Cúria Romana tem nova Constituição

Prioridade à evangelização e mulheres podem ser responsáveis de dicastérios

| 20 Mar 2022

Papa Francisco com membros da Cúria Romana. Foto © Vatican Media.

Francisco com membros da Cúria Romana: uma estrutura mais centrada no serviço e na evangelização é o desejo do Papa. Foto © Vatican Media.

 

Prioridade absoluta à evangelização, possibilidade de os leigos e as mulheres serem responsáveis dos dicastérios, mandatos limitados a cinco anos só excepcionalmente renováveis, redução do número de dicastérios, uma lógica de funcionamento centrada no serviço à Igreja universal e ao mundo, na comunhão, na sinodalidade, na colaboração mútua e na proximidade com os que mais sofrem. São estas algumas das principais mudanças estabelecidas na constituição apostólica Praedicate evangelium (“Anunciai o Evangelho”), “sobre a Cúria Romana e o seu serviço à Igreja e ao Mundo”, publicada neste sábado, 19 de Março e que entrará em vigor dia 5 de Junho, festa de Pentecostes no calendário católico.

Consubstanciando muito do que tem sido a visão do Papa sobre a organização e a missão da Igreja Católica, preparada durante vários anos, a publicação da Praedicate evangelium (PE) chegou a estar prevista para 2019, quando vieram a público algumas das suas principais orientações, como o 7MARGENS na altura adiantou.

No entanto, ela foi sendo adiada, quer por causa da pandemia, quer para clarificar normas que poderiam colidir com o Direito Canónico. A sua divulgação acaba por coincidir com o nono aniversário do início do pontificado do Papa Francisco e aponta a necessidade de os membros da Cúria terem um conjunto de características espirituais que ultrapassem a dimensão tecnocrática e institucional que muitas vezes tinham.

O título e subtítulo resumem o programa e o conteúdo da constituição e coincidem com o que há três anos se soube: a Cúria Romana deve estar ao serviço primordial da evangelização e não da burocracia papal. É o que se afirma logo no início do texto: “Anunciai o Evangelho: esta é a tarefa que o Senhor Jesus confiou aos seus discípulos. Este mandato constitui o primeiro serviço que a Igreja pode prestar a cada pessoa e a toda a humanidade no mundo de hoje.”

“A reforma da Cúria Romana situa-se também no contexto da natureza missionária da Igreja”, acrescenta o texto, que confirma a prioridade à missão evangelizadora da Igreja, quando refere o novo Dicastério para a Evangelização: este é presidido directamente pelo próprio Papa e, na lista dos dicastérios – o nome que passam a ter todos os principais organismos da Santa Sé, substituindo as actuais congregações e conselhos pontifícios – ele vem antes do Dicastério para a Doutrina da Fé. Apesar de o documento estabelecer que todos têm o mesmo estatuto, percebe-se também aí a mudança de prioridade.

Excepção à mudança de nome é a Secretaria de Estado, que é definida como “secretaria papal” com a função de coadjuvar de perto o Papa, no exercício da sua missão. De resto, reduz-se o número de Dicastérios, “juntando aqueles cuja finalidade era muito semelhante ou complementar”, para “evitar sobreposições de competências”. Um dos casos de fusão é o novo Dicastério para a Cultura e a Educação.

 

Comunhão, sinodalidade, serviço

Papa Francisco com os participantes no Momento de Reflexão que deu início ao Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, em Outubro 2021: um conceito cada vez mais chave. Foto ©Vatican Media

 

A reforma, clarifica o texto, “não é um fim em si mesma, mas um meio para dar um forte testemunho cristão; para fomentar uma evangelização mais eficaz; para promover um espírito ecuménico mais frutuoso; para fomentar um diálogo mais construtivo com todos”.

Comunhão, sinodalidade, serviço, são palavras-chave da nova Constituição, que, entendendo a Cúria como estando “ao serviço do Papa”, não a vê como algo “entre o Papa e os bispos, mas antes se coloca ao serviço de ambos”. Aliás, logo a seguir, o documento confirma, no seu parágrafo 9, que a atenção dada às conferências episcopais se destina a “aproveitar ao máximo o seu potencial”, com a Cúria ao “pleno serviço” dos organismos colectivos dos bispos, de modo a “exprimir a dimensão colegial do ministério episcopal” e “a reforçar a comunhão eclesial”.

“Esta vida de comunhão dá à Igreja a face da sinodalidade”, afirma o texto, referindo uma questão que aparece cada vez mais decisiva no pontificado de Francisco. Também o papel dos leigos é sublinhado pelo documento, que o considera “imprescindível”, incluindo em lugares de governo: “O Papa, os bispos e outros ministros ordenados não são os únicos evangelizadores na Igreja. (…) Cada cristão, em virtude do baptismo, é um discípulo-missionário na medida em que encontrou o amor de Deus em Cristo Jesus.” Por isso a reforma da Cúria deve “prever o envolvimento de leigos, também em papéis de governo e de responsabilidade”.

O texto da PE refere ainda que o se estabelece na nova Constituição “será real e possível se brotar de uma reforma interior” com a qual se expresse a atitude do samaritano da parábola, “que se desvia do seu caminho para se tornar próximo de um homem meio-morto que não pertence ao seu povo e que ele nem sequer conhece”.

A Cúria Romana passa a ser composta pela Secretaria de Estado, 16 dicastérios, três organismos de justiça, seis organismos económicos, três departamentos, um registo de advogados e nove instituições ligadas à Santa Sé (entre as quais o Arquivo e a Biblioteca apostólicos, actualmente dirigidos pelo cardeal português José Tolentino Mendonça).

O novo Dicastério para o Serviço da Caridade que aparece em terceiro lugar na lista, toma a experiência da Esmolaria Apostólica: “Partindo da opção pelos pobres, os vulneráveis e os excluídos, exerce em qualquer parte do mundo a obra de assistência e ajuda-os em nome do Romano Pontífice, o qual, nos casos de particular indigência ou de outra necessidade, disponibiliza pessoalmente as ajudas a serem destinadas”, diz o texto.

Já o Dicastério para a Doutrina da Fé passa a englobar Comissão para a Proteção de Menores, criada em 2013, que continuará a trabalhar com autonomia, incluindo presidente e secretário nomeados pelo Papa.

 

Mandatos de cinco anos
Manifestação da revolta das Mulheres na Igreja - Madrid, 1 Março 2020. Foto reproduzida da página da Revolta das Mulheres na Igreja, na rede social Twitter

Manifestação da revolta das Mulheres na Igreja – Madrid, 1 Março 2020: as mulheres podem passar a dirigir dicastérios da Cúria Romana. Foto reproduzida da página da Revolta das Mulheres na Igreja, na rede social Twitter.

 

O documento – que só nesta segunda-feira, 21, deverá ficar disponível na página oficial do Vaticano na internet, depois da sua apresentação pública na Sala de Imprensa do Vaticano –, estabelece mandatos de cinco anos e propõe um espírito de uma “saudável descentralização” deixando aos bispos a tarefa de resolver todas as questões que não impliquem a “doutrina, disciplina e comunhão da Igreja”.

Não se ficando apenas por um conjunto de normas e critérios organizativos, o documento propõe ainda “que em todas as instituições curiais o serviço à Igreja-mistério” se traduza “na oração comum, na renovação espiritual e na celebração periódica comum da eucaristia e na “alegre consciência” de todos os membros da Cúria de que são “discípulos-missionários ao serviço de todo o Povo de Deus”.

Ao mesmo tempo, a Constituição refere a necessidade de prestar “uma cuidadosa atenção à escolha e formação do pessoal, bem como à organização do trabalho e ao crescimento pessoal e profissional de cada indivíduo”. Além da “integridade pessoal e profissionalismo” dos membros da Cúria, estes devem também distinguir-se “pela sua vida espiritual, boa experiência pastoral, sobriedade de vida e amor pelos pobres, espírito de comunhão e serviço, competência nas matérias que lhes são confiadas e capacidade de discernir os sinais dos tempos”, já que “o rosto de Cristo reflecte-se na variedade dos rostos dos seus discípulos que, pelos seus carismas, estão ao serviço da missão da Igreja”, sejam eles bispos, clérigos ou leigos.

A escolha de cardeais, bispos e outros membros da Cúria deve igualmente reflectir a “catolicidade da Igreja”, devendo a Cúria Romana contar com “colaboradores qualificados de diferentes culturas”.

A nova Constituição substitui a Pastor bonus (“O bom pastor”), promulgada pelo Papa João Paulo II em 1988, e que actualizava a estrutura criada pelo Papa Sisto V precisamente 400 anos antes. Desejada pelos cardeais nas reuniões pré-conclave de 2013, ela surge agora como resultado das discussões no Conselho de Cardeais e de múltiplos contributos.

 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This