Que filosofia pretendemos ensinar aos adolescentes?

| 10 Ago 20

Nas margens da filosofia (XXIII)

Ao longo da minha carreira docente, a filosofia e o seu ensino ocuparam um lugar central. Nos primeiros tempos, dei aulas em diferentes liceus e integrei a equipa que elaborou os novos programas pós 25 de Abril de 1974. Durante alguns anos orientei estágios e preparei professores(a)s para a carreira docente. Na Universidade, para além das várias cadeiras que leccionei, integrei o grupo de estudos que introduziu o Ramo Educacional na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Neste âmbito regi diferentes disciplinas no Mestrado em Ensino da Filosofia. A reflexão sobre o que é ensinar e aprender foi uma presença constante, quer abordando e problematizando directamente esta temática, quer tomando-a como pano de fundo orientador nas outras cadeiras que leccionava. E, quanto ao que se entende por ensinar, tomei como referência Hannah Arendt, considerando que ensinar tem como finalidade primeira fazer com que os outros acedam a um mundo, o mundo da cultura e da tradição, laboriosamente tecido ao longo de séculos.[1]

Ensinar filosofia implica necessariamente filosofar, ou seja, não nos podemos limitar a transmitir, reconstituir e explicar o pensamento dos filósofos. Depois de um primeiro passo que é compreender as teorias e os problemas, interessa apropriarmo-nos deles, ou seja, trazê-los para a nossa vida, examinando-os, questionando-os ou deles nos demarcando com opiniões fundamentadas. Por isso, exige-se dos professores de filosofia que não se limitem a reconstituir o pensamento de outrem, mas que sejam também filósofos. E que motivem os seus alunos a partilhar desse estatuto.

De um modo geral, os jovens chegam à filosofia cheios de preconceitos quanto à sua inutilidade. Pouco atreitos a levantar problemas que não tenham uma solução imediata, constantemente perguntam “para que serve”.  É tarefa do professor mostrar que, por meio da filosofia, poderão trilhar o caminho que conduz do vivido ao pensado, que ela lhes dará um distanciamento crítico dos problemas, que contribuirá para a flexibilidade de espírito desejável num mundo em constante mudança, que lhes propiciará a construção de uma visão integradora, inimiga de uma cultura de mosaico e que os ajudará a construir núcleos de resistência, impeditivos de uma assimilação passiva de estereótipos.

Os programas impõem-se institucionalmente aos professores, mas é sempre concedida a estes alguma liberdade na leccionação dos mesmos. Este factor permite-lhes ser criativos e adaptar os seus interesses às exigências requeridas. Estas não se limitam à transmissão de um saber pois simultaneamente se exige ao docente que desenvolva nos seus alunos determinadas competências. Para além do domínio das teorias e conceitos que constituem o programa, há que ensinar a compreender, a interpretar, a comentar, a problematizar, a redigir respostas, a escrever pequenos textos onde se exponham opiniões pessoais devidamente fundamentadas. Admito que haja rubricas em que se possa utilizar a técnica da escolha múltipla. Mas considero abusivo e empobrecedor que uma prova de filosofia se transforme num gigantesco quebra cabeças, onde a maior parte das questões se resolve com a colocação de uma cruz na resposta certa.

Foi isso que aconteceu na prova nacional de filosofia deste ano.[2] Ao lê-la senti-me num concurso televisivo em que são dadas ao concorrente N possibilidades de escolha e em que ele adere a uma ou outra sem necessidade de justificação.

A prova constava de dezoito perguntas. Em doze das mesmas, o aluno limitava-se a escolher a resposta certa entre quatro hipóteses apresentadas (A, B, C, D). A 12 exigia como resposta a escrita de uma linha. As perguntas 14 a 17 referiam-se a textos mínimos (tendo o maior 5 linhas) pressupondo respostas igualmente curtas.

Em função das classificações atribuídas a cada questão, um examinando com sorte poderia chegar aos 15 valores sem ter escrito uma única palavra. Salvou-se a pergunta 18: “Haverá boas razões para acreditar que Deus existe?” De facto, esta foi a única oportunidade que os alunos tiveram para mostrar o domínio das capacidades essenciais visadas pela disciplina, ou seja, identificar uma temática, discuti-la, escrever sobre ela, argumentar confrontando diferentes posições, optar por uma solução fundamentada.

 

Contrariando o preconceito difundido sobre a inutilidade da filosofia, defendo que ela é extremamente útil em inúmeros campos da nossa vida[3],  permitindo-nos resolver problemas tão diversos como o aprofundamento da identidade pessoal, o cuidado da terra e daqueles que a habitam, a descoberta das leis lógicas que regem o nosso pensar, a fruição da beleza, a exigência da justiça, a abertura à transcendência e tantas outras temáticas que nos ajudam a viver de um modo mais pleno a nossa humanidade.

A presente prova veio demonstrar que nada disto é importante.

Tenho pena dos alunos de filosofia a quem foi negado o prazer de filosofar.

 

[1] Hannah Arendt, “The crisis in education” in Between Past and Future, London, Penguin, 2006, pp. 182 e segs.
[2] Devo dizer que me surpreendeu a quase ausência de reacções à dita prova. Para além de alguns elogios por parte da comunidade de filosofia analítica, poucos comentários houve, o que me leva a pensar que a maioria dos professores ficou contente. Destaco como excepção o texto de Orlando Farinha, “O exame de Filosofia como pudim instantâneo”, publicado no Observador a 10 de Julho de 2020.
[3] Vj. Mary Warnock, The Uses of Philosophy, Oxford, Blackwell, 1992.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora Catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

 

Artigos relacionados

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Mais de 220 milhões de crianças são vítimas de exploração sexual

No Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Pessoas, assinalado esta quarta-feira, 23 de setembro, as Missões Salesianas alertaram para o facto de existirem atualmente no mundo mais de 150 milhões de meninas e 73 milhões de rapazes vítimas de exploração sexual, ou obrigados a manter relações sexuais sem o seu consentimento. Outros dois milhões de menores são ainda vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, de acordo com a Organização Internacional de Trabalho. Para combater esta “forma de escravidão do século XXI”, os Salesianos têm em marcha projetos de educação e prevenção em diversos países, nomeadamente na Nigéria, Índia e Gana.

Cardeal Tolentino recebe o hábito dominicano

O cardeal José Tolentino Mendonça vai receber o hábito dominicano, no próximo dia 14 de novembro, no Convento de São Domingos, em Lisboa. A iniciativa surgiu da Ordem dos Pregadores (nome pelo qual são conhecidos oficialmente os dominicanos), devido à amizade de longa data que os une ao cardeal e ao reconhecimento da sua forte identificação com o carisma dominicano. “Foi um convite que lhe fizemos e ele aceitou de imediato por se identificar com o carisma de São Domingos, e deu-se a feliz coincidência de, quando ele foi feito cardeal, ter ficado titular da igreja de São Domingos e São Sisto, em Roma. Ele próprio assumiu nesse dia a sua ligação aos Dominicanos”, recordou frei Filipe Rodrigues, mestre de noviços e dos estudantes à agência Ecclesia.

Padre polaco acusa cardeal Dziwisz de encobrir abusos de menores

O padre polaco Isakowicz-Zaleski divulgou no seu blogue pessoal a carta que terá entregue em mãos ao cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, em 2012, na qual denunciava a prática de atos de pedofilia por parte de um outro padre, Jan Wodniak. Zaleski acusa Dziwisz de ter encoberto tais atos, o que o levou a traduzir a carta para italiano e enviá-la, um ano depois, diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé, no Vaticano. Wodniak viria a ser condenado em 2014. Dziwisz diz nunca ter recebido a carta de Zaleski.

Justiça angolana encerra todos os templos da IURD no país

No mesmo fim de semana em que foram retomados os cultos religiosos em Luanda, suspensos desde março devido à pandemia de Covid-19, a justiça angolana iniciou um processo de encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) no país. Desde novembro do ano passado que a IURD tem estado envolvida em diversas polémicas em Angola. Em agosto, a Procuradoria-Geral da República tinha já apreendido sete templos em Luanda, no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco