Novo bispo de Pemba deixa apelo

“Que o mundo não esqueça Cabo Delgado”

| 14 Mar 2022

D. António Juliasse (à direita, na foto) é o novo bispo de Pemba, Cabo Delgado, Moçambique. Foto © ACN Portugal

D. António Juliasse (à direita, na foto) pede que as pessoas não esqueçam Cabo Delgado. Foto © ACN Portugal

 

“A violência terrorista continua a ter os seus efeitos em Cabo Delgado e a crise humanitária ainda está presente. Infelizmente, a situação não é muito [mostrada] nos últimos momentos e divulgada com a mesma intensidade como foi há algum tempo, mas o sofrimento do povo de Cabo Delgado ainda continua”, alerta D. António Juliasse, numa primeira entrevista como bispo de Pemba concedida à Fundação AIS.

O responsável lembrou que os campos de reassentamento acolhem milhares de “pessoas necessitadas”, e que muitas “não conseguem ter o alimento diário”, além de terem necessidades também ao nível da “de assistência médica e medicamentosa”. Por isso, o bispo apela à solidariedade de todos para com esta região tão empobrecida de Moçambique. “Renovo o apelo para que o mundo não esqueça Cabo Delgado e não esqueça o sofrimento que há, porque se nos esquecermos isso será grave, [pois] há imensa gente ainda dependente das ajudas que chegam de todo o lado, e, portanto, é preciso ainda continuar a salvar as vidas nestas condições de extrema pobreza”, disse o prelado que desempenhava já as funções de administrador apostólico nesta diocese, além de ser também bispo auxiliar de Maputo.

Na mensagem gravada, António Juliasse fala ainda em “profunda gratidão” ao Papa, lembrando que ele “está atento ao que está a acontecer” em Moçambique, assim como “às necessidades da Igreja Católica” neste país africano de língua portuguesa. O bispo refere ainda uma “atenção especial de comunhão e proximidade do Papa Francisco com as peculiaridades da Igreja diocesana de Pemba, Cabo Delgado, que passa por momentos difíceis causados pela violência do terrorismo”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This