Contra a opinião dos especialistas

Putin oferece à Igreja Ortodoxa dois símbolos maiores da unidade russa

| 5 Jun 2023

ícone “A Trindade” de Andrei Rublev. Foto © Galeria TretiakovDomínio público

O ícone mais célebre de todos – pintado por Rublev no século XV – transformou-se ao longo dos séculos no maior símbolo da unidade russa e era a principal atração da Galeria Tretyakov, em Moscovo, onde se encontra há um século. Foto © Galeria Tretyakov/Domínio público.

 

Por decisão do Presidente Putin, duas das peças mais famosas dos museus russos serão entregues com caráter definitivo à Igreja Ortodoxa russa. A doação comporta graves riscos de deterioração de uma delas – o ícone “A Trindade” de Andrei Rublev –, o que levou uma vintena de membros da Academia das Ciências russa a protestar contra tal transferência pelos estragos que a peça possa vir a sofrer.

Estes “altos favores” concedidos por Putin à Igreja Ortodoxa são vistos não apenas como reconhecimento pelo apoio incondicional que dela tem recebido na guerra de invasão da Ucrânia, mas também como uma forma de procurar cimentar a unidade nacional russa através da desestatização dos símbolos mais emblemáticos dessa unidade.

O ícone mais célebre de todos – pintado por Rublev no século XV – transformou-se ao longo dos séculos no maior símbolo da unidade russa e era a principal atração da Galeria Tretyakov, em Moscovo, onde se encontra há um século. Está desde dia 4 de junho na Catedral de Cristo Salvador, perto do Kremlin, de onde sairá para aquele que é conhecido como o “Vaticano russo”, para o qual foi originalmente pintado: o Mosteiro da Trindade e São Sérgio em Sergiyev Posad, a 70 km da capital.

Em 2022, o ícone já tinha sido transferido por um breve período para o mosteiro, onde permaneceu durante as celebrações religiosas da Páscoa ortodoxa. Segundo a Agence France Presse (AFP), vários especialistas de arte disseram que “a peça sofreu danos significativos” aquando desta mudança e Lilia Yevseyeva, historiadora de arte do Museu de Ícones Russos em Moscovo, afirmou agora que, “se o ícone deixar a Galeria Tretyakov para sempre, as gerações futuras não o verão no seu estado atual”.

A outra peça é o não menos famoso túmulo do príncipe Alexander Nevsky – um herói nacional que viveu no século XIII – que se encontra no Museu Hermitage em São Petersburgo e que será entregue a outro mosteiro. A propósito desta transferência, o diretor do museu, Mikhail Piotrovsky, foi perentório: “Neste momento geopolítico (…) o valor sagrado da peça é muito mais importante do que o seu valor artístico”. Ou seja, mais vale que ela cumpra a sua obrigação de unir o povo russo do que garantir a sua conservação.

Ao transferir essas relíquias para a Igreja, o Presidente Putin “quer devolver a Rússia” aos seus mitos fundadores, disse o encarregado da arte sacra do Patriarcado de Moscovo, o arcipreste Leonid Kalinin, à AFP. Kalinin foi destituído das suas funções pelo patriarca Cirilo depois de ter sugerido que uma cópia de “A Trindade” fosse exibida na catedral enquanto fosse construída uma cápsula protetora eficaz.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This