Que Igreja? Que bispos? – Duas desgraças e duas oportunidades

| 19 Mar 2023

Bispos. Portugal. Igreja Católica.

Bispos portugueses em Fátima, em 2017, durante a visita do Papa Francisco. António Cabral pede uma nova atitude ao episcopado. Foto © Ricardo Perna/Família Cristã

 

 

Desgraças:

A primeira e maior a desgraçada desgraça de todas as vítimas, de todas as pessoas abusadas e violentadas na sua dignidade. Não há palavras, não é possível imaginar o inimaginável, o horror, o terror, a lama na alma de quem foi magoado e pisado por quem tinha o poder de defender e amparar. Malditos abusadores, predadores, pedófilos e quejandos…

Segunda desgraça – os bispos da Igreja Católica em Portugal. Uma miséria, uma hipocrisia, uma mentira. Como é possível depois de tudo que é público continuar o encobrimento e falar de perdão dos abusadores?

A atitude dos bispos e da Conferência Episcopal no seu conjunto é uma outra violação, uma outra violência, um outro abuso, ainda mais sórdido e absurdo sobre as vítimas. Pobres vítimas abusadas pelos abusadores sexuais e agora abusadas pelos abusadores espirituais – tão hipócritas e maleficentes como os outros. Os senhores não são pastores, são, tão só, servidores do único Pastor que dá vida – Cristo Ressuscitado.

No meio desta miséria humana e espiritual vislumbro duas ténues oportunidades:

O surgimento de um Estado português finalmente laico e livre de todos os poderes eclesiásticos, de concordatas e outras histórias de medo e poder.

Senhores administradores e governantes de Portugal façam esta coisa bem simples – apliquem às igrejas, suas instituições e agentes as leis gerais. Ponham tudo e todos a pagar impostos, a contribuir para o bem comum – mexam nessa coisa que faz mover as hierarquias eclesiásticas e todos os poderes instalados – o dinheiro. O Estado ganha e os impostos que vierem da Igreja e seus membros podem e devem ser canalizados para as vítimas a fim de minorar a desgraça que lhe foi imposta e silenciada dentro da instituição.

Esta é uma matéria particularmente difícil para os estados e para as igrejas, mas é o caminho mais limpo, mais evangélico e mais justo para todos. Uma Igreja mais pobre, mais ligeira e peregrina será muito mais sinal dos tempos e dos lugares novos e mais próxima de todos os caminhantes.

A segunda oportunidade, talvez última, é ainda para a Igreja: por favor torne-se evangélica, servidora, caminhante do Reino de Deus.

É urgente abandonar o clericalismo, a misoginia, o patriarcado, o poder machista… uma Igreja povo de Deus com mulheres e homens lado a lado, com casadas e casados a receber o sacramento da ordem e a governar paróquias e dioceses até chegarmos à possibilidade de um dia termos em Roma uma “papisa”.

Quanta conversão, quanta mudança, quanta vontade de recomeçar?

Todos sabemos que muita da teologia oficial é apenas expressão de poder e exercício académico de dogmas e normas.  Todavia, Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida – é Nele e com Ele que a humanidade é convidada a caminhar. Sem isso tudo é vão, opressão e pesadelo.

Pois bem, por último, um sonho:

na vigésima quinta hora, os bispos portugueses partiram todos, acompanhados por todos os padres abusadores e pedófilos e rumaram a um qualquer paraíso terreno. Foram de férias prolongadas e a nossa esperança é que tardem em voltar… e por fim os que regressam sejam verdadeiros discípulos de Jesus Cristo e servidores do seu Evangelho e do povo que caminha na fé, na esperança e na caridade… assim o esperamos em Deus, Salvador da Humanidade.

 

António Cabral foi missionário católico em Moçambique; licenciado em Teologia pela Universidade Católica, fez pós-graduação em Espiritualidade na Vida Consagrada, em Madrid. Deixou o ministério de padre em 2005.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This