“Querida Amazónia”: as portas não estão fechadas, mas não dependem só do Papa

| 16 Fev 20

O Papa Francisco com indígenas da Amazónia, na missa de encerramento do Sínodo dos Bispos sobre a região. Foto © Sutterstock/Ponto SJ

 

Sou dos que teriam gostado de ver na exortação apostólica Querida Amazónia, publicada no passado dia 12, um gesto do Papa Francisco de abertura à revisão da disciplina do celibato obrigatório. Assim como de ver a possibilidade de as mulheres poderem assumir ministérios ordenados, no quadro de dinâmicas comunitárias que tal requeressem.

Mas não tenho dúvidas de que, se o Papa assim tivesse decidido, se teria levantado um tal alvoroço, que pouco mais restaria do documento papal do que esse tema. O Sínodo da Amazónia eclipsar-se-ia, no meio do rebuliço e das consequências das portas assim abertas.

É verdade que a cobertura mediática que foi feita acabou por deixar o conteúdo de Querida Amazónia na sombra. Os media escolheram com antecedência o enquadramento que lhes interessava e, como o que procuravam lá não vinha, cobriram aquilo que era a sua própria agenda: Papa fecha a porta, não abre mão do celibato obrigatório, cede à pressão dos conservadores, perde oportunidade histórica, etc. Ou seja, ficamos sem fazer ideia do que diz, de facto, o documento que era suposto ser noticiado.

Ora, Querida Amazónia é talvez o texto mais brilhante e mais bem escrito deste Papa, onde se conjuga uma denúncia vigorosa da exploração desenfreada da região panamazónica e dos seus cerca de 400 grupos étnicos; onde se aprofunda e exemplifica a doutrina da Laudato Si’; onde se dão pistas de enorme alcance pedagógico e cultural para a ação civil e para a ação pastoral. Mas disto, muito pouco se falou.

E, sobretudo, se se ler a exortação atentamente, o Papa mostra bem que não quer fechar portas. Diria mesmo, não quer fechar quaisquer portas. Como o faz? Adotando um caminho original, sublinha desde o início, que a exortação não está só: acompanha e é acompanhada pelo documento Amazónia: Novos Caminhos para a Igreja e para Uma Ecologia Integral, aprovado por esmagadora maioria no recente Sínodo.

Depois de referir que ouviu as intervenções na assembleia sinodal e leu os resultados dos trabalhos de cada um dos grupos sinodais, Francisco afirma que não pretende “nem substituir nem repetir” o que consta do documento do Sínodo, para não correr o risco de valorizar mais este aspeto do que aquele. Frisa, depois, num ponto destacado, que “quer apresentar de maneira oficial esse documento”, convidando todos “a lê-lo integralmente”. E termina esta parte dizendo, ainda sobre as conclusões do Sínodo: “Deus queira que toda a Igreja se deixe enriquecer e interpelar por este trabalho, que os pastores, os consagrados, as consagradas e os fiéis-leigos da Amazónia se empenhem na sua aplicação e que, de alguma forma, possa inspirar todas as pessoas de boa vontade” (sublinhados meus). Com esta assunção explícita e reiterada do Papa, num documento do magistério da Igreja como é a exortação apostólica, é legítimo tomar as conclusões do Sínodo como anexo integrante da Exortação. É daí que o Papa parte, para olhar para o futuro da Igreja. Não é daí que foge ou se distancia.

De resto, importa ter presente que o Papa se dirige não apenas aos bispos ou sequer à Igreja. A exortação é dirigida “ao povo de Deus e a todas as pessoas de boa vontade”. A ecologia integral de que trata, com as inerentes decorrências pastorais, tem o planeta como cenário e como destinatário, com todos os impasses e desafios que vemos de forma cada mais aguda, a cada dia que passa. Podia o Papa – a partir da reflexão e discernimento que foram centrais no processo sinodal – correr o risco de lançar uma polémica, de si própria fraturante, que apagaria em grande medida esse mesmo processo? Seriam esta a forma e o momento adequados para o fazer?

Importa sublinhar que, logo no dia em que a exortação foi apresentada e nos dias posteriores se multiplicaram os sinais não apenas de altos responsáveis da Cúria como do próprio Papa, tendentes a alertar que aquilo que se vai seguir é muito o que a Igreja da Amazónia, bem como outras Igrejas locais, quiserem. As conclusões do Sínodo, integralmente amadurecidas, incluindo a ordenação dos viri probati e ao diaconado feminino “permanecem sobre a mesa como propostas feitas pelo Sínodo que o Papa incentiva a Igreja na Amazónia a ler e a apreciar”, referiu aos jornalistas o cardeal Michael Czerny.

Por sua vez, o relator-geral do Sínodo e presidente da Repam (Rede Eclesial Pan-Amazónica), o cardeal brasileiro Cláudio Hummes, mostrou-se convencido de que todas estes pontos irão ser retomados, nesta fase pós-sinodal, que será de concretização do Sínodo. E o próprio Papa Francisco corroborava, de algum modo, esta ideia, ao confiar a um grupo de bispos norte-americanos em visita ad limina, na semana passada: “A sinodalidade e o discernimento são processos que continuam mesmo depois do Sínodo e dos documentos publicados. Não é reunir e dizer: “Temos todas as respostas (…) O que fizemos foi levantar os assuntos; agora temos de pegar neles”, continuando a invocar o Espírito Santo e a discernir o caminho para o futuro».[1]

É claro que os próximos tempos serão um teste aos desafios que foram lançados com o Sínodo que o Papa lançou. Veremos o que sai de dinâmicas como o Concílio da Igreja Católica australiana, que tem início em outubro próximo. Veremos como se desenvolve o Sínodo da Igreja alemã, cuja primeira sessão teve início recentemente.

Este Papa tem-se distinguido não tanto por medidas espectaculares, mas por abrir dinâmicas e processos de atenção aos mais pobres de todas as pobrezas e de discernimento sobre os caminhos a seguir para ir ao encontro deles. Há medidas que só ele pode tomar. Mas nunca as tomará sem as comunidades a participarem ativamente nesses processos. Desse ponto de vista, o Sínodo da Amazónia foi o culminar de um desses processos, que mobilizou largas dezenas de milhar de pessoas. Esse dinamismo não foi estancado. Acabou o Sínodo, mas não acabou a sinodalidade, o movimento gerado pelo Sínodo. Apenas começou.

[Texto construído a partir das notas de apresentação da Exortação Apostólica Querida Amazónia, organizada pela arquidiocese de Braga, em 14 de fevereiro de 2020.]

[1] In National Catholic Reporter, 13.2.2020.  Acesso: http://bit.ly/3bJCBNu

 

Manuel Pinto é professor da Universidade do Minho e integra a equipa editorial do 7MARGENS

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco