Que Igreja na Cidade?

| 27 Jun 20

A Igreja, perante a cidade, encontra-se dividida entre uma organização já estabelecida (e por vezes antiga) no território e a necessidade de ‘recomeçar’ com uma realidade humana móvel e alterada. (Andrea Riccardi, Periferias: crise e novidade para a Igreja, Lucerna, pág. 113).

Sempre vivi em cidades e entusiasma-me a vida citadina. Umas mais pequenas, outras mais cosmopolitas, metrópoles… cidades a habitar. Como pároco numa cidade, desde o início se foi percebendo a tensão entre território e pertença, entre centro e periferia, entre identidade e fronteiras. Há dois anos, organizámos as primeiras Jornadas interparoquiais de Pastoral da Cidade para dar luz a um caminho novo que se impõe. Urge continuar o caminho de uma pastoral de cidade que seja mais que umas procissões em conjunto, mas que manifestem novas apostas comuns. Que pastoral da cultura? Que organização social e caritativa? Que meios de evangelização? Que proposta em novas zonas habitacionais? A resposta continuará a ser territorial ou há uma cidade que se pode pensar em conjunto? Estas e outras questões que se vão colocando e que me levam a refletir em alguns caminhos que urgem mudança.

Uma pastoral mais de conjunto. O perigo é olhar para a “paróquia-quinta”, fechada num determinado território. Nenhuma paróquia de cidade é autónoma, correndo o perigo de uma referencialidade excessiva. Talvez um grande número dos paroquianos seja hoje não-residente na paróquia – muitos vêm das paróquias vizinhas – procurando esta por razões de horários, dinamismos pastorais, identidade cultural e tradicional.

Muitos dos residentes em novas zonas habitacionais já não se identificam ou desconhecem a que paróquia pertencem, sendo a dimensão territorial hoje mais secundária. Permanecemos, pelo direito paroquial, organizados territorialmente, mas o sentido de pertença alarga-nos a atenção e faz cair fronteiras. Quero acreditar numa pastoral de conjunto em contexto de Cidade, que não anula os dinamismos identitários próprios da tradição paroquial, mas que se articula em novas formas de comunhão de serviços, de complementaridade de ação pastoral, na coabitação de uma equipa de ministros ordenados, em programações conjuntas e definição de atenções e prioridades comuns que olhem mais para a cidade a servir e a evangelizar. Uma visão alargada e partilhada serve muito mais a cidade que fechada na fronteira de uma geografia territorial.

Uma pastoral mais dialogante com a cultura. Talvez estejamos a viver a proposta cristã num monólogo homilético e não num diálogo onde ninguém se impõe. Uma pastoral a olhar para o umbigo da vida paroquial perde relevância no espaço público e tona-se incapaz de se tornar relevante. A Cidade é o mundo da arte, da ciência, da razão, do estudo, mas também das tradições, das festas, do folclore. Talvez nos falte alguma convicção, ousadia e estratégia em afirmar o nosso património religioso e cultural e acreditar que ele é caminho de evangelização de novos areópagos e porta da fé.

Uma pastoral mais missionária. Como alcançar novos prédios, bairros e casas? Uma pastoral missionária é aquela que acredita que a missão começa na casa-comum que também é cada paróquia. A missão exige dos missionários ser “fermento na massa”, afirmando a missão batismal que a todos desafia. O anonimato presente em tantos prédios choca com um sentido de vida comunitária que se reduza à esfera da participação litúrgica ou sacramental. Talvez este período de pandemia desperte para uma consciência de Igreja mais doméstica e revitalize o sentido de proximidade, vizinhança e de bairro, onde o Evangelho “sai” também dos grandes centros que são as nossas igrejas e se torna mais próximo e real na proximidade das vidas quotidianas.

Há uns anos ouvi o cardeal Walter Kasper, a propósito das suas bodas de ouro sacerdotais, identificar o futuro das paróquias de cidade mais como centros de espiritualidade. De facto, talvez tenhamos criado estruturas demasiado complexas para responder a demasiadas situações e nos tenha faltado a alma da vida pastoral que é uma experiência fundamental de fé que suscite a necessidade de formação e o testemunho caritativo.

 

João Alves é padre católico da diocese de Aveiro e pároco da paróquia da Vera-Cruz

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco