Proteger as comunidades ciganas no contexto da pandemia

| 19 Abr 20

Ciganos no Bairro dos Formarigos (Bragança)

Mulheres ciganas no Bairro dos Formarigos (Bragança). Foto © Catarina Marcelino

 

A presença dos ciganos em Portugal remonta ao século XV, tendo esta minoria étnica permanecido na Península Ibérica desde então. As comunidades ciganas foram sempre perseguidas e excluídas, tendo sido iniciada por D. João III em 1526 a sua expulsão de Portugal, seguindo-se o decreto de 1538 de deportação para as colónias, em que os homens eram obrigados a trabalhos forçados nas galés, sendo o Brasil o principal destino e as mulheres enviadas, na grande maioria, para África, colmatando assim a falta de presença feminina entre os colonos.

Em 1718, D. João V volta a ordenar a expulsão dos ciganos. Só com a Constituição de 1822 os ciganos passaram a ter direito à nacionalidade portuguesa. Mas o século XX continua a perpetuar a exclusão e a desconfiança entre ciganos e não ciganos, sendo a repressão e a perseguição durante a Ditadura uma constante. Já em Democracia, casos como o de Vila Verde (Braga) em 1996, em que milícias populares expulsaram uma comunidade a quem valeu o então governador civil, Pedro Bacelar de Vasconcelos, são um fado pesado e triste.

É muito importante compreender este passado, porque há de facto uma componente de exclusão e de racismo, que se perpetuaram durante séculos com momentos extremados de grande perseguição e sofrimento, de imigração forçada, de inclusão forçada, obrigando-os a renegar à sua própria língua e cultura.

Hoje, em pleno século XXI, seis séculos após a sua chegada a Portugal, estima-se em cerca de 50.000 pessoas que integram a comunidade cigana e carregam um estigma social alicerçado nas representações negativas da comunidade maioritária construída e alimentada ao longo dos séculos. Estão entre as pessoas mais pobres do país, com níveis de escolaridade muito baixos, sendo uma parte considerável daquelas que vivem em barracas.

Toda a fragilidade social destas comunidades torna-se mais evidente neste momento de pandemia e de estado de emergência. Se é verdade que o contágio pode acontecer com todas as pessoas, também é verdade que o acentuar da pobreza, a falta de rendimentos pelo encerramento de feiras e mercados, a falta de água, de saneamento básico e de habitações condignas, aumenta as fragilidades e expõe-nos mais ao risco de infeção.

Em Moura, um concelho do Baixo Alentejo, com um elevado rácio de população cigana no total de habitantes, há uma comunidade de 33 pessoas infetadas que estão em quarentena num “acampamento”, de onde ninguém entra e ninguém sai, tendo mesmo que ser assim, para o bem dos próprios e de todos os outros mourenses. A infeção espalha-se mais depressa em contextos onde as práticas culturais e sociais são de famílias alargadas, de quotidianos comunitários, reforçada pela pobreza, pelas condições deficientes de salubridade e muitas vezes pela falta de informação.

É preciso prevenir a infeção da covid19, mas também estarmos particularmente atentos aos riscos de discriminação e de tensão social que a propagação do coronavírus nas comunidades ciganas pode provocar, levando eventualmente a atitudes persecutórias e estigmatizantes que são perigosas e indesejáveis.

Os mediadores socioculturais que trabalham com instituições públicas e associações, e os pastores ciganos das Igrejas Evangélicas, de que grande parte das comunidades são seguidoras, podem ter um papel determinante na prevenção e no combate ao vírus, porque são vistos como pares confiáveis e credíveis. Mas, para tal, é necessário criar uma estratégia de formação/informação que seja levada a estes líderes comunitários em todo o território, preparando-os para este importante papel de “agentes de saúde pública”.

É preciso reforçar os pontos de água dos “acampamentos”, é preciso distribuir produtos desinfetantes, é necessário articular com as ONG de pessoas ciganas, que têm feito um trabalho meritório de distribuição alimentar junto das suas comunidades em todo o país. Em suma, é preciso proteger estas comunidades, para que esta minoria já por si socialmente frágil, não venha a engrossar os números fatídicos do coronavírus.

 

Catarina Marcelino é deputada do Partido Socialista e ex-secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco