“Qual é o mal de matar?”

| 15 Fev 20

Nas margens da filosofia (XV)

  

“Senhor, dá a cada um a sua própria morte, nascida da sua própria vida” (R. M. Rilke)

Alberto Baumann, “Eutanasia of the Dream” (Eutanásia do Sonho), 1984, técnica mista sobre tela.

 

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática.[1] Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana, ou seja, que defendem ser a vida dos homens mais valiosa do que a de qualquer animal pertencente a outra espécie. Ao longo da sua obra, esta designação é recorrente e igualada em termos éticos ao racismo e ao sexismo, devendo ser denunciada e combatida.

Na sua vasta bibliografia, o filósofo debruça-se sobre os diferentes tipos de eutanásia (activa e passiva, voluntária e involuntária) bem como sobre o suicídio assistido, considerando estes actos como eticamente válidos em determinadas circunstâncias. Também analisa o infanticídio, justificando-o nos casos de deficiência profunda. No que respeita à eutanásia, considera que ela é desejável quando o paciente se encontra em grande sofrimento, não havendo para ele qualquer hipótese de cura. Por isso escreve: “Se formos capazes de admitir que o nosso objectivo é uma morte rápida e indolor, não devemos deixar que seja o acaso a determinar se esse objectivo é atingido ou não. Tendo escolhido a morte, devemos garantir que ela tenha lugar da melhor forma possível.” (Ética Prática, p. 233).

Singer admite os riscos decorrentes do seu posicionamento quanto à aplicação das diferentes formas de eutanásia. Numa secção do referido capítulo, ele analisa a possível derrapagem da eutanásia para o genocídio, algo que condena mas que pensa improvável, escrevendo: “Se os actos de eutanásia só puderem ser praticados por pessoal médico, não é provável que a propensão para matar alastre descontroladamente por toda a comunidade.” (ob. cit., p. 236). Aos perigos decorrentes de uma aceitação legal da eutanásia e da morte assistida, o filósofo contrapõe “o malefício tangível a que a ética tradicional dá origem – malefício para aqueles cujo sofrimento é desnecessariamente prolongado.” (ob. cit., pg. 237). Note-se que, para Singer, o ser humano não é necessariamente uma pessoa, visto que esta exige consciência de si, sentido de passado e de futuro, autocontrolo, capacidades de comunicação, de relacionamento com os outros, curiosidade, etc. Logicamente, para ele, um moribundo inconsciente não se insere na categoria de pessoa.

Contrariamente a este filósofo, entendemos que todos os seres humanos são pessoas, independentemente das suas capacidades, do seu estado físico, da sua saúde (ou ausência dela). E pelo facto de sermos pessoas e não meros indivíduos, tomamos paulatinamente consciência dos nossos direitos e deveres, somos confrontados com diferentes opções, sentimo-nos responsáveis pela orientação das nossas vidas, vivemos na pele a finitude de nos sabermos mortais, encaramos a morte como um complemento inevitável da vida e, como tal, sem angústia e sem temor. Reconhecermo-nos como humanos implica a aceitação da fragilidade essencial da nossa vida e da inevitabilidade da nossa morte. A morte é uma das indiscutíveis certezas que temos e é encarada de maneiras diferentes consoante as nossas crenças e convicções. Mas, inegavelmente, o desejo de uma “boa morte” é a aspiração comum de todos os humanos.

O conceito primitivo de eutanásia foi precisamente o de “boa morte.” Nos dias de hoje, quando falamos de eutanásia, entendemo-la como a possibilidade de um doente terminal escolher uma morte sem dor, pedindo-a a alguém – médico, enfermeiro, cuidador. É uma escolha irreversível que envolve duas pessoas: quem pretende morrer e quem provoca a morte. Indubitavelmente que evitar o sofrimento é um desejo plausível contra o qual nenhuma voz se levantará, a não ser por masoquismo. De igual modo, é condenável o encarniçamento terapêutico quando de antemão se sabe que para um determinado doente não há hipótese de melhoria sendo a sua morte inevitável. Mas pergunto-me se a esse mesmo doente que com todo o direito pretende evitar o sofrimento, não poderão ser oferecidos cuidados paliativos que o ajudem a ter um fim digno e tanto quanto possível indolor? Com o avanço da medicina, hoje podemos ter esperança de morrer serenamente.

Com a eutanásia o doente não morre, ele é morto. O que implica a cumplicidade entre duas pessoas – quem pede a morte (o doente) e quem a ministra (o médico ou o enfermeiro). Ora os médicos desde Hipócrates que se comprometem sob juramento a não matar. A aceitação da eutanásia como um processo normal de acabar com a vida das pessoas, não diz só respeito aos doentes mas também a todo o pessoal envolvido nesse acto. Que legitimamente o pode recusar como um atentado à sua profissão de cuidadores. A eutanásia é vista como um direito do doente. Mas como compatibilizá-la com o direito do médico ou cuidador que se recusa a praticá-la? Sendo aceite como um procedimento legítimo, como operacionalizá-lo se houver uma maioria que se lhe opõe?

O problema da eutanásia vai, dentro de poucos dias, ser objecto de discussão na Assembleia da República. Os diferentes partidos políticos têm posições definidas e o debate será aceso. Esperamos que o diálogo seja produtivo e que as soluções encontradas tenham em conta o sentimento geral dos portugueses.

Ao concluir este texto, lembro uma citação do cardeal poeta José Tolentino Mendonça que, com ela, abre um texto lindíssimo intitulado 10 razões civis contra a eutanásia: “Nenhuma vida vale mais do que outra. Nenhuma vida vale menos. A vida dos fracos vale tanto como a dos fortes. A vida dos doentes tem um valor idêntico à vida dos saudáveis.” (Expresso, 8.02.2020).

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. (http://luisarife.wix.com/site)

[1] “Qual é o mal de matar?” Peter Singer, Ética Prática, trad. de Álvaro Augusto Fernandes, Lisboa, Gradiva. 2000, pg. 103.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco