Pronto-a-vestir – Ascensão e queda do sector da moda berlinense

| 9 Nov 21

O ataque aos judeus alemães, preparado e perpetrado em todo o país pelos nazis no dia 9 de Novembro de 1938, teve no centro de Berlim um acto de poderoso carácter simbólico: do mesmo modo que em 1933 queimaram livros na praça em frente à universidade, em 1938 fizeram nova fogueira, a poucas centenas de metros dessa praça, para queimar tecidos e modelos do sector da moda berlinense, que se desenvolvera imenso ao longo do século anterior devido ao trabalho pioneiro de empresas de judeus. A intenção do regime nazi era renegar a moda berlinense, associada aos judeus, e abrir um capítulo novo na história do pronto-a-vestir: a “arianização” da moda, para a tornar mais tradicional e adaptada ao corpo da “parideira” que correspondia ao ideal feminino do mundo nazi. O texto que se segue, sobre a história do pronto-a-vestir berlinense, foi escrito com base nos seguintes artigos (em alemão): “Breve história da indústria da moda berlinense“, “Como os nazis destruíram a cultura da moda alemã” e “Por que motivo Berlim deixou de ser uma metrópole da moda“. Recomendo que os abram para ver as imagens históricas.

Foto: Louise Brooks, Coleção Bain. © Divisão de Impressos e Fotografias, Biblioteca do Congresso, Washington, EUA.

 

 

A lei da emancipação judaica de 1812 abriu aos judeus a possibilidade de exercerem novas actividades económicas, nomeadamente dando-lhes autorização para terem lojas que anteriormente lhes estavam vedadas. Até então, muitos judeus viviam do trabalho de alfaiataria e do comércio ambulante com roupas usadas e objectos de retrosaria. Por força das circunstâncias, tornaram-se especialistas nessa área – o que lhes viria a ser muito útil no novo contexto de afrouxamento das proibições. Em 1837, dois irmãos judeus, David e Valentin Manheimer, abriram uma “oficina de trabalho com têxteis” na Jerusalemer Str. 17 em Berlim. Supõe-se que o terão feito com dinheiro ganho no Loto.

Ao fim de dois anos, Valentin abandonou a oficina que fundara com o irmão, onde se faziam casacos de homem, e abriu a sua própria fábrica na Oberwallstrasse – a dois passos do palácio do Kaiser. Nela fabricava casacos de lã grossa em tamanhos estandardizados para senhora, que vendia a preços acessíveis a um novo grupo de clientes, a classe média. Um ovo de Colombo: as mulheres que não tinham dinheiro para pagar a uma modista viram ali a sua oportunidade de comprar roupa de qualidade e ao gosto da época.

 

O “Rei dos Casacos”

Foto: Berlin 1889, Hausvogteiplatz, centro do vestuário . Retirada do documentário de F. Albert Schwartz. Arquivos da Alemanha.

 

Valentin Manheimer recebeu a alcunha de “Rei dos Casacos”, e chegou até a exportar para a cidade de Nova Iorque. Mas não era o único. Pouco depois de Valentin ter dado início à sua nova empresa, Hermann Gerson instalou-se na mesma área para produzir pronto-a-vestir para homem e senhora com um grau de refinamento um pouco mais elevado que os seus colegas. Teve tanto sucesso que se tornou fornecedor da corte. O “Modebazar Gerson”, aberto em 1849, tinha fama de ser “a loja de manufacturas de mais bom gosto, mais fantástica e mais significativa de toda a Alemanha”, e diz-se que terá sido a primeira “Kaufhaus” berlinense. Mas outro judeu, Nathan Israel, queria para si esse título, afirmando que o seu armazém é que era o autêntico Harrods de Berlim.

O sucesso destes atraiu novos empresários. Em 1860, havia 20 firmas de confecções à volta da Hausvogteiplatz. Onze anos mais tarde, quando Berlim se tornou a capital do Reich, esse número já tinha duplicado. Perto do final do século, todo esse bairro vivia das confecções nas várias vertentes do negócio: produção de vestuário e respectivas matérias subsidiárias, comércio, marketing e vendas para outras regiões. A “Berliner Durchreise”, primeira feira da moda de que há história, foi iniciada nessa altura. Duas vezes por ano reuniam-se ali importadores europeus e de outros continentes para apreciar as últimas novidades da moda berlinense e para a exportar. Simultaneamente, Berlim enviava compradores a Paris, Londres, Milão e Viena para espreitarem o que a Haute Couture dessas cidades fazia, e adaptar à produção em série.

Estes produtos eram apresentados em ambientes cada vez mais requintados, enquanto, na outra ponta da cadeia, a produção funcionava em regime de outsourcing, repartida por mais de 600 alfaiates que recebiam os moldes e os tecidos para produzir as encomendas das empresas de vestuário. Estes, por sua vez, entregavam o trabalho a mulheres que, por preços miseráveis, costuravam as peças nas suas próprias casas, nos bairros pobres à volta de Berlim. O número de costureiras sazonais deve ter chegado a 100.000. A princípio cosiam tudo à mão, mas em breve se daria uma inovação importante para este sector.

 

Singer, a costura em casa

Foto: Mode Katalog Warenhaus A. Wertheim, Berlim, 1903-1904. © Fábrica de Textil Cromford (Museu do Têxtil) em Ratingen (Alemanha).

 

Em 1856, o americano Isaac M. Singer pôs no mercado a primeira máquina de costura que se podia usar em casa. Sete anos depois, abriu a primeira fábrica de máquinas Singer em Frankfurt. O trabalho passou a ser feito à máquina, a capacidade produtiva aumentou significativamente. O aparecimento da máquina de costura teve um papel muito importante no sucesso deste negócio berlinense, que cresceu a ponto de nos anos 1920 assegurar todas as necessidades do mercado de vestuário alemão. O sector das confecções era o terceiro sector económico mais importante de Berlim. Mas, ao contrário da Siemens e da AEG, não tinha fábricas para mostrar. As costureiras, fechadas em casa e obrigando os filhos a ajudar, eram tão exploradas como as actuais trabalhadoras de têxteis no Bangladesh – e igualmente invisíveis.

Também noutros países – Reino Unido, EUA – se fazia roupa em tamanhos standard ready to wear. Mas as empresas de confecções de Berlim foram pioneiras na captação de um público feminino que até então dependia de Paris.

A época da República de Weimar foi o período áureo do sector da moda de Berlim. A cidade alargara-se para as localidades vizinhas, transformando-se numa metrópole que experimentava novas liberdades na frágil democracia. Surgiu o “Berliner Chic” e um novo tipo de cliente: as funcionárias dos escritórios – independentes, sem filhos, com algum dinheiro e com vida social. As mulheres emancipavam-se, jovens desenhadoras de moda abriam os seus próprios ateliers e oficinas de chapéus. Estrelas de cinema e jornalistas de moda contribuíam para dar bom nome ao estilo berlinense. E deu-se uma reviravolta curiosa: a moda berlinense era divulgada por revistas que por vezes incluíam moldes que permitiam a mulheres com menos recursos fazerem em casa os seus próprios modelos. Desse modo, mesmo as mulheres de classes sociais com menos rendimentos podiam vestir com alguma elegância. Esta concorrência nas classes mais baixas não incomodava as grandes empresas de confecções, cujos negócios continuavam a ir de vento em popa.

 

Foto: Mode Katalog Warenhaus A. Wertheim, Berlim, 1903-1904. © Fábrica de Textil Cromford (Museu do Têxtil) em Ratingen (Alemanha).

 

De Auschwitz para a exportação

A grande crise de 1929 pôs um travão a esta euforia. A empresa Manheimer fechou em 1931, a Hermann Gerson entrou em processo de falência. Pouco depois os nazis chegaram ao poder, e começaram a problematizar a questão de 90% das confecções de Berlim estarem na mão de judeus. Tudo na moda berlinense – que associavam aos judeus – os irritava: a emancipação feminina, a flexibilidade e a criatividade que andavam de mão dada com o espírito de Weimar, com as novas correntes artísticas, com a Bauhaus, etc. Era preciso criar uma “arte de vestir ariana”. Vestidos com pano para a barriga em vez da cintura estreita, tranças loiras em vez de corte à pagem, criança ao colo em vez de cigarro na mão. Magda Goebbels, que durante algum tempo foi a patrona do Instituto da Moda, viria a comentar com tristeza “com os judeus desapareceu também a elegância de Berlim”.

Foto (10 novembro 1938): Cidadãos alemães, um dia após a Kristallnacht, olhando ou fingindo ignorar as lojas e casas judias destruídas. © Museu Memorial do Holocausto, Administração de Arquivos e Registros Nacionais (EUA).

 

A partir de 1935, os empresários judeus foram proibidos de publicar anúncios nas revistas. No Reichspogrom de 1938 destruíram deliberadamente as suas lojas e deitaram fogo aos seus tecidos atirados para o meio da Hausvogteiplatz. Tal como com a fogueira dos livros, pretendia-se aqui uma cisão. A propaganda nazi tratava a palavra “confecções” com tamanho desprezo, que esta deixou de se usar – até hoje. Muitas empresas foram expropriadas ou compradas por baixo preço aos judeus, para se tornarem “arianas”. Das 2.700 empresas que havia na zona da Hausvogteiplatz, só 98 existiam ainda em 1939. Dessas 98, só uma pertencia ao grupo de empresas pioneiras dos anos 30 do século anterior – e salvou-se porque o seu fundador, Rudolph Hertzog, era cristão.

A história das empresas de confecção de judeus termina com um capítulo macabro: prisioneiros de Auschwitz-Birkenau produziam vestuário para exportação.

Enquanto as empresas dos proprietários judeus eram destruídas, a de Rudolph Hertzog atravessava uma fase de franco crescimento. Entre 1936 e 1945 vendia, para além do vestuário para homens e senhoras, fardas e equipamento do partido. O neto do fundador afirmaria mais tarde, num tribunal de desnazificação, que sempre tinha sido muito comedido em termos partidários. De pouco lhe serviu: a empresa foi expropriada. No edifício, muito danificado pelos bombardeamentos, a RDA viria a instalar uma loja de vestuário para jovens e uma empresa de casamentos.

Pintura: Guache de Charlotte Salomon  (1917–1943). Representa o chamado Kristallnacht, uma série de ataques coordenados contra judeus em toda a Alemanha nazista, em 9 de novembro de 1938. © Museu Histórico Judaico (Amesterdão).

 


Tecido em chamas

Curiosamente, o mundo da moda berlinense voltou à vida logo nos primeiros meses após a guerra. Recomeçaram a publicar revistas com moldes para fazer em casa, revistas essas que os aliados autorizavam porque aceitavam o argumento de que se tratava de “uma área importante da vida das mulheres” que devia continuar a existir apesar de “a sua realização material ser um pouco mais limitada do que antes”. Davam-se conselhos para upcycling: como fazer um casaco quente com um cortinado de feltro [imagino que fossem os cortinados necessários para escurecer as janelas no tempo dos bombardeamentos], ou como fazer um turbante com um resto de seda. O último grito da moda pós-guerra eram os vestidos de remendos.

 

“Hoje em dia, quem sai da estação de metro na Hausvogteiplatz e sobe pelas escadas a leste, vê que nos degraus foram inscritos nomes de empresas, e anos.” Foto: Monumento aos judeus assassinados em Hausvogteiplatz, Berlim. © Gryffindor / Wikimedia Commons

 

Sem os antigos dinamizadores do fenómeno da moda berlinense – fugidos para outros países ou assassinados nos campos de concentração – a moda berlinense passou a inspirar-se no new look de Christian Dior. Já em 1946 se contavam 662 oficinas de confecção com 50.000 empregados. Regressou o sistema de entregar o trabalho ao domicílio. Os modelos eram desenhados em Berlim Ocidental, os tecidos vinham da RFA. A maior parte da produção era destinada à exportação. O bloqueio soviético obrigou a que toda esta actividade dependesse da ponte aérea. Düsseldorf e Munique foram ganhando cada vez mais importância como cidades da moda. A construção do Muro deu a última estocada ao sector de confecções de Berlim.

Hoje em dia, quem sai da estação de metro na Hausvogteiplatz e sobe pelas escadas a leste, vê que nos degraus foram inscritos nomes de empresas, e anos. Algumas dizem “até 1939”. Chegando à praça, encontra três espelhos dispostos em triângulo, como nas cabines de prova. É uma homenagem aos empresários judeus que naquele local deram origem ao pronto-a-vestir e à indústria da moda berlinense, e cujas empresas – e a própria vida – foram destruídas implacavelmente pelos nazis.

 

“Chegando à praça, encontra três espelhos dispostos em triângulo, como nas cabines de prova. É uma homenagem aos empresários judeus que naquele local deram origem ao pronto-a-vestir e à indústria da moda berlinense”. Foto: Hausvogteiplatz. Monumento em memória dos residentes judeus maltratados. © Manfred Brueckels / Wikimedia Commons

 

Em 2018 – só em 2018! – fizeram em Berlim uma exposição que respondia à questão “porque é que Berlim não é uma cidade da moda como Paris ou Londres?”, e também: porque é que as empresas de moda do pós-guerra quiseram manter tão bem escondida a história da ascensão e da queda do fenómeno da moda berlinense? Chamava-se: “Tecido em chamas – a moda alemã feita pelas empresas judaicas de confecções da Hausvogteiplatz”.

 

Helena Araújo vive em Berlim e é autora do blogue Dois Dedos de Conversa, onde este texto foi inicialmente publicado.

 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This