Que faz um homem com a sua consciência?

| 18 Jan 20

 

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Que viu o realizador na história real do camponês austríaco objetor de consciência em tempos de guerra sob o nazismo? Uma oportunidade para contemplar a inquietante questão nunca formulada, mas sempre presente ao longo das três horas em que o filme se desenrola: “que fazer com a minha consciência?”. Que fazer quando os comportamentos que ela me dita são escândalo para os meus vizinhos, fazem sofrer os que me são queridos, me trazem preso e me levam à morte? Que fazer se vejo claramente visto que a minha obstinação não mudará a realidade, não impedirá a marcha imperiosa daquilo a que me oponho? Que fazer quando não tenho palavras para exprimir as minhas razões, nem vontade de convencer outros a aderirem à minha recusa? Por que razão manter uma atitude que não leva a nada, não vale nada e me condena à morte?

Entre o isolamento e a tortura de uma cela prisional e o formidável esplendor da natureza dos vales e montanhas austríacos move-se a câmara de Mallick sem resposta para as perguntas que sugere. Tão difícil é a luta de um homem com a sua consciência como é árdua a tarefa de remexer as entranhas da terra dela retirar o sustento da vida. Talvez a fidelidade a essa consciência seja também sustento de vida…

Explícita é a recitação de salmos e de outros trechos bíblicos, implícito é o paralelismo com a paixão de Cristo [o juiz-presidente do Tribunal Militar na figura de Pilatos]. Ténue, frágil, apenas sugerida é a ressurreição: uma mulher que pede perdão, outra que lho dá, um riso de criança, um gesto de afeto entre duas irmãs…

Para que serve um homem ser fiel ao que a consciência lhe dita?

Mallick não sabe. Limita-se a mostrar que basta a um homem ser visitado por um só olhar amoroso para que essa fidelidade ao que não tem aparente razão e nenhum proveito resuma toda a razão de ser de uma vida.

 

Uma Vida Escondida, de Terrence Mallick

Drama, M/ 14 anos, EUA/Alemanha, 2019; 174 min

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco