Nas Filipinas

Projeto de lei criminaliza discriminação com base na raça ou credo

| 19 Ago 2022

A sã convivência entre a religião católica e a muçulmana ainda não passou totalmente para a prática do dia a dia. Foto © Maria Tan/Rappler

 

Parlamentares filipinos liderados por um senador muçulmano aprovaram um projeto de lei que visa criminalizar a discriminação, que inclui estereotipos e recusa de emprego com base na religião ou na raça.

O senador Robin Padilla afirmou que os que pertencem a minorias religiosas como ele sofreram discriminação no local de trabalho por causa do seu credo. “Não senti a discriminação quando ainda era católico. Somos uma nação católica, então ser um é a norma. Mas quando me tornei muçulmano, tornei-me a exceção. As coisas mudaram, especialmente no local de trabalho, quando comecei a trabalhar com outros atores que eram cristãos”, disse Padilla, citado pela UCA News.

O país precisa de uma lei para criar igualdade entre cristãos e não cristãos, disse ele, impondo sanções àqueles que discriminam com base em credo e raça. “Precisamos proteger os direitos de todos os filipinos, protegendo-os da discriminação. Se uma pessoa for considerada culpada, ela será penalizada com uma pena de prisão de pelo menos seis anos e uma multa de pelo menos 100.000 pesos [cerca de 2.000 euros]”, acrescentou Padilla.

O projeto visa combater a discriminação racial no local de trabalho, fornecendo seminários e palestras sobre o tema, bem como palestras obrigatórias sobre história e cultura filipinas. “Educação é a chave. A causa raiz da discriminação é a ignorância. Se educarmos a mente, coisas positivas acontecerão certamente”, disse o líder muçulmano Rasheed Wahab Jaafar à UCA News.

Enquanto isso, o líder do Lumad, Prospero Kalusig, disse que o projeto de lei protegeria não apenas os muçulmanos, mas também os povos indígenas que também anseiam por um retrato igual ao da maioria católica. “Muitos católicos ainda acreditam que se alguém pertence a uma tribo indígena, a pessoa presta culto à natureza e não tem nenhuma religião ou credo formal. Mas a Constituição filipina não garante a liberdade de religião livre de qualquer restrição?”, questiona Kalusig.

As autoridades filipinas estimam que, da população total de 110 milhões, mais de 79% são católicos romanos, enquanto 9% pertencem a outros grupos cristãos, e 5% são muçulmanos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores