 2021-23, em Roma, 9 Outubro 2021. Foto © Vatican Media.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This