Migrantes asiáticos

Quase 30% de minorias étnicas em Hong Kong com saúde mental afetada

| 3 Fev 2024

Stewart~惡龍, CC BY-SA 2.5 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5>, via Wikimedia Commons

Protesto de trabalhadores metalúrgicos em Hong Kong (imagem de agosto de 2007). Migrantes apontam “custo da ajuda profissional” e “barreiras linguísticas e culturais” para procurar ajuda. Foto © Stewart~惡龍, CC BY-SA 2.5, via Wikimedia Commons.

 

Um inquérito realizado junto de comunidades de minorias étnicas em Hong Kong revelou que 22,8 por cento dos entrevistados apresentam um elevado risco de depressão, 13,6 por cento apresentam idêntico risco de ansiedade e 12,2 por cento têm um elevado risco de perturbações do sono (insónias). No geral, 28,6 por cento apresentam um alto risco de desenvolver pelo menos um distúrbio, de acordo com a agência Hong Kong Free Press.

Estas pessoas oriundas do Sul da Ásia e do Sudeste Asiático apresentam um “alto risco” de desenvolver um distúrbio de saúde mental, como depressão, ansiedade ou insónia, concluiu o inquérito. Muitos entrevistados citaram o “custo da ajuda profissional” e “barreiras linguísticas e culturais” como razões pelas quais não procurariam ajuda. A qualidade do sono foi medida devido ao impacto que o sono deficiente tem na saúde mental, foi revelado numa conferência de imprensa na quinta-feira.

Mais de 40 por cento responderam que consideram os problemas de saúde mental “vergonhosos” e um número semelhante disse acreditar que tais problemas desapareceriam por si próprios.

Um total de 273 residentes de Hong Kong de etnias do Sul e Sudeste Asiático foram entrevistados de janeiro a agosto do ano passado pelo Serviço Cristão de Hong Kong, pelo departamento de psiquiatria da Universidade Chinesa de Hong Kong e pelo departamento de serviço social. na Universidade de Hong Kong.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This