Quando o padre acolhe o refugiado que lhe roubou a caixa de esmolas

| 8 Fev 2021

São Domingos, Igreja San Domenico, Martina Franca

Fachada da Igreja San Domenico, em Martina Franca, a primeira a ser assaltada. Foto © Vito Manzari:Wikimedia Commons

Fereidoun, um afegão de 31 anos, não comia há dias. Por isso decidiu voltar a roubar o conteúdo de uma caixa de esmolas. Após a igreja de S. Domingos, foi a vez da do Monte Purgatório, ambas em Martina Franca, (próximo do porto de Brindisi, no sul de Itália, a 330 quilómetros de Nápoles e 500 de Roma).

É uma história de caridade e de resgate, escreve Marina Luzzi no jornal Avvenire, que publicou a história, traduzida por Rui Jorge Martins na página do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Mas esta é também “uma história que denuncia um sistema, de acolhimento, que viu muitos migrantes encontrar-se de um dia para o outro na rua, mesmo tendo requerido asilo político”, acrescenta a jornalista.

No assalto, as câmaras de videovigilância filmaram Fereidoun, que acabou detido pela polícia. O padre Martino Mastrovito descobriu-o, e, depois de o ter denunciado, pediu para lhe falar. A história do afegão resumia-se a privações e fome, “aquela que é verdadeira, que faz doer o estômago, e nenhum de nós sabe o que faria, como reagiria perante este estado de indigência”.

“Fiquei muito sensibilizado quando se justificou, dizendo que preferiu roubar uma igreja sem fazer mal a ninguém, em vez de roubar uma idosa. Quer dizer que tinha o sentido da gravidade do que estava a fazer. Reiterou-me que ninguém o ajudava, e eu disse-lhe que ele nunca tinha pedido ajuda, porque se o tivesse feito, teria recebido seguramente mais do que os oito euros e quarenta e cinco cêntimos que estavam na caixa de esmolas”, contou o padre ao Avvenire.

Martino Mastrovito arranjou então um lugar para Fereidoun poder dormir e ofereceu-lhe a possibilidade de resgate. Agora, em conjunto com os seus colaboradores e a comunidade, está a tentar obter-lhe um trabalho.

“Tenho o mandato de fazer um projeto para tornar uma ala [da instituição de acolhimento que coordena], que já usamos para as pessoas sem-abrigo, um lugar para ampliar a hospitalidade, que viva graças à Providência”, explica.

O pároco sonha que o espaço se torne “um lugar da solidariedade”, inspirado na encíclica Fratelli tutti, nome que quer dar ao projeto.

“Este homem precisava de uma oportunidade, e estamos a tentar dar-lha. Não esperava todo este clamor, e tenho a dizer a quem levantou algumas polémicas sobre a sua nacionalidade ou sobre a sua religião [é muçulmano], que nós ajudamos todos, quem quer que peça, nacional ou estrangeiro, cristão ou de outra fé”, afirmou o padre Martino, citado ainda no jornal italiano.

Fereidoun, cujo nome curiosamente se lê “freedom” (liberdade), confiando-se a colaboradores próximos do pároco, disse-lhe: “Bendigo as câmaras, porque Deus, apesar do meu gesto, usou-as para ajudar-me.”

São Martinho, Pobreza,

Lenda de São Martinho em sombras chinesas. Ilustração da revista Coisas de Criança reproduzida de vídeo disponível no YouTube.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This