“Quatro Contos Dispersos”, de Sophia: a desordem da ordem estabelecida

| 5 Jan 20 | Cultura e artes - homepage, Literatura e Poesia, Últimas

Ilustração de João Caetano para o conto “Leitura no Comboio”, um dos “Quatro Contos Dispersos”, de Sophia de Mello Breyner Andresen (imagem cedida pela Porto Editora)

 

Um réu condenado à morte provocou uma grande desordem: aquele jovem era a encarnação do mal a abater embora as pessoas da terra se revestissem da mesma crueldade. O peso da responsabilidade desta condenação, que ninguém queria assumir, estaria nas mãos do carrasco, o único a condená-lo e também ele muito excluído.

A vida de um jovem é da responsabilidade de todos e a sua condenação à morte pesa nos ombros de cada um. É uma morte prematura de alguém que jamais terá a oportunidade de experimentar o que ninguém quer perder, a vida. Provavelmente, a autora não se refere à morte física, mas a outro tipo de morte que retira o ânimo, a fé e a esperança necessárias à vida. O conto O Carrasco, o primeiro dos quatro que são reunidos neste livro (conto incompleto, que a autora nunca concluiu) termina com a frase: “Mas um dia aconteceu uma coisa estranha…” Teria começado uma nova ordem? Teria sido a ordem estabelecida a causadora da desordem no coração do jovem?

Todos os contos que se seguem neste livro, apresentados como memórias autobiográficas, são exemplos dessa desordem da ordem estabelecida.

 

Os compartimentos da vida

É o caso de Leitura no Comboio: quando o comboio iniciou a sua marcha, a autora fechou a janela do compartimento, instalou-se, encostou-se e começou a ler um livro de bolso sobre a educação na Grécia antiga; estava feliz de saber que ia ter cerca de três horas de leitura, até que alguém avançou pelo corredor e, perplexo, perguntou se ela estava a ler.

Sophia descreve esta perplexidade de forma brilhante, realçando a surpresa genuína de quem não entende uma perspetiva de vida diferente.

O espanto deste homem representa o de muita gente, que não consegue entender alguém que passa tantas horas a ler. O sentido prático da vida fecha muitas vezes as portas de acesso à dimensão mais espiritual e uma multidão fica à porta estupefacta com a inutilidade da vida de uns quantos, que se fecham em compartimentos para se dedicarem a perceber, a explicar e a dizer a vida, em vez de simplesmente a viverem.

Na viagem da vida há muitos compartimentos e é surpreendente como se vive em alguns. Por isso, a autora diz ter aprendido que os comboios deveriam ter dois tipos de carruagem: uma ou mais dedicada ao convívio e uma ou mais carruagens para leitores e cismadores.

 

O desespero que devasta excluídos

O Cego era alguém que insistia em tocar músicas de forma triste e, todas as manhãs, deixava um rasto de melancolia. Quando chegamos ao 25 de abril de 1974, ele passa a tocar as músicas com confiança e alegria.

Algum tempo depois, a sua música retomou a habitual melancolia, talvez ainda mais triste. O surgimento de uma nova ordem revitaliza sempre os mais desfavorecidos, mas o desespero gerado pela desilusão é bem mais devastador para os excluídos.

A surpresa do cego deste conto e a do passageiro do comboio do conto anterior são igualmente genuínas e intrínsecas à sua vida. Aquele passageiro nunca iria compreender quem “perde o seu tempo” a ler, porque a sua vida estava fundamentalmente ligada ao real vivido através das rotinas, das tarefas, numa lógica de produção e utilidade. O Cego, habituado à tristeza, também nunca iria perceber porque lhe seria retirada a esperança, que já nem esperava sentir.

 

Desfigurada toda a linha da costa

Quando se instalou a desordem, Ana refugiou-se na sua casa em frente ao mar onde tudo recuperava o sentido, mas não conseguiu “manter intacta a ordem do mundo, tal como ela a imaginava”. O sentido da sua vida estava ancorado nessa ordem e, por isso, depois de perder o marido, com a desilusão perante a desordem do mundo, Ana perdeu “a fé na justiça imanente” e deixou-se morrer.

Enquanto em O Carrasco, a autora se debruça sobre a perspetiva dos que condenam, neste conto a perspetiva é a dos que são vítimas da condenação. Nos dois contos percebe-se que a preocupação em fazer justiça, de uma forma muito ordenada, parece querer repor uma ordem perturbada.

Neste último conto, Era uma vez uma Praia Atlântica, a desordem é a que acontece na vida de Ana Bote e que abala a sua estrutura interna, de forma a impedi-la de viver. Mas fazer justiça significaria a compreensão da ordem que sustentava aquela vida, para que o sentido da vida lhe fosse restituído e ninguém se interessa.

No final deste conto, a desarmonia detetada na mudança da paisagem física revela a desadequação da justiça em relação à questão colocada. A forma como este desequilíbrio estético se prolonga no espaço, “desfigurando toda a linha da costa até aos últimos confins do horizonte”, revela como a injustiça da destruição da beleza da ordem que sustenta a vida dos mais simples permanece através do tempo.

 

Maria Manuela Carneiro de Sousa é professora na Escola Básica do Bom Pastor (Porto)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa avisa contra notícias falsas e louva a Bíblia como “história de histórias”

O Papa Francisco considera que a Bíblia é uma “história de histórias”, que apresenta um Deus “simultaneamente criador e narrador”. Na sua mensagem para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala em Maio, o Papa desenvolve o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2). A vida faz-se história”.

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Bispo Jacques Gaillot: o que permanece novidade

Faz por estes dias 25 anos que Jacques Gaillot, arcebispo de Évreux (n.1935), foi dispensado da sua diocese, por intervenção e denúncia de católicos conservadores, manifestantes contra as suas causas sociais, os seus testemunhos e defesas formais em tribunal pelas “periferias,” pelos cidadãos sem documentos, pelos mais frágeis na sociedade. Parténia foi a sua “virtual” diocese sem fronteiras, em sequência. Hoje vive em Paris, com os padres Sanatarianos.

Franz Jägestätter

Foi com imenso agrado que vi o filme de Terrence Malik Uma vida escondida, sobre a vida de Franz Jägestätter, um camponês austríaco (beatificado em 2007) que, por razões de consciência, recusou prestar fidelidade a Adolf Hitler (em quem via incarnada a subversão completa dos valores cristãos) e assim servir o exército nacional-socialista, recusa que lhe custou a vida.

Taizé: continuar o caminho deste novo ano

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele estiveram presentes mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco