Re-cristianizar é preciso!

| 11 Jul 20

A música de John Lennon, Imagine, é duma falsa ilusão imensa – “nem céu nem inferno, apenas o firmamento”. Todavia, é precisamente isso que vai acometendo nas sociedades pós-modernas. Nada de ideias metafísicas que sustentem a moral, só existe o universo físico acima de nós; nada de certo e errado, só causas contra as quais, marchar, marchar!

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

 

A opressão

Mas a dura realidade, que está para além das atitudes nefelibatas dos progressistas, é que sempre que se tentou obliterar a moral religiosa, o que a substituiu foi uma implacável opressão estatal. Uns poucos decidindo por muitos o que é o comportamento adequado, sob uma enxurrada de sanções contra os trangressores. Instalou-se uma moral forçada que se empurrava goela abaixo.

O indivíduo deixa de ser livre para fazer as suas escolhas éticas. Só obedece cegamente. Foi assim na Rússia de Lenine e Estaline e foi assim na França do psicopata que liderou a Revolução Francesa, Robespierre. Robespierre acreditava piamente que iria criar um reino de virtude, segundo a ideia de que a virtude seria definida por ele mesmo e pelos seus correligionários. É dele a máxima de que a educação conduz à liberdade: “O segredo da liberdade está em educar as pessoas, e o da tirania, em mantê-las ignorantes”. Só que ele não usa a palavra educação como nós a usamos. De acordo com o seu projecto, os indivíduos seriam doutrinados para se enquadrarem no que ele e os seus comparsas definiam como sendo virtude.

O truque é que o Estado não se limita a ser um observador neutro. Enquanto os cidadãos obedecem, tudo bem. Não se alihando pelo “politicamente correcto” (diríamos hoje) então o Estado dá-se o direito de impor a sua ordem. Virtude e terror eram faces da mesma moeda e o alvo era sempre a “liberdade”. Liberdade para viver debaixo da nova república, mas não para examinar a república nem questioná-la. Robespierre não promovia uma educação para a emancipação dos cidadãos, mas uma espécie de adestramento para a nova ordem instaurada por ele. O indivíduo era um corcel a ser domado. A República um circo de feras domadas. Qualquer semelhança com a doutrinação sugerida mais tarde por Gramsci não é mera coincidência.

 

A missão

A religião cristã coloca-se como a inimiga natural deste doutrinamento, porque ela tem uma tendência intrínseca para ligar o cristão com a realidade humana além dos limites da cultura criada pela revolução. Ela desmascara a falsa esperança produzida pelos revolucionários ao inspirar uma leitura diferente do que é a natureza caída humana e do que é o mundo. O cristianismo não embarca em utopias nebulosas e algodanolescas. O cristão sempre terá os pés no chão. E, sempre terá um desejo enorme de tocar o infinito.

E é aqui que me parece urgente levantar bem alto a necessidade de re-cristianizar o mundo em que vivemos. Simplesmente, porque é a melhor solução. Na verdade, a única.

Daí que seja sempre actual a “grande comissão”: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho – as Boas Novas. Daí que seja da mais elementar importância destacar que este “Evangelho” é o poder de Deus – a dinâmica, em grego – para salvar (leia-se transformar). Sem esse poder transformador do Evangelho, a sociedade fica mais doente. Definha e morre. Não é por acaso que na linguagem paulina, o cristão é considerado uma “nova criatura”. A sua metanoia existencial implica realmente um novo acto criativo de Deus. O novo nascimento é de Deus, afirma Cristo a um Nicodemos boquiaberto. Creio, resolvidamente, que o tempo de agir, não somente urge; mas ruge! Precisamos de verdadeiros rugidos de leão, para re-cristianizar um mundo paganizado. Para tal, importa conhecer os tempos e fazer uma leitura tranquila da nossa missão como cristãos. Fica o desafio!

 

Filipe Samuel Nunes, formado em Teologia pela European Missionary Fellowship, em Welwyn na Inglaterra, em regime de tutoria. Protestante praticante, vive no Brasil, onde ensina Inglês como segunda língua.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Líderes religiosos pedem fim dos crimes contra os uigures na China

Os cardeais de Myanmar e da Indonésia, os principais rabis do Reino Unido, o representante do Dalai Lama na Europa e diversos líderes muçulmanos estão entre os 76 signatários de uma carta divulgada este domingo, 9 de agosto, a pedir o fim de “uma das mais egrégias tragédias humanas desde o Holocausto: o potencial genocídio dos Uigures e outros muçulmanos na China”, divulga o semanário católico britânico “The Tablet”.

Assassinado reitor do Seminário Romero, em El Salvador

O padre Ricardo Cortez, reitor do Seminário Santo Óscar Arnulfo Romero e pároco da povoação de San Francisco Chinamequita, em El Salvador, foi assassinado na passada sexta-feira, 7 de agosto. A diocese de Zacatelouca, à qual pertencia, emitiu um comunicado onde pede a investigação do crime, que considera “inexplicável” e “execrável”, avança o Vatican News.

Primeira tradução ecuménica da Bíblia editada no Brasil

Uma ampla equipa de biblistas, exegetas e estudiosos de diversas confissões cristãs e do judaísmo esteve envolvida no projeto inédito de tradução ecuménica da Bíblia para a língua portuguesa, que chega agora às livrarias brasileiras através das Edições Loyola.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Navio de resgate apoiado pela Igreja Protestante prestes a partir para o Mediterrâneo

Chegaram esta terça-feira, 11 de agosto, ao navio de resgate de migrantes Sea Watch 4 os últimos membros da tripulação. Os treinos e exercícios já começaram, e ainda esta semana será dada a partida do porto de Burriana (Valencia, Espanha) para o centro do Mediterrâneo, numa missão tornada possível devido à iniciativa da Igreja Protestante Alemã e ao apoio de mais de 500 organizações que participaram na campanha de recolha de fundos (crowdfunding) #WirSchickenEinSchiff (“Nós enviamos um navio”).

É notícia

Entre margens

Plano de recuperação… Também social? novidade

Deste modo, corre-se o risco de persistir a subalternidade dos problemas e dinamismos sociais perante a força da economia. Talvez se atenuasse, ou infletisse, a subalternidade se fosse cumprida a Constituição da República no articulado relativo aos planos de desenvolvimento económico e social (artºs. 90º.-91º.); e, melhor ainda, se fosse promovido o desenvolvimento local, a partir da freguesia e do protagonismo de cada pessoa e instituição.

Esta crise das lideranças é dramática

Mesmo na velha Europa o que vemos são indivíduos muito pequeninos, em dívida para com a ética política, a moral pessoal e desprovidos de sentido de estado. A corrupção ronda estas figuras e contam-se pelos dedos das mãos as que conseguem manter uma postura decente. Temos ainda os grupos extremistas de direita e de esquerda que ameaçam os regimes democráticos, os quais por sua vez se vão deixando colapsar aos poucos por dentro.

Que filosofia pretendemos ensinar aos adolescentes?

Ensinar filosofia implica necessariamente filosofar, ou seja, não nos podemos limitar a transmitir, reconstituir e explicar o pensamento dos filósofos. Depois de um primeiro passo que é compreender as teorias e os problemas, interessa apropriarmo-nos deles, ou seja, trazê-los para a nossa vida, examinando-os, questionando-os ou deles nos demarcando com opiniões fundamentadas.

Cultura e artes

A carne, a história e a vida: uma viagem fascinante

A tradição espiritual cristã, radicada na Boa-notícia gerada pelo Novo Testamento, permanece ainda um continente a explorar para muitos dos discípulos de Jesus. A expressão mística contém uma carga associada que não ajuda a visitar o seu espaço: associamo-la a uma elite privilegiada, a fenómenos extraordinários, a vidas desligadas dos ritmos e horários modernos.

Manuel Cargaleiro oferece painel de azulejos a paróquia de Lisboa

Foi como “escrever uma oração” ou fazer “o ramo mais bonito para Deus”. Assim definiu o pintor e ceramista Manuel Cargaleiro o seu mais recente trabalho: um painel de azulejos, que ofereceu à Paróquia de São Tomás de Aquino, em Lisboa. A cerimónia de inauguração e bênção decorreu esta segunda-feira e contou com a presença do autor, avança o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Sopas do Espírito Santo dão a volta ao mundo em novos selos de correio

Um “teatro”, um bodo e uma coroa para a circulação de âmbito nacional; foliões, um “balho” e uma pomba para a Europa; e uma bênção do bodo, as sopas e uma rosquilha de massa sovada para o resto do mundo. O culto do Paráclito, ou seja, “aquele que ajuda, conforta, anima, protege, intercede” está desde a última quinta-feira, 30 de Julho, representado numa emissão filatélica dos Correios de Portugal, dedicada às festas do “Senhor Espírito Santo”, como é habitualmente designada nos Açores a terceira pessoa da Santíssima Trindade cristã.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco