Investigação

Quem traiu Anne Frank?

| 18 Jan 2022

Anne Frank, imagem de 1942. Foto © Unknown photographer, Public domain, via Wikimedia Commons

 

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

O trabalho, com a respetiva conclusão, foi publicado em livro intitulado “The Betrayal of Anne Frank: A Cold Case Investigation” (A traição de Anne Frank: investigação de um caso arquivado) e tem por autora a académica canadiana Rosemary Sullivan. A ideia, porém, foi do cineasta Thisjs Bayens, que se lembrou de juntar uma equipa liderada por um agente do FBI aposentado.

A equipa trabalhou sobre o caso durante cinco anos, tendo analisado mais de três dezenas de possibilidades, em busca do cenário mais provável. Sabia-se que a família Frank e outros quatro judeus se esconderam num anexo, ao qual se acedia por uma escada secreta escondida atrás de uma estante. Entraram nesse espaço em julho de 1942 e aí ficaram até serem descobertos em agosto de 1944 e deportados para campos de concentração.

A conclusão a que os investigadores chegaram, segundo a Associated Press, aponta para a possibilidade de ter sido um proeminente notário judeu chamado Arnold van den Bergh a indicar o esconderijo aos alemães. O motivo do notário terá sido salvar sua própria família da deportação e assassinato em campos de concentração nazistas.

 

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto novidade

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase pode ser desconcertante, ainda para mais vinda de uma historiadora. Neste caso, de Irene Pimentel, premiada investigadora do Instituto de História Contemporânea. Mas, então, valerá a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? Depois do “périplo” que já fez por inúmeras escolas secundárias do país, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala esta sexta-feira, 27 de janeiro, Irene Pimentel tem a certeza de que sim.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This