Que tal Kyiv?

| 12 Jun 2022

Prédios na cidade de Kiev, Ucrânia. Foto © DR

Um aspeto da cidade de Kiev, Ucrânia. Foto © Ana Vasquez.

 

Quando lá estive, em 2018, perguntaram-me: “Que tal Kyiv? Visitável?”. Na altura, nunca cheguei a responder a essa pergunta, que na verdade era um comentário numa rede social. Agora, talvez seja tarde… Lembro-me de pensar que não tinha uma resposta para essa pergunta – e isso era tão estranho quanto esclarecedor para mim.

Sentia que a Ucrânia, sim, era visitável. Mas Kyiv era e é uma cidade estranha, com coisas muito bonitas, outras muito feias e, pelo meio, lugares (complexos e quarteirões inteiros) por onde se passava como que sorrateiramente… lugares a que parecia que ninguém queria voltar. Tudo era grande, alto e muita coisa, de edifícios a mobiliário urbano, tinha assim uma espécie de camada de tristeza. Prédios inteiros, antigos, que eram como peças amontoadas no atelier do Sr. Alberto, o carpinteiro, à espera que ele lhes pegasse para lhes dar uma outra vida, sabem? Da janela da casa em que fiquei, sonhava morar num daqueles prédios, como sonhava com a secretária antiga com que poderia ficar depois de passar pelas mãos do Sr. Alberto.

Nessa mesma zona, os edifícios e a vida das pessoas pareciam organizar-se para dentro. Do lado da rua, os prédios eram muito juntos. Por trás, e até onde eu conseguia ver, estavam dispostos em quadrados, cada um com uma praça, um parque infantil e um pequeno anexo com ferramentas de jardinagem, onde vi também um vizinho a arranjar o carro. Tanto o jardim como o parque também precisavam de uma mãozinha, mas não estavam propriamente ao abandono. Dava a impressão de que faziam questão de conservar o melhor de um passado que, ao mesmo tempo, queriam apagar da memória.

As avenidas principais eram majestosas e brilhantes, mas depois à volta havia muita coisa em construção (prédios altos como os que agora vemos ruir na TV), de uma forma um bocado preocupante. Caótica, sem qualquer tipo de planeamento aparente (e eu sempre a pensar nas mãos do Sr. Alberto…).

Uma certeza ficou: o mais visitável de Kyiv são as pessoas. Fáceis, simpáticas, hospitaleiras, pacientes. Sobretudo as mais velhas, tinham cara de livros de história e esforçavam-se por se dar a ler, mesmo sem falar uma palavra de inglês. Essa parte, a mais bonita de Kyiv, ao que sei, continua viva. Em Lviv, até ver, a mesma coisa. Não é muito frequente em mim esta sensação e esta certeza, mas, assim que seja possível, tanto a Ucrânia como Kyiv são sítios aonde quero muito voltar.

Conheci uma cidade, num país e com um povo cheio de esperança, mesmo que em estado de alerta. A guerra na Ucrânia começou, para nós, há pouco mais de três meses. Para eles, nunca acabou. Deixámo-nos dormir à sombra dos vistos gold, dos prédios de milhões e dos iates nas marinas. Disfarçamos com uma espécie de desesperada e caótica caridade, em que pouco importa qual o impacto que terá o que fazemos, desde que façamos. E assim ganhamos uns pontos de karma para poder continuar a sesta e o faz-de-conta-que-até-estamos-a-recuperar-dignidade. O importante é que nada mude, mesmo quando já tudo mudou.

 

Ana Vasquez trabalha em Comunicação e Marketing. Contacto: anapontovasquez@gmail.com

 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This