Quando o padre acolhe o refugiado que lhe roubou a caixa de esmolas

| 8 Fev 21

São Domingos, Igreja San Domenico, Martina Franca

Fachada da Igreja San Domenico, em Martina Franca, a primeira a ser assaltada. Foto © Vito Manzari:Wikimedia Commons

Fereidoun, um afegão de 31 anos, não comia há dias. Por isso decidiu voltar a roubar o conteúdo de uma caixa de esmolas. Após a igreja de S. Domingos, foi a vez da do Monte Purgatório, ambas em Martina Franca, (próximo do porto de Brindisi, no sul de Itália, a 330 quilómetros de Nápoles e 500 de Roma).

É uma história de caridade e de resgate, escreve Marina Luzzi no jornal Avvenire, que publicou a história, traduzida por Rui Jorge Martins na página do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Mas esta é também “uma história que denuncia um sistema, de acolhimento, que viu muitos migrantes encontrar-se de um dia para o outro na rua, mesmo tendo requerido asilo político”, acrescenta a jornalista.

No assalto, as câmaras de videovigilância filmaram Fereidoun, que acabou detido pela polícia. O padre Martino Mastrovito descobriu-o, e, depois de o ter denunciado, pediu para lhe falar. A história do afegão resumia-se a privações e fome, “aquela que é verdadeira, que faz doer o estômago, e nenhum de nós sabe o que faria, como reagiria perante este estado de indigência”.

“Fiquei muito sensibilizado quando se justificou, dizendo que preferiu roubar uma igreja sem fazer mal a ninguém, em vez de roubar uma idosa. Quer dizer que tinha o sentido da gravidade do que estava a fazer. Reiterou-me que ninguém o ajudava, e eu disse-lhe que ele nunca tinha pedido ajuda, porque se o tivesse feito, teria recebido seguramente mais do que os oito euros e quarenta e cinco cêntimos que estavam na caixa de esmolas”, contou o padre ao Avvenire.

Martino Mastrovito arranjou então um lugar para Fereidoun poder dormir e ofereceu-lhe a possibilidade de resgate. Agora, em conjunto com os seus colaboradores e a comunidade, está a tentar obter-lhe um trabalho.

“Tenho o mandato de fazer um projeto para tornar uma ala [da instituição de acolhimento que coordena], que já usamos para as pessoas sem-abrigo, um lugar para ampliar a hospitalidade, que viva graças à Providência”, explica.

O pároco sonha que o espaço se torne “um lugar da solidariedade”, inspirado na encíclica Fratelli tutti, nome que quer dar ao projeto.

“Este homem precisava de uma oportunidade, e estamos a tentar dar-lha. Não esperava todo este clamor, e tenho a dizer a quem levantou algumas polémicas sobre a sua nacionalidade ou sobre a sua religião [é muçulmano], que nós ajudamos todos, quem quer que peça, nacional ou estrangeiro, cristão ou de outra fé”, afirmou o padre Martino, citado ainda no jornal italiano.

Fereidoun, cujo nome curiosamente se lê “freedom” (liberdade), confiando-se a colaboradores próximos do pároco, disse-lhe: “Bendigo as câmaras, porque Deus, apesar do meu gesto, usou-as para ajudar-me.”

São Martinho, Pobreza,

Lenda de São Martinho em sombras chinesas. Ilustração da revista Coisas de Criança reproduzida de vídeo disponível no YouTube.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This