Um filme de Cristian Mungiu

“R.M.N.”: Uma inquietante parábola da Europa

| 11 Fev 2023

R.M.N., de Cristian Mungiu

R.M.N., de Cristian Mungiu

 

“Era bom que os portugueses percebessem que este é um filme que não fala apenas da Roménia e da sua situação na Transilvânia. Escolhi relatar uma história que se passa nessa região porque é uma parte multiétnica do nosso país. Porém, penso que é um filme que fala sobre todos nós, neste mundo, e como nos relacionamos com a globalização e com aqueles que não conhecemos bem. Funciona como um retrato sobre o nosso subconsciente, que alimenta a nossa animalidade, os nossos medos, o nosso lado negro, a nossa dualidade, a nossa tolerância perante a migração – o que se passa ali pode passar-se em qualquer outro sítio… Mas queria sublinhar que para além dos temas importantes, R.M.N. é um filme para o público. O que isto quer dizer? Que é também um filme com ritmo, um thriller. É meu desejo que o público partilhe as sensações do protagonista.”

Espero que estas palavras do realizador romeno Cristian Mungiu, retiradas de uma conversa com o Diário de Notícias, durante o Festival de San Sebastián, quase tornem obrigatório ver o seu último filme: R.M.N.

Eu decidi ir vê-lo por causa desta entrada da crítica na revista E do Expresso (6 de Janeiro), de Francisco Ferreira: “O absurdo de uma Europa comunitária que receia o que lhe é estranho é exemplarmente figurado em R.M.N.

Matthias, “um homem corpulento e com cara de poucos amigos”, trabalha num matadouro de ovelhas e carneiros. Desde o início, a marca da violência e da brutalidade. Logo a seguir, percebemos que Matthias é um migrante, quando um supervisor, ao vê-lo ao telemóvel fora do local de trabalho, o insulta com uma expressão racista: “cigano preguiçoso”. Matthias agride-o violentamente com uma cabeçada, e foge, pedindo boleia até chegar à sua aldeia, na Transilvânia. Vai reencontrar a sua ex-mulher, Ana, e o seu filho, Rudi, a sua ex-amante, Csilla, o seu pai, Otto, os seus amigos. Estamos alguns dias antes do Natal. Percebemos as dificuldades e tensões entre todos eles. E confirmamos o carácter rude, patriarcal e agressivo de Matthias que parece sempre à beira de explodir, apesar de alguns sinais de ternura, seja para com o filho, para com Csilla ou com o pai. Matthias é um homem em luta interior, dividido, como se verá na magnífica e central cena de antologia (15 minutos) da assembleia geral para abordar a questão que pôs a aldeia em polvorosa: expulsar os estrangeiros (3) do Sri Lanka que estão a trabalhar na fábrica de panificação.

De facto, é este o coração do filme e a “ressonância magnética nuclear” (R.M.N., feita pelo pai de Matthias e que dá título ao filme) que o realizador faz à aldeia, como metáfora de toda a Europa: uma terra multiétnica, cuja história é feita também de migrantes e de vários povos, onde convivem diferentes línguas, culturas e religiões, mas que é atacada pela xenofobia, pelo nacionalismo, pelo ódio, justificados com os falsos argumentos que tantas vezes ouvimos e lemos por aí. Como um tumor que vai minando e apodrecendo as relações. 

Neste filme metafórico, como se fosse uma espécie de autópsia, “está a Europa inteira, refugiada na cobardia, e o retrato de todas as suas contradições. E tudo isto é figurado em Matthias, homem que perde o passado (veja-se o desfecho aflitivo do pai Otto), a pôr termo à sequência da assembleia, homem sem voz para responder ao futuro (o mutismo inquietante do miúdo). Não admira que lobos e ursos escondidos nos arbustos das traseiras lhe apareçam, às tantas, pela calada da noite. Matthias chegou a um beco sem saída, quer a nível profissional e afetivo, quer a nível político. É um animal enjaulado.” (Francisco Ferreira)

Não é assim que a Europa parece estar? Não é assim que estamos todos?

Entre a realidade e o pesadelo dos medos – atente-se no estranho final – a escolha caberá ao espectador. O que Mungiu mostra é o (re)surgimento daquilo que a Humanidade sempre quis afastar e manter longe das suas aldeias, campos, cidades e sonhos: uma forma de animalidade e de monstruosidade que o século XXI (os dias que correm), impiedosamente, está a mostrar iminente.

R.M.N.
Realização de Cristian Mungiu
Com Judith State, Macrina Barladeanu, Orsolya Moldován, Marin Grigore
Drama; 125 min; 2022; M/12; ROM, SUE, FRA, BEL

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This