Exposição e debate no Museu de Etnologia

Quando o espaço sagrado passa a património

| 16 Out 21

sintra floresta exposicao lugares encantados dr

Sintra numa foto da exposição Lugares Encantados, do Museu de Etnologia. Direitos reservados.

 

O que têm em comum o santuário católico mariano de Fátima, a vila muçulmana andaluza de Mértola, a romântica mística e mística Sintra e o bairro lisboeta e islâmico da Mouraria? E como podem coexistir em Fátima o catolicismo popular que domina o santuário, e o facto de outros cristãos, mas também hindus, muçulmanos, praticantes de religiões afro-brasileiras e de nova era procurarem o lugar?

A estas perguntas – e outras que já veremos – procura responder a exposição Lugares Encantados – Espaços de Património, patente no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa (no Restelo), bem como o debate que, na tarde deste sábado, 16, decorre no mesmo espaço, com a participação de vários crentes de diferentes credos e pertenças religiosas, bem como da socióloga Helena Vilaça, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e do antropólogo Alfredo Teixeira, da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa. A conversa será moderada por Clara Saraiva, antropóloga e responsável pela investigação que deu origem à mostra do Museu de Etnologia.

A mesa-redonda decorre a partir das 15 horas e tem como tema “Diversidade Religiosa e Património”, de acordo com uma nota divulgada pelo Museu e enviada ao 7MARGENSAs denominações religiosas representadas incluem a Igreja Católica, Comunidade Islâmica, Tenda de Umbanda Mãe Iemanjá, Associação da Tradição Druídica Lusitana, Mosteiro Budista Sumedhārāma, Jai Ambe Mandir-Comunidade Hindu, Xamanismo e Congregação Politeísta Pagan Federation International.

“Diz-se que o mundo foi progressivamente desencantado: primeiro a magia expurgada da religião, e depois esta separada dos estados. A ideia de património teria surgido desse depuramento moderno”, lê-se na apresentação da exposição, na página digital do Museu de Etnologia.

“Mas o que acontece hoje, quando lugares religiosos são olhados como património ou quando sítios patrimonializados têm usos religiosos? O que é o património e o que é o sagrado?”

A exposição Lugares Encantados – Espaços de Património é o culminar de um projecto que reúne nove investigadores portugueses, espanhóis, italianos e brasileiros. E pretendeu “estudar a forma como diferentes comunidades e grupos religiosos se relacionam com o património cultural e natural, em locais diferentes” como são os quatro lugares enunciados. O interesse da exposição redobra tendo em conta, diz o professor Alfredo Teixeira, que ela reúne, “não só, mas também, práticas de grupos religiosos menos conhecidos, mas em crescimento na sociedade portuguesa”.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This