Guiné-Bissau

Reaberto centro de formação catequética para o mundo rural

| 20 Jun 21

Reabertura do Centro de Formação Catequética Beato Isidoro Bakanja. Foto: Direitos reservados, via Vatican News.

 

Depois de 17 anos encerrado, reabriu na Guiné-Bissau o Centro de Formação Catequética Beato Isidoro Bakanja, com uma cerimónia presidida por D. José Lampra Cá, administrador apostólico da diocese de Bissau.

Entre os presentes, na cerimónia do passado dia 15, e noticiada no sábado, 19, pelo Vatican News, o destaque ia para as seis famílias que vão participar na formação como catequistas, durante os próximos três anos.

O Centro surgiu em 1997, quando foi concebido e inaugurado pelo primeiro bispo da Guiné-Bissau, Settimio Arturo Ferrazzetta, já falecido. Encerrou em 2004, para uma avaliação do percurso realizado, depois de dois ciclos de formação.

Este espaço de formação catequética para o meio rural está situado perto de Mansoa, no norte da Guiné-Bissau, a cerca de 45 quilómetros da capital e serve as duas dioceses do país, Bissau e Bafatá. É dirigido pelo padre Marco Pifferi, do PIME – Pontifício Instituto para as Missões no Estrangeiro. O PIME e as irmãs do Imaculado Coração foram os impulsionadores desta reabertura.

 

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This