Re-cristianizar é preciso!

| 11 Jul 20

A música de John Lennon, Imagine, é duma falsa ilusão imensa – “nem céu nem inferno, apenas o firmamento”. Todavia, é precisamente isso que vai acometendo nas sociedades pós-modernas. Nada de ideias metafísicas que sustentem a moral, só existe o universo físico acima de nós; nada de certo e errado, só causas contra as quais, marchar, marchar!

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

 

A opressão

Mas a dura realidade, que está para além das atitudes nefelibatas dos progressistas, é que sempre que se tentou obliterar a moral religiosa, o que a substituiu foi uma implacável opressão estatal. Uns poucos decidindo por muitos o que é o comportamento adequado, sob uma enxurrada de sanções contra os trangressores. Instalou-se uma moral forçada que se empurrava goela abaixo.

O indivíduo deixa de ser livre para fazer as suas escolhas éticas. Só obedece cegamente. Foi assim na Rússia de Lenine e Estaline e foi assim na França do psicopata que liderou a Revolução Francesa, Robespierre. Robespierre acreditava piamente que iria criar um reino de virtude, segundo a ideia de que a virtude seria definida por ele mesmo e pelos seus correligionários. É dele a máxima de que a educação conduz à liberdade: “O segredo da liberdade está em educar as pessoas, e o da tirania, em mantê-las ignorantes”. Só que ele não usa a palavra educação como nós a usamos. De acordo com o seu projecto, os indivíduos seriam doutrinados para se enquadrarem no que ele e os seus comparsas definiam como sendo virtude.

O truque é que o Estado não se limita a ser um observador neutro. Enquanto os cidadãos obedecem, tudo bem. Não se alihando pelo “politicamente correcto” (diríamos hoje) então o Estado dá-se o direito de impor a sua ordem. Virtude e terror eram faces da mesma moeda e o alvo era sempre a “liberdade”. Liberdade para viver debaixo da nova república, mas não para examinar a república nem questioná-la. Robespierre não promovia uma educação para a emancipação dos cidadãos, mas uma espécie de adestramento para a nova ordem instaurada por ele. O indivíduo era um corcel a ser domado. A República um circo de feras domadas. Qualquer semelhança com a doutrinação sugerida mais tarde por Gramsci não é mera coincidência.

 

A missão

A religião cristã coloca-se como a inimiga natural deste doutrinamento, porque ela tem uma tendência intrínseca para ligar o cristão com a realidade humana além dos limites da cultura criada pela revolução. Ela desmascara a falsa esperança produzida pelos revolucionários ao inspirar uma leitura diferente do que é a natureza caída humana e do que é o mundo. O cristianismo não embarca em utopias nebulosas e algodanolescas. O cristão sempre terá os pés no chão. E, sempre terá um desejo enorme de tocar o infinito.

E é aqui que me parece urgente levantar bem alto a necessidade de re-cristianizar o mundo em que vivemos. Simplesmente, porque é a melhor solução. Na verdade, a única.

Daí que seja sempre actual a “grande comissão”: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho – as Boas Novas. Daí que seja da mais elementar importância destacar que este “Evangelho” é o poder de Deus – a dinâmica, em grego – para salvar (leia-se transformar). Sem esse poder transformador do Evangelho, a sociedade fica mais doente. Definha e morre. Não é por acaso que na linguagem paulina, o cristão é considerado uma “nova criatura”. A sua metanoia existencial implica realmente um novo acto criativo de Deus. O novo nascimento é de Deus, afirma Cristo a um Nicodemos boquiaberto. Creio, resolvidamente, que o tempo de agir, não somente urge; mas ruge! Precisamos de verdadeiros rugidos de leão, para re-cristianizar um mundo paganizado. Para tal, importa conhecer os tempos e fazer uma leitura tranquila da nossa missão como cristãos. Fica o desafio!

 

Filipe Samuel Nunes, formado em Teologia pela European Missionary Fellowship, em Welwyn na Inglaterra, em regime de tutoria. Protestante praticante, vive no Brasil, onde ensina Inglês como segunda língua.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This