Investigação

Quem traiu Anne Frank?

| 18 Jan 2022

Anne Frank, imagem de 1942. Foto © Unknown photographer, Public domain, via Wikimedia Commons

 

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

O trabalho, com a respetiva conclusão, foi publicado em livro intitulado “The Betrayal of Anne Frank: A Cold Case Investigation” (A traição de Anne Frank: investigação de um caso arquivado) e tem por autora a académica canadiana Rosemary Sullivan. A ideia, porém, foi do cineasta Thisjs Bayens, que se lembrou de juntar uma equipa liderada por um agente do FBI aposentado.

A equipa trabalhou sobre o caso durante cinco anos, tendo analisado mais de três dezenas de possibilidades, em busca do cenário mais provável. Sabia-se que a família Frank e outros quatro judeus se esconderam num anexo, ao qual se acedia por uma escada secreta escondida atrás de uma estante. Entraram nesse espaço em julho de 1942 e aí ficaram até serem descobertos em agosto de 1944 e deportados para campos de concentração.

A conclusão a que os investigadores chegaram, segundo a Associated Press, aponta para a possibilidade de ter sido um proeminente notário judeu chamado Arnold van den Bergh a indicar o esconderijo aos alemães. O motivo do notário terá sido salvar sua própria família da deportação e assassinato em campos de concentração nazistas.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This