Quantas viagens são precisas para se chegar a casa?

9 Abr 19Cinema, televisão e média, Cultura e artes, Últimas

 

Digo, desde já, com a maior parte dos cinéfilos, que este é um filme extraordinário, um dos melhores de Clint Eastwood, talvez o ‘canto do cisne’ da sua magnífica filmografia, como actor e realizador.

Earl (Clint Eastwood) é um apaixonado cultivador de hemerocallis (hemerocálias), cujo nome, premonitório, é também lírios-de-um-dia: desabrocham de manhã e murcham à noite. Mas, por causa delas e de mais uma participação num concurso para escolher a mais bonita – ganho por ele –, Earl não foi ao casamento da filha, talvez a sua falta mais grave, somada a muitas outras, como lhe há-de ser recordado algumas vezes. Por exemplo, doze anos mais tarde, quando aparece para a festa de noivado da sua neta. Ela fica contente, a mãe e a avó não, vão-se embora. Ainda por cima percebem, por toda a tralha que ele carrega na sua velha pick-up, que ele tinha falido e não tinha para onde ir.

Assim tinha acontecido, de facto, por causa sobretudo da internet, como fará questão de dizer, com humor também, nalgumas circunstâncias. Mas este episódio vai ser decisivo para o desenrolar do filme, por causa do cartão que um dos amigos da sua neta lhe entrega como possibilidade de um trabalho bem pago.

Earl é um homem em fuga para a frente: a família não o quer, de tal modo está magoada e o cultivo das suas queridas flores também tinha chegado ao fim. Vai então apresentar-se para trabalhar, pois tem as condições ideais para fazer aquele serviço: transportar droga de cidade em cidade, numa rotina que lhe era familiar, que o mantinha sozinho na estrada sem ter de se confrontar com a família, e lhe rendia tanto dinheiro que podia fazer bem aos outros. Earl era um homem bom e generoso, que sabia que algumas das suas opções não tinham sido as melhores – por isso, até ousa dar bons conselhos a outros, para que não lhes aconteça o mesmo que a ele. Mas ainda não tinha chegado o momento da sua redenção. Estava a caminho.

As coisas corriam bem. Um ou outro momento mais apertado foi resolvido de maneira hábil por ele, que até se dava ao luxo de alterar os planos estabelecidos pelos chefes do cartel da droga, para comer ‘a melhor sande de porco do mundo’.

Mas todas aquelas viagens não foram apenas entregas de encomendas de droga, foram um caminho para a redenção. Ele sabia que aquilo não ia durar sempre e que não podia continuar a fugir de si mesmo e dos seus. Na ‘última viagem’ recebe um telefonema da neta a dizer-lhe que a sua ex-mulher – de quem já tinha tentado reaproximar-se – está a morrer. Ele bem diz que tem um trabalho importante e não pode ir mas, correndo todos os riscos, aparece lá em casa para a ver e ficar ao seu lado, até ela partir, serenamente, junto daquele a quem sempre amara.

Depois, Earl volta ao caminho para fazer a entrega, acabando maltratado e preso. Mas agora é um homem novo, livre e reconciliado com a família e consigo.

Aquele momento redentor vai culminar numa das cenas mais intensas, quando em tribunal, contra os argumentos da sua advogada, com toda a dignidade e honra de um veterano de guerra se declara ‘culpado’.

O que vem a seguir é profético: Earl, na prisão, a cultivar de novo os seus lírios-de-um-dia, plenamente liberto e com a certeza das visitas da família. Só o que é assumido pode ser redimido.

Não, o filme não é sobre o tráfico de droga: é sobre a família e a redenção, uma vez mais. Magnífico, Clint Eastwood, à beira dos noventa anos, intenso e expondo todas as suas fragilidades, no meio de muito humor. Como se fosse o seu testamento.

 

Correio de Droga – Título original: The Mule; Realização: Clint Eastwood; Intérpretes: Clint Eastwood; Bradley Cooper, Michael Peña, Laurence Fishburne, Alison Eastwood, Andy Garcia; M/14; EUA, 2018; Cor)

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; este texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Abril 2019

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Freira Indiana apela ao Vaticano contra a sua expulsão da ordem

A irmã Lucy Kalappura, da Congregação das Irmãs Clarissas Franciscanas, que protestou contra o bispo Franco Mulakkal devido à suposta acusação de violação de uma freira, apela ao Vaticano que evite a sua expulsão da ordem a que pertence, depois de lhe terem sido instauradas alegadas “ações disciplinares”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco