Escolhida pelos bispos

Psicóloga Rute Agulhas vai coordenar grupo de acompanhamento de vítimas de abusos na Igreja

| 13 Abr 2023

Psicóloga Rute Aguhas. Foto Direitos reservados, via Facebook.

A psicóloga Rute Agulhas, que até agora integrava a comissão diocesana do Patriarcado de Lisboa, foi escolhida “após consulta aos bispos diocesanos e auxiliares”. Foto: Direitos reservados.

 

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou esta quinta-feira, 13 de abril, que o novo “grupo operativo que será responsável pelo acolhimento e acompanhamento das vítimas de abusos no seio da Igreja católica em Portugal” terá como coordenadora a psicóloga Rute Agulhas.

Em comunicado enviado ao 7MARGENS, a CEP explica que a psicóloga, que até agora integrava a comissão diocesana do Patriarcado de Lisboa, foi escolhida “após consulta aos bispos diocesanos e auxiliares”.

A mesma nota esclarece que o novo “grupo operativo”, criado no seguimento das “decisões tomadas na assembleia plenária extraordinária do passado dia 3 de março” e das recomendações da extinta Comissão Independente, trabalhará “em articulação com a Equipa de Coordenação Nacional das Comissões Diocesanas”.

“A constituição do grupo e o projeto serão analisados na Assembleia Plenária que se realiza na próxima semana, de 17 a 20 de abril”, acrescenta ainda o comunicado dos bispos.

Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicoterapia e Psicologia da Justiça, Rute Agulhas tem trabalhado na área clínica e forense e é autora de diversos livros sobre divórcio, direitos das crianças, parentalidade positiva, saúde mental e prevenção do abuso sexual de menores. Docente e investigadora no ISCTE-IUL, integrou as equipas fundadoras dos Núcleos de Psicologia Pediátrica e de Apoio a Crianças e Jovens em Risco do Hospital Fernando Fonseca e é consultora internacional para a ACRIDES (Associação Crianças Desfavorecidas, Cabo-Verde) e para o Conselho da Europa no âmbito de um projeto sobre justiça amiga das crianças.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This