Timor-Leste

Ramos-Horta apela à adoção da Declaração de Abu Dhabi

| 26 Nov 2021

papa francisco com ramos-horta foto fb ramos-horta

Ramos-Horta num encontro com o Papa Francisco, em outubro deste ano. Foto reproduzida a partir da página de Facebook de José Ramos-Horta.

 

José Ramos-Horta vai insistir junto do Presidente e do Governo de Timor-Leste para que o país adote a Declaração de Abu Dhabi assinada pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb, sobre a Fraternidade Humana em Prol da Paz Mundial e da Convivência Comum, noticiou esta sexta, 26 de novembro, a UCA News, citando a Tatoli, a agência noticiosa de Timor-Leste.

O ex-Presidente e Nobel da Paz em 1996 falava num seminário na Universidade Nacional de Timor-Leste que decorreu no dia 25 de novembro, tendo sublinhado que “a adoção deste documento mostraria a maturidade de Timor-Leste” e contribuiria para “para manter a convivência” inter-religiosa pacífica e sem problemas no país.

Ramos-Horta é júri do Prémio Zayed 2022 para a Fraternidade Humana, um prémio internacional instituído pelos Emirados Árabes Unidos para assinalar o histórico encontro do Papa Francisco com o Grande Imã de Al-Azhar, que teve lugar em Abu Dhabi. Nessa condição, Ramos-Horta esteve no Vaticano em outubro para se encontrar com os restantes membros do júri que foram recebidos pelo Papa Francisco.

Não existe qualquer programa divulgado pelo Vaticano para uma visita do Papa Francisco a Timor-Leste, mas em Dili, e de acordo com a UCA News, o encarregado da nunciatura, Monsenhor Marco Sprizzi, tem afirmado que o Papa deseja visitar o país em 2022.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This