“Qual é o mal de matar?”

| 15 Fev 20

Nas margens da filosofia (XV)

  

“Senhor, dá a cada um a sua própria morte, nascida da sua própria vida” (R. M. Rilke)

Alberto Baumann, “Eutanasia of the Dream” (Eutanásia do Sonho), 1984, técnica mista sobre tela.

 

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática.[1] Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana, ou seja, que defendem ser a vida dos homens mais valiosa do que a de qualquer animal pertencente a outra espécie. Ao longo da sua obra, esta designação é recorrente e igualada em termos éticos ao racismo e ao sexismo, devendo ser denunciada e combatida.

Na sua vasta bibliografia, o filósofo debruça-se sobre os diferentes tipos de eutanásia (activa e passiva, voluntária e involuntária) bem como sobre o suicídio assistido, considerando estes actos como eticamente válidos em determinadas circunstâncias. Também analisa o infanticídio, justificando-o nos casos de deficiência profunda. No que respeita à eutanásia, considera que ela é desejável quando o paciente se encontra em grande sofrimento, não havendo para ele qualquer hipótese de cura. Por isso escreve: “Se formos capazes de admitir que o nosso objectivo é uma morte rápida e indolor, não devemos deixar que seja o acaso a determinar se esse objectivo é atingido ou não. Tendo escolhido a morte, devemos garantir que ela tenha lugar da melhor forma possível.” (Ética Prática, p. 233).

Singer admite os riscos decorrentes do seu posicionamento quanto à aplicação das diferentes formas de eutanásia. Numa secção do referido capítulo, ele analisa a possível derrapagem da eutanásia para o genocídio, algo que condena mas que pensa improvável, escrevendo: “Se os actos de eutanásia só puderem ser praticados por pessoal médico, não é provável que a propensão para matar alastre descontroladamente por toda a comunidade.” (ob. cit., p. 236). Aos perigos decorrentes de uma aceitação legal da eutanásia e da morte assistida, o filósofo contrapõe “o malefício tangível a que a ética tradicional dá origem – malefício para aqueles cujo sofrimento é desnecessariamente prolongado.” (ob. cit., pg. 237). Note-se que, para Singer, o ser humano não é necessariamente uma pessoa, visto que esta exige consciência de si, sentido de passado e de futuro, autocontrolo, capacidades de comunicação, de relacionamento com os outros, curiosidade, etc. Logicamente, para ele, um moribundo inconsciente não se insere na categoria de pessoa.

Contrariamente a este filósofo, entendemos que todos os seres humanos são pessoas, independentemente das suas capacidades, do seu estado físico, da sua saúde (ou ausência dela). E pelo facto de sermos pessoas e não meros indivíduos, tomamos paulatinamente consciência dos nossos direitos e deveres, somos confrontados com diferentes opções, sentimo-nos responsáveis pela orientação das nossas vidas, vivemos na pele a finitude de nos sabermos mortais, encaramos a morte como um complemento inevitável da vida e, como tal, sem angústia e sem temor. Reconhecermo-nos como humanos implica a aceitação da fragilidade essencial da nossa vida e da inevitabilidade da nossa morte. A morte é uma das indiscutíveis certezas que temos e é encarada de maneiras diferentes consoante as nossas crenças e convicções. Mas, inegavelmente, o desejo de uma “boa morte” é a aspiração comum de todos os humanos.

O conceito primitivo de eutanásia foi precisamente o de “boa morte.” Nos dias de hoje, quando falamos de eutanásia, entendemo-la como a possibilidade de um doente terminal escolher uma morte sem dor, pedindo-a a alguém – médico, enfermeiro, cuidador. É uma escolha irreversível que envolve duas pessoas: quem pretende morrer e quem provoca a morte. Indubitavelmente que evitar o sofrimento é um desejo plausível contra o qual nenhuma voz se levantará, a não ser por masoquismo. De igual modo, é condenável o encarniçamento terapêutico quando de antemão se sabe que para um determinado doente não há hipótese de melhoria sendo a sua morte inevitável. Mas pergunto-me se a esse mesmo doente que com todo o direito pretende evitar o sofrimento, não poderão ser oferecidos cuidados paliativos que o ajudem a ter um fim digno e tanto quanto possível indolor? Com o avanço da medicina, hoje podemos ter esperança de morrer serenamente.

Com a eutanásia o doente não morre, ele é morto. O que implica a cumplicidade entre duas pessoas – quem pede a morte (o doente) e quem a ministra (o médico ou o enfermeiro). Ora os médicos desde Hipócrates que se comprometem sob juramento a não matar. A aceitação da eutanásia como um processo normal de acabar com a vida das pessoas, não diz só respeito aos doentes mas também a todo o pessoal envolvido nesse acto. Que legitimamente o pode recusar como um atentado à sua profissão de cuidadores. A eutanásia é vista como um direito do doente. Mas como compatibilizá-la com o direito do médico ou cuidador que se recusa a praticá-la? Sendo aceite como um procedimento legítimo, como operacionalizá-lo se houver uma maioria que se lhe opõe?

O problema da eutanásia vai, dentro de poucos dias, ser objecto de discussão na Assembleia da República. Os diferentes partidos políticos têm posições definidas e o debate será aceso. Esperamos que o diálogo seja produtivo e que as soluções encontradas tenham em conta o sentimento geral dos portugueses.

Ao concluir este texto, lembro uma citação do cardeal poeta José Tolentino Mendonça que, com ela, abre um texto lindíssimo intitulado 10 razões civis contra a eutanásia: “Nenhuma vida vale mais do que outra. Nenhuma vida vale menos. A vida dos fracos vale tanto como a dos fortes. A vida dos doentes tem um valor idêntico à vida dos saudáveis.” (Expresso, 8.02.2020).

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. (http://luisarife.wix.com/site)

[1] “Qual é o mal de matar?” Peter Singer, Ética Prática, trad. de Álvaro Augusto Fernandes, Lisboa, Gradiva. 2000, pg. 103.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco