Cimeira de Glasgow

Prolongamento sem acordo à vista

| 12 Nov 2021

cop 26 glasgow c cop26

Os últimos debates serviram principalmente para sublinhar o que distancia as posições, interesses e exigências dos diferentes grupos de países. Foto © COP26.

 

A Cimeira do Clima de Glasgow seguiu os passos das anteriores e não terminou esta sexta, 12 de novembro, conforme estava inicialmente previsto. Ao fim da tarde. o seu presidente, Alok Sharma, anunciou que uma terceira versão do documento final seria trabalhada durante a noite para ser debatida e finalmente aprovada durante a tarde de sábado.

A segunda versão do acordo divulgada na manhã de dia 12 provocou nos ativistas do clima algum alívio misturado com certo desespero. Alívio por continuaram presentes as referências ao termo do uso do carvão e de alguns subsídios aos combustíveis fósseis e pelo facto de o texto sublinhar de modo mais veemente o objetivo de manter o aumento da temperatura média nos 1,5 graus Celsius acima da temperatura média da era pré-industrial (minimizando o crescimento de 2 graus Celsius que constava como primeiro objetivo no Acordo de Paris de 2015). Desespero pelo contante adiamento do ano em que os países mais pobres podem começar a contar com os prometidos 100 mil milhões de dólares anuais para adaptarem as suas economias à neutralidade carbónica (a promessa vinda de Paris era de que tal verba estaria disponível a partir de 2020 – o que não aconteceu – e é agora prometida para 2025). Uma análise balanceada do que a segunda proposta de acordo veio trazer quando comparada com a primeira pode ser lida no jornal inglês The Guardian.

Os debates de sexta-feira serviram principalmente para sublinhar o que distancia as posições, interesses e exigências dos diferentes grupos de países, não tendo sido conhecida nenhuma assunção de objetivos suficientemente dramática para empurrar as partes a fecharem um acordo ambicioso. No caso de a Cimeira terminar com um acordo global fraco e incapaz de impulsionar ações firmes que credibilizem o objetivo dos 1,5 graus Celsius, o seu mais importante resultado pode vir a ser o facto de apontar para que os negociadores dos 198 países voltem a reunir daqui a um ano para apresentarem o reforço dos seus planos de redução das emissões de gases com efeitos de estufa. É possível que, após o insucesso de Glasgow, a exigência da opinião pública mundial cresça e obrigue as partes a comprometerem-se com planos muito mais ambiciosos.

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This