Quantas viagens são precisas para se chegar a casa?

| 9 Abr 19 | Cinema, televisão e média, Cultura e artes, Últimas

 

Digo, desde já, com a maior parte dos cinéfilos, que este é um filme extraordinário, um dos melhores de Clint Eastwood, talvez o ‘canto do cisne’ da sua magnífica filmografia, como actor e realizador.

Earl (Clint Eastwood) é um apaixonado cultivador de hemerocallis (hemerocálias), cujo nome, premonitório, é também lírios-de-um-dia: desabrocham de manhã e murcham à noite. Mas, por causa delas e de mais uma participação num concurso para escolher a mais bonita – ganho por ele –, Earl não foi ao casamento da filha, talvez a sua falta mais grave, somada a muitas outras, como lhe há-de ser recordado algumas vezes. Por exemplo, doze anos mais tarde, quando aparece para a festa de noivado da sua neta. Ela fica contente, a mãe e a avó não, vão-se embora. Ainda por cima percebem, por toda a tralha que ele carrega na sua velha pick-up, que ele tinha falido e não tinha para onde ir.

Assim tinha acontecido, de facto, por causa sobretudo da internet, como fará questão de dizer, com humor também, nalgumas circunstâncias. Mas este episódio vai ser decisivo para o desenrolar do filme, por causa do cartão que um dos amigos da sua neta lhe entrega como possibilidade de um trabalho bem pago.

Earl é um homem em fuga para a frente: a família não o quer, de tal modo está magoada e o cultivo das suas queridas flores também tinha chegado ao fim. Vai então apresentar-se para trabalhar, pois tem as condições ideais para fazer aquele serviço: transportar droga de cidade em cidade, numa rotina que lhe era familiar, que o mantinha sozinho na estrada sem ter de se confrontar com a família, e lhe rendia tanto dinheiro que podia fazer bem aos outros. Earl era um homem bom e generoso, que sabia que algumas das suas opções não tinham sido as melhores – por isso, até ousa dar bons conselhos a outros, para que não lhes aconteça o mesmo que a ele. Mas ainda não tinha chegado o momento da sua redenção. Estava a caminho.

As coisas corriam bem. Um ou outro momento mais apertado foi resolvido de maneira hábil por ele, que até se dava ao luxo de alterar os planos estabelecidos pelos chefes do cartel da droga, para comer ‘a melhor sande de porco do mundo’.

Mas todas aquelas viagens não foram apenas entregas de encomendas de droga, foram um caminho para a redenção. Ele sabia que aquilo não ia durar sempre e que não podia continuar a fugir de si mesmo e dos seus. Na ‘última viagem’ recebe um telefonema da neta a dizer-lhe que a sua ex-mulher – de quem já tinha tentado reaproximar-se – está a morrer. Ele bem diz que tem um trabalho importante e não pode ir mas, correndo todos os riscos, aparece lá em casa para a ver e ficar ao seu lado, até ela partir, serenamente, junto daquele a quem sempre amara.

Depois, Earl volta ao caminho para fazer a entrega, acabando maltratado e preso. Mas agora é um homem novo, livre e reconciliado com a família e consigo.

Aquele momento redentor vai culminar numa das cenas mais intensas, quando em tribunal, contra os argumentos da sua advogada, com toda a dignidade e honra de um veterano de guerra se declara ‘culpado’.

O que vem a seguir é profético: Earl, na prisão, a cultivar de novo os seus lírios-de-um-dia, plenamente liberto e com a certeza das visitas da família. Só o que é assumido pode ser redimido.

Não, o filme não é sobre o tráfico de droga: é sobre a família e a redenção, uma vez mais. Magnífico, Clint Eastwood, à beira dos noventa anos, intenso e expondo todas as suas fragilidades, no meio de muito humor. Como se fosse o seu testamento.

 

Correio de Droga – Título original: The Mule; Realização: Clint Eastwood; Intérpretes: Clint Eastwood; Bradley Cooper, Michael Peña, Laurence Fishburne, Alison Eastwood, Andy Garcia; M/14; EUA, 2018; Cor)

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; este texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Abril 2019

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Agnès Varda, cineasta “marcada pela liberdade de expressão”

A realizadora Agnès Varda, que morreu sexta-feira, 29 de março, era uma cineasta marcada pela “liberdade de expressão”. Foi desse modo que L’Osservatore Romano, jornal oficial do Vaticano, prestou a sua homenagem à cineasta, uma das fundadoras da nouvelle vague, uma das correntes fundamentais do cinema francês e mundial, da década de 1960.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco