América Latina

Prioridade para jovens, mulheres e vítimas das injustiças sociais e da Igreja

| 28 Nov 2021

Participantes na Assembleia Eclesial da America Latina e Caribe. Foto © Direitos Reservados

 

A Assembleia Eclesial da Igreja da América Latina e das Caraíbas, que este domingo encerrou no santuário da Senhora de Guadalupe, na Cidade do México, define cerca de quatro dezenas de grandes desafios pastorais que sintetizam uma semana de trabalhos, num acontecimento que muitos observadores consideram histórico.

O reconhecimento do protagonismo dos jovens na comunidade eclesial e na transformação da sociedade; o acompanhamento das vítimas das injustiças sociais e eclesiástica; impulso à participação das mulheres nos ministérios e nas instâncias de governo, discernimento e decisão eclesial são os três mais destacados desafios que o documento conclusivo define.

Outros desafios que vêm a seguir, nesse documento, referem a promoção da dignidade da vida e da pessoa humana; o incremento da formação em sinodalidade para erradicar o clericalismo; a aposta na participação dos leigos na vida sociopolítica, cultural e eclesial; a escuta do clamor dos pobres, excluídos e descartados; reforma dos itinerários formativos dos seminários; renovação do conceito e experiência da “Igreja povo de Deus”; e dar prioridade à ecologia integral nas comunidades.

Ainda que se tenha tratado de um marco na vida da Igreja Católica, da sequência da conferência de Aparecida, em 2007, a grande novidade deste evento foi ter sido uma assembleia eclesial, juntando a “diversidade multifacetada” dos cristãos leigos, religiosos e bispos e de ter sido concebida e realizada com “uma verdadeira experiência de sinodalidade, ou seja, “de escuta mútua e de discernimento comunitário daquilo que o Espírito quer dizer à sua Igreja”.

Para cada um dos 41 desafios pastorais da Igreja na América Latina, o documento aponta, de forma sintética, algumas orientações pastorais.

Da assembleia saiu igualmente uma “mensagem ao povo da América Latina e das Caraíbas”, intitulado “Todos somos discípulos missionários em saída”, na qual se enfatiza e denuncia a dor “dos mais pobres e vulneráveis ​​que sofrem o flagelo da miséria e da injustiça”, assim como “o grito de destruição da casa comum” e a “’cultura do descarte’ que atinge sobretudo as mulheres, os migrantes e refugiados, os idosos, os indígenas e os afrodescendentes”.

A assembleia diz-se, por outro lado, preocupada “com o impacto e as consequências da pandemia que aumenta ainda mais as desigualdades sociais, comprometendo inclusive a segurança alimentar de grande parte” da população.

Não deixa, também, de referir “pecados intraeclesiais” como o “clericalismo e autoritarismo nas relações, que levam à exclusão dos leigos, especialmente das mulheres nas instâncias de discernimento e decisão sobre a missão da Igreja, constituindo um grande obstáculo à sinodalidade”.

De resto, sobre a sinodalidade esta assembleia deixa vincada esta mensagem: ela “não é uma moda passageira“, antes pertence à essência da Igreja.

 

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos

Papa revela em entrevista

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos novidade

Depois de ter anunciado o desejo de visitar a Rússia e a Ucrânia, a seguir à viagem que vai fazer ao Canadá, o Papa Francisco surpreendeu esta quarta-feira ao anunciar a intenção de nomear duas mulheres para o comité do Dicastério dos Bispos, que procede à análise dos nomes a escolher para as dioceses, nas diferentes partes do mundo.

Terrorismo, ciclones e Missão

Norte de Moçambique

Terrorismo, ciclones e Missão novidade

É verdade que toda a Igreja se empenhou na assistência humanitária às vítimas do ciclone Gombe, com a distribuição de alimentos e materiais de construção para as casas. E também abre braços e corações para acolher os deslocados de Cabo Delgado. Mas a grande aposta na construção de um futuro melhor passará por projectos de desenvolvimento e por mais e melhor educação integral.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!” novidade

Não se é cristão porque se pratica a religião cristã, ou pela simples razão de ir à igreja, ou porque se pratica boas obras.
Não se é cristão porque se conhece bem a Bíblia, faz-se beneficência ou até se dá a vida em nome de Deus.
Tudo isto pode ser feito, e na verdade não é ser cristão. Parecer é uma coisa, ser é outra.   

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This