“Agenda nacionalista hindu”

Purga nos manuais escolares indianos desfigura Gandhi

| 7 Abr 2023

Mahatma Gandhi. Foto: Domínio público, via Wikimedia Commons.

Mahatma Gandhi. Foto: Domínio público, via Wikimedia Commons.

 

Numa operação considerada por alguns de “grande envergadura”, os novos manuais escolares que os alunos da Índia passaram a utilizar a partir deste ano possuem factos históricos relevantes que são expurgados, reenquadrados ou reduzidos na sua abordagem, em benefício de uma “agenda nacionalista hindu” que o primeiro-ministro do país tem vindo a pôr no terreno.

Uma figura que sai bastante apagada na nova versão dos livros de estudo é a de Gandhi.

O jornal The Indian Express, que deu a informação em primeira mão, adianta que a versão até agora estudada referia que Gandhi era muito crítico dos que pretendiam que a Índia deveria ser apenas para os hindus, a exemplo do que se passava no Paquistão relativamente aos muçulmanos. Mais: ele lutou mesmo pela unidade entre hindus e muçulmanos, o que concitou sobre ele o ódio dos hindus mais extremistas que tentaram (conseguiram) assassiná-lo. Todas estas realidades, segundo aquele jornal, são retiradas na nova versão dos manuais agora aprovados pelo Conselho Nacional de Investigação e Formação para a Educação (NCERT, na sigla inglesa).

Na mesma linha, a construção do Taj Mahal, que é um dos sítios mais emblemáticos da Índia, passou a ser estudado de modo bastante diverso, já que o relevo dado até agora ao império Mogol, que o construiu, passa a ser substancialmente apagado.

O site do canal televisivo francês internacional News-24, que desenvolveu um trabalho sobre esta matéria, pormenoriza mais estas amputações: “Capítulos sobre os históricos governantes islâmicos do país estão a ser reduzidos ou eliminados; um capítulo inteiro do livro de história do 12º ano, ‘Reis e crónicas: os tribunais mongóis’, foi eliminado” refere.

Os livros de texto omitem também, de acordo com a mesma fonte, referências aos motins de 2002 no estado indiano de Gujarat, onde centenas de indianos-muçulmanos foram mortos quando Modi era o primeiro-ministro. E, finalmente, são superficiais as referências ao sistema de castas da Índia, com a discriminação de algumas delas e de comunidades minoritárias.

O director do NCERT, Dinesh Prasad Saklani, recusou-se a responder a perguntas do Washington Post sobre estas alterações dos manuais, que já vinham a ser ensaiadas em vários estados e passaram a ter agora uma dimensão nacional. Perante os media indianos, Saklani  justificou-as com a necessidade de, com a pandemia, reduzir a carga de estudos dos alunos e salvaguardou que as mudanças foram trabalhadas por “comissões de peritos”.

A história de um país multicultural e multi-religioso, com destaque para os hindus e os muçulmanos, estaria, assim, a ser revista. A mudança no plano educativo seria mais “uma forma de ‘hinduizar’ a história do sul da Ásia e ignorar todos os outros tipos de histórias plurais diversas que existiram”, segundo Utathya Chattopadhyaya, professora de História na Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, citada no News-24.

“Está-se, essencialmente, a criar um corpo de estudantes que saem a saber muito pouco sobre a história da justiça social, a história da democracia, a história da diversidade, etc.”, acrescentou a académica.

“O nacionalismo hindu intensificou-se sob Modi. Isto levou a confrontos violentos, ao bulldozing das comunidades indo-muçulmanas e à crescente polarização através da Índia e da sua diáspora global”, refere, a concluir, o canal de televisão francês.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This