Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

| 15 Abr 2024

Psiquiatra Margarida Neto. Foto DR

Margarida Neto é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa. Foto: Direitos reservados.

 

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Margarida Neto, 63 anos, é associada da AMCP há mais de 30, integra os Órgãos Sociais da Federação Portuguesa Pela Vida e é deputada na Assembleia Municipal de Lisboa. Em 2022, recebeu a medalha de mérito da Ordem dos Médicos, entidade de que é membro do Conselho Superior.

A nova direção nacional da AMCP, cujos restantes elementos podem ser conhecidos no site da associação, escolheu como lema “uma palavra e um propósito: ‘Compromisso”, pode ler-se no comunicado enviado esta segunda-feira ao 7MARGENS.

“O nosso compromisso para com a AMCP assenta em três vertentes: a Medicina, a Igreja e a Comunidade, isto porque reconhecemos a importância fundamental dessas áreas nas nossas vidas pessoais e profissionais, e porque queremos continuar a formar e apoiar os médicos atuais e futuros para viverem e promoverem os princípios da fé católica na ciência e prática da medicina”, refere a nova equipa nacional coordenadora da AMCP. O Programa de Ação para o triénio 2024-2026 já se encontra disponível online.

A atual direção sucede à presidida pelo médico cardiologista pediátrico José Diogo Ferreira Martins, que continua integrado na equipa nacional como editor da revista da AMCP Acção Médica e como representante da AMCP na Federação Internacional das Associações Médicas Católicas (FIAMC), onde é secretário-geral.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O aumento da intimidação católica

O aumento da intimidação católica novidade

A intimidação nos meios católicos está a espalhar-se por todos os Estados Unidos da América. No exemplo mais recente, a organização Word on Fire, do bispo de Minnesota, Robert Barron, ameaçou a revista Commonweal e o teólogo Massimo Faggioli por causa de um ensaio de Faggioli, “Será que o Trumpismo vai poupar o Catolicismo?”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This