Exposição e debate no Museu de Etnologia

Quando o espaço sagrado passa a património

| 16 Out 2021

sintra floresta exposicao lugares encantados dr

Sintra numa foto da exposição Lugares Encantados, do Museu de Etnologia. Direitos reservados.

 

O que têm em comum o santuário católico mariano de Fátima, a vila muçulmana andaluza de Mértola, a romântica mística e mística Sintra e o bairro lisboeta e islâmico da Mouraria? E como podem coexistir em Fátima o catolicismo popular que domina o santuário, e o facto de outros cristãos, mas também hindus, muçulmanos, praticantes de religiões afro-brasileiras e de nova era procurarem o lugar?

A estas perguntas – e outras que já veremos – procura responder a exposição Lugares Encantados – Espaços de Património, patente no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa (no Restelo), bem como o debate que, na tarde deste sábado, 16, decorre no mesmo espaço, com a participação de vários crentes de diferentes credos e pertenças religiosas, bem como da socióloga Helena Vilaça, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e do antropólogo Alfredo Teixeira, da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa. A conversa será moderada por Clara Saraiva, antropóloga e responsável pela investigação que deu origem à mostra do Museu de Etnologia.

A mesa-redonda decorre a partir das 15 horas e tem como tema “Diversidade Religiosa e Património”, de acordo com uma nota divulgada pelo Museu e enviada ao 7MARGENSAs denominações religiosas representadas incluem a Igreja Católica, Comunidade Islâmica, Tenda de Umbanda Mãe Iemanjá, Associação da Tradição Druídica Lusitana, Mosteiro Budista Sumedhārāma, Jai Ambe Mandir-Comunidade Hindu, Xamanismo e Congregação Politeísta Pagan Federation International.

“Diz-se que o mundo foi progressivamente desencantado: primeiro a magia expurgada da religião, e depois esta separada dos estados. A ideia de património teria surgido desse depuramento moderno”, lê-se na apresentação da exposição, na página digital do Museu de Etnologia.

“Mas o que acontece hoje, quando lugares religiosos são olhados como património ou quando sítios patrimonializados têm usos religiosos? O que é o património e o que é o sagrado?”

A exposição Lugares Encantados – Espaços de Património é o culminar de um projecto que reúne nove investigadores portugueses, espanhóis, italianos e brasileiros. E pretendeu “estudar a forma como diferentes comunidades e grupos religiosos se relacionam com o património cultural e natural, em locais diferentes” como são os quatro lugares enunciados. O interesse da exposição redobra tendo em conta, diz o professor Alfredo Teixeira, que ela reúne, “não só, mas também, práticas de grupos religiosos menos conhecidos, mas em crescimento na sociedade portuguesa”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco”

Comissões Justiça e Paz da Europa

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco” novidade

“O direito da Ucrânia a defender-se é indiscutível e todos os fornecimentos de armas que permitam a sua defesa no quadro dos imperativos da proporcionalidade e do direito humanitário internacional são legítimos”, diz a plataforma católica Justiça e Paz Europa. No entanto, “os meios militares, por si só, não podem trazer uma paz duradoura”.

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas novidade

O ensino das sagradas escrituras na época de Jesus era uma prática comum entre o povo judeu. Desde cedo, os rabinos ensinavam às crianças a leitura e escrita da Torá e a memorizar grandes porções da mesma. Entre as várias técnicas de ensino, estava a utilização de parábolas.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This