Que fizeste do teu irmão?

| 11 Fev 19

Acabei de ler há dias o último livro de Hélia Correia (HC) Um Bailarino na Batalha(Relógio de Água, 2018). O livro descreve uma espécie de “peregrinação” de um grupo de refugiados africanos em direção à “terra prometida” – neste caso a Europa – onde nunca chegarão: “Fogem da pátria? Tinham pátria? Tinham, pelo menos, povo,” afirmam: homens, velhos, mulheres e crianças. Caminhavam “num silêncio [que] era uma coisa como um tamanho”. 

O tema não podia ser mais atual. Mas o que impressiona é que a escrita poética a que nos habituou Hélia Correia venha tão cheia de compaixão – no sentido latino cum pacio, viver a paixão com – dando uma dramaticidade ao texto a ponto de nos doer. Hélia Correia como que acompanha o grupo, sentimos que ela faz parte do grupo, uma mulher caminhando com outras mulheres…

No relato aparece, dominante apesar do seu apagamento formal, um conjunto de mulheres:

  • Aiyanna, a mulher da compaixão, idosa e sempre atenta.
  • Awa é a jovem mulher-guerreira com o filho e “violada” por nova gravidez; durante a viagem pariu mais um filho nado-morto.
  • Niwa, a velha curvada para o chão, para a areia cruel queimada pelo sol, a que afirma: “Não somos homens nem mulheres. Somos apenas pés na areia quente”.
  • A norade Aiyanna, Miriam, a “que olha como as mulheres não sabem olhar”, a que dantes “nunca falara com homens como se fala com iguais”, a que passou a ousar fazer perguntas.

Agora, graças a Miriam, as mulheres “têm uma cara e um nome”, afirma a autora.

Nuru, “o cego que sentia o mar”, em diversos momentos guia todo o grupo. Apesar da cegueira ele era “aquele que sentia”.

“Tinham ganhado um coração de nómadas”. “No entanto prosseguiam”.

A certa altura da sua “peregrinação” tomam consciência – através da informação de um grupo de beduínos – de que a Europa não os quer, não lhes abrirá as suas portas. Buscam uma explicação: “é por isso que não nos querem lá. Paramos muito. Damos prejuízo. Paramos para rezar. Temos costumes”… E, no entanto, “necessitavam muito menos de um projeto do que deuma esperança. E a esperança precisava de um nome. Chamava-se Europa, a desejada, porque “ninguém vive sem terra prometida”. O livro tem um final em aberto: não sabemos se chegam lá. A sua esperança vai-se convertendo em desespero, em escuridão, em perda.

Podemos encontrar muitas afinidades com a caminhada dos judeus em busca da terra prometida relatada no Livro do Êxodo. O deserto do Sinai será o mesmo que Hélia Correia nos descreve. Os sentires, as visões, as dúvidas e a urgência de “sinais”, serão os mesmos. Mas os judeus tiveram um profeta e um Deus “na sarça ardente” que os guiou. A solidão deste grupo é muito mais pungente.

O movimento profundamente empático de Hélia Correia convida-nos à descentração, a uma solidariedade entre iguais, à verdadeira hospitalidade… e à esperança!

No final apetece talvez perguntar: “Que fizeste do teu irmão?”

(Um Bailarino na Batalha, de Hélia Correia; edição Relógio d’Água; 120 pág.; 2018; 16 euros)

Teresa Vasconcelos é professora do Ensino Superior e membro do Movimento Graal

 

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Al-Mutamid, poeta do Gharb al-Andalus, celebrado na Biblioteca Nacional

Al-Muʿtamid: poeta do Gharb al-Andalus é o título da mostra bibliográfica que será inaugurada às 18h desta segunda-feira, 3 de Fevereiro, na Biblioteca Nacional, em Lisboa. A mostra, que permanece aberta até 9 de Maio, pretende celebrar os 980 anos do nascimento de Al-Muʿtamid ibn ʿAbbād (Beja, 1040 – Agmate, 1095), poeta árabe do al-Andalus e rei de Sevilha durante o período islâmico medieval da Península Ibérica.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Fale connosco