Cidadãos "sem papéis"

Quase 500 pessoas em greve de fome em Bruxelas

| 20 Jul 2021

Imagem do interior da Igreja de São João Baptista, em Bruxelas, reproduzida do Facebook de Dali Live
© ReporterMediaMilitant.

 

Centenas de pessoas estão há dois meses em greve de fome numa igreja de Bruxelas, num protesto que se radicalizou nos últimos dias, depois de um grupo ter iniciado uma greve de sede. A sua exigência é apenas uma: o direito a viverem legalizados no país onde residem e trabalham há anos e até décadas.

De acordo com o relato do correspondente da TSF na capital belga, o diretor da organização Médicos do Mundo já alertou para o risco de haver mortes entre estas várias centenas de pessoas em luta, instaladas desde 23 de maio na Igreja de São João Baptista. “Haverá casos dramáticos.”

“É a minha terceira greve de fome”, contou por sua vez Arsen à TSF. “Estou há 27 anos na Bélgica, estou a chegar do hospital, por causa da minha situação de saúde”, num discurso nem sempre sequente. “Sou um pai de família, o que estou aqui a fazer?”

A reportagem dá conta que, nos últimos dias, Arsen e cerca de uma centena de pessoas, maioritariamente magrebinos, juntaram aos dois meses de greve de fome uma arriscada greve de sede. 

Segundo a TSF, há 470 pessoas em greve de fome, instaladas entre a igreja e as instalações de duas universidades. Desde 2013 que iniciaram negociações com as autoridades para lhe ser reconhecido o direito de legalização, depois de uma manobra legal os ter deixado sem papéis. Em janeiro, iniciaram o protesto, com a ocupação dos três locais, por “recusa das autoridades em negociar”, como contou Ahmed, um trabalhador da construção, que vive há 17 anos na Bélgica.

A Igreja de São João de Baptista da Béguinage, em Bruxelas, já acolheu quatro greves de fome. “Temos um papel social”, explica o padre Daniel Aliet à TSF, dizendo que já acolheram um protesto “pela minoria curda” e que abriram as “portas aos sem-abrigo”.

“Portugal é um exemplo, pois durante a pandemia disse que todos os que estão sem papéis, e têm um dossier aberto, são provisoriamente aceites”, diz Daniel Aliet, defendendo que as autoridades belgas poderiam ter seguido este exemplo. 

 

Comunidade Loyola: superiora geral “desterrada” em Portugal por autoritarismo e abusos espirituais

Os estragos do padre Rupnik (1)

Comunidade Loyola: superiora geral “desterrada” em Portugal por autoritarismo e abusos espirituais novidade

No momento em que se desenham movimentos eclesiásticos que aparentam querer limpar a imagem do padre e artista Marko Rupnik, o 7MARGENS mostra como a instituição religiosa feminina que ele ajudou a criar nasceu torta e nunca mais se endireitou. Dos abusos sexuais e de poder de um padre, passou-se para o autoritarismo e os abusos espirituais da superiora geral de mais de três décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Com a complacência do Governo Modi

Violência contra cristãos bate recordes na Índia

Nos primeiros oito meses deste ano o United Christian Forum (UCF) documentou 525 incidentes violentos contra cristãos em 23 Estados da Índia, quando em todo o ano de 2022 o mesmo organismo havia registado 505 ocorrências. A maioria dos ataques (211) teve lugar no Uttar Pradesh. Perto de 520 cristãos foram detidos em todo o país ao abrigo das leis anti-conversão.

Um diálogo imaginário com Artur Bual

Exposição póstuma

Um diálogo imaginário com Artur Bual novidade

Está patente, até dia 8 de outubro, na Amadora, uma nova e aguardada exposição póstuma de Artur Bual. Intitulada Bual, a íntima partícula de um poeta, revela obras nunca expostas ou raramente vistas em público, num percurso pela vida de um dos expoentes da pintura gestualista e contemporânea. [Textos de Joaquim Franco e Adelino Ascenso]

O pão nosso de cada dia…

[Segunda leitura]

O pão nosso de cada dia… novidade

Durante o minuto que demorei a escrever esta frase, foram gastos 2.700 euros em raspadinhas. Durante os cinco minutos que demorará a leitura desta crónica, serão gastos no país 13.500 euros em raspadinhas. Durante todo o dia de hoje, nada mais nada menos do que quatro milhões de euros irão para a compra de raspadinhas. [A crónica de Joaquim Fidalgo]

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This