Reclusos portugueses sem visitas, assistência religiosa ou celebração de Natal – e há quem proteste fora das cadeias

| 23 Dez 20

A suspensão da assistência religiosa nas prisões divide opiniões entre responsáveis católicos do sector: há quem critique a medida que considera ilegal ou desajustada, mas o bispo responsável pelo sector compreende as razões de segurança. E a Igreja Universal não contesta a decisão, mas lamenta não poder chegar aos detidos…

Eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa, dia 6 de Março de 2020.

Eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa, dia 6 de Março de 2020, dias antes da declaração do estado de emergência em Portugal por causa da pandemia. Foto © Filipe Teixeira/Jornal Voz da Verdade

 

Não haverá, por estes dias, qualquer celebração natalícia religiosa nas prisões portuguesas. Além da suspensão de visitas de familiares, e mesmo que houvesse detidos interessados em assinalar o Natal, uma directiva da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) suspendeu, com o estado de emergência em vigor desde Novembro, a possibilidade de assistência religiosa nas prisões. E se há, entre responsáveis católicos, quem esteja de acordo ou compreenda as razões, também há, no entanto, quem conteste a oportunidade, legalidade e eficácia da medida.

No nome da direcção-geral, a reinserção “precede” o resto, lembrava, num dos seus artigos semanais no JN, o padre Fernando Calado Rodrigues, capelão do Estabelecimento Prisional de Bragança (EPB). “O sistema prisional deveria promover a regeneração do indivíduo e ter como objetivo último a sua reintegração na sociedade”; e o tempo de reclusão deveria ser “um tempo de regeneração”, acrescenta.

Nesse processo, a “assistência espiritual e religiosa, como tantas vezes testemunham os libertos, é fundamental para a sua regeneração e facilita a sua reintegração na sociedade”, escrevia o capelão do EPB. “Por isso, para bem dos reclusos e em ordem a uma sociedade mais saudável, ela não deveria ser negligenciada, nem suspensa, ainda que para a manter se reforçassem as medidas de segurança sanitária.”

Ao 7MARGENS, Fernando Calado justifica a sua posição: “Aquilo que me preocupa, em relação ao sistema prisional que temos, é que se faz um grande investimento no encarceramento e segurança dos presos, que não é acompanhado pela devida atenção à regeneração e reintegração.”

“O acompanhamento espiritual e religioso é um dos aspectos mais importantes para conseguir esse objectivo. Como assistente religioso, a minha presença é valorizada pelos reclusos e até pelos responsáveis do estabelecimento prisional que visito”, acrescenta o capelão do EPB, que por vezes sente que a assistência religiosa “não é devidamente valorizada pela Igreja e pelo Estado”. E explica: da parte de responsáveis católicos, sente “pouco empenhamento em defender os direitos, até constitucionais, dos reclusos”, enquanto do lado estatal sente que a presença dos assistentes espirituais “parece ser suportada mas não estimulada.”

 

Suspensão é ilegal, acusa capelão
Eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa, dia 6 de Março de 2020.

Eucaristia católica no Estabelecimento Prisional de Lisboa, dia 6 de Março de 2020. Foto © Filipe Teixeira/Jornal Voz da Verdade

 

Um bom exemplo disto mesmo, considera, “é a resignação com que se aceita o fechamento das cadeias à assistência religiosa”. Mesmo admitindo, como a DGRSP fez, que os detidos possam acrescentar o número de telefone do capelão à lista dos contactos a quem podem ligar, para poderem falar, se assim o desejarem.

A própria legalidade é posta em causa por Fernando Calado Rodrigues: na crónica anterior no mesmo jornal, recordava que quer a lei que regula o estado de emergência (Lei 44/86), quer a Lei de Liberdade Religiosa, de 2001, protegem a liberdade religiosa da mesma forma que a liberdade política.

Tendo em conta argumentos como estes, o 7MARGENS dirigiu à direcção-geral cinco perguntas, questionando sobre a legalidade e constitucionalidade da medida; a possibilidade ou não da celebração religiosa do Natal; sobre a importância da assistência espiritual para a estabilidade emocional para os próprios reclusos; os efeitos colaterais da suspensão de visitas em termos de solidão e saúde mental, tendo em conta que se podem tomar medidas de distanciamento físico; e sobre eventuais receios de insegurança e revolta nas cadeias.

Na sua resposta, a direcção-geral limitou-se a resumir o teor da directiva, assinada pelo seu responsável máximo, Rómulo Mateus, a 24 de Novembro – que entraria em vigor três dias depois –, alegando sempre as razões de segurança de combate à pandemia:

“A directiva 17 impõe diversas medidas restritivas no sentido de reforçar a protecção da comunidade reclusa e dos trabalhadores face ao aumento dos casos de covid-19 registados na sociedade portuguesa”, começa por responder fonte autorizada da DGRSP através do gabinete de imprensa do Ministério da Justiça.

“Entre as várias restrições está a suspensão, provisória, da entrada de professores, de formadores, de visitadores e de assistentes espirituais e religiosos nos estabelecimentos prisionais”, diz a direcção-geral ao 7MARGENS. “Na tentativa de atenuar esta limitação, a DGRSP, em articulação com a Pastoral Penitenciária, vai incluir o número de telefone dos assistentes espirituais no conjunto dos números de telefone a que os reclusos podem ligar, como forma de se poder manter os laços espirituais tão caros aos reclusos e que esta direcção-geral, mau grado a pandemia em curso, também quer preservar.”

 

“Louvar o comportamento pacífico dos reclusos”

Quadro alusivo à Última Ceia, pintado pelos detidos do Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Quadro alusivo à Última Ceia, pintado pelos detidos do Estabelecimento Prisional de Lisboa. 6 de Março de 2020. Foto © Filipe Teixeira/Jornal Voz da Verdade

 

“No conjunto das pessoas que todos os dias saem e entram das prisões, o assistente espiritual é um risco menor”, considera, em declarações ao 7MARGENS, Manuel de Almeida Santos, da Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos (OVAR), do Porto. Guardas e técnicos entram diariamente e estão muito mais tempo e mais próximo dos detidos, recorda. Com a decisão, “estamos a prejudicar a reinserção”, afirma.

Almeida Santos é muito “crítico” do actual regime de penas e prisão, bem como das limitações de visitas e assistência que têm vigorado nestes meses: “Se calhar, estamos a tomar medidas para prevenir males, causando males ainda piores. A ponderação das consequências não está a ser bem feita para evitar outros males.”

O presidente da OVAR diz que “foi excessiva a suspensão da assistência religiosa e das visitas, que são uma percentagem muito pequena” das pessoas que vão às prisões e ficam sempre longe dos detidos. “Esta é uma situação específica de restrição da liberdade e não uma situação geral de vida”, recorda.

Almeida Santos atesta que “vários capelães têm disponibilidade para continuar” a prestar assistência espiritual, “mesmo correndo riscos”. Qualquer missão tem riscos, acrescenta: “Cristo nunca se afastou dos leprosos e isso é uma grande lição evangélica.”

O responsável da OVAR diz que, nos contactos que tem tido, os reclusos se queixam das restrições de visitas e da falta de acesso a determinado tipo de bens, sobretudo alimentos. “Não estão contentes”, resume, “têm mais dificuldade em contactar formadores, médicos, as pessoas mais próximas e o ambiente mais fechado deixa-os num estado depressivo”.

Esta situação leva-o a “louvar o comportamento pacífico dos reclusos e o modo como têm suportado as restrições, sem grandes manifestações, ao contrário do que se tem passado noutros países”.

 

“Porque não podemos aplicar regras de segurança nas prisões?”

Viseiras contra covid-19. Jesuítas

Viseiras contra covid-19: “Porque não podemos aplicar as regras de segurança dos outros espaços”, pergunta o padre Matamá, do Porto. Foto Ponto SJ

 

O padre Davide Matamá, 45 anos, capelão nos estabelecimentos prisionais do Porto (Custóias), Feminino de Santa Cruz, e da PJ-Porto, também ficou desagradado com a decisão de suspensão: “A sociedade civil já se organizou com regras para respeitar a segurança. Porque não podemos aplicar também essas regras, nesses ambientes, mesmo fechados? Fica no ar a arbitrariedade de quem manda…”

Há mais de 1300 detidos nas três prisões (1000 em Custóias, 300 em Santa Cruz e 40 na PJ). O padre Davide pergunta, de forma retórica: “Há focos de contágio nas prisões? As pessoas devem resguardar-se. Mas onde não há, porque razão há proibições, sem mais? Isto tem a ver com sensibilidade e respeito pela pessoa. Estamos a pôr em causa a assistência religiosa e a ficar de mãos e pés atados para reivindicar a presença junto dos reclusos.”

Ressalvando que fala a partir da minoria com quem contacta – no caso do EPP/Custóias, cerca de 50 detidos costumam aparecer nas celebrações das eucaristias – Davide Matamá diz que a experiência da pandemia “é difícil para todos e também para os reclusos”, para os quais a “assistência espiritual é um bálsamo” de “humanização e espiritualidade”.

“Alguns guardas dizem que os detidos começam a ter uma atitude diferente” quando aparecem na missa. “Tenho essa sensação também”, afirma. A situação que vigorou desde Julho, quando se retomou a possibilidade de assistência, “estava bem”, defende. “Desde que não houvesse surtos, deveria continuar igual”, assegurando as cautelas necessárias – máscaras, distância física, limpeza…

Com cerca de 70 voluntários a colaborar na assistência espiritual das três prisões, o padre Davide também faz autocrítica do papel das capelanias católicas: “Por vezes, falta uma visão profética da nossa parte, para não nos limitarmos a ser funcionários do sistema.” E acrescenta: “A presença da Igreja tende a ser incómoda, porque fazemos a ponte entre a sociedade e a prisão e, quando há violações de direitos humanos, damos voz a essas queixas e chamamos a atenção.”

 

“Grau de agressividade tem aumentado”

José Alberto Lopes Costa, diácono e membro da equipa de assistentes espirituais da capelania católica do Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL) e da prisão de alta segurança de Monsanto, entende as dificuldades em concretizar agora a assistência religiosa: “Se há um surto num lar de idosos, as pessoas vão para outro sítio; numa cadeia não há um sítio para fugir. Vir mais gente de fora cria mais hipóteses de contágio”.

Por outro lado, o “grau de agressividade” dos detidos tem aumentado. “Havia uma relação entre a nossa presença e um acalmar de tensões”, de acordo com o que os técnicos diziam. Isso agora já não pode acontecer.

Para tentar remediar um pouco a situação, a direcção do EPL aceitou que, a partir de Janeiro, haja um dia por semana para que os detidos que o desejem possam inscrever-se para conversar com os assistentes espirituais na sala dos advogados. Quanto às celebrações das missas (eram duas por semana, o que significava que cada uma das nove alas de presos tinha missa uma vez por mês, praticamente), estão mesmo suspensas. Tal como as aulas e outras actividades. Nas missas, havia, em média, 20 a 25 detidos por cada ala.

Já em Monsanto, a assistência espiritual, mesmo sem pandemia, é reduzida à conversa pessoal, a pedido, e não há celebrações

 

“Não noto bloqueio”, diz bispo

Cerca de 1500 detidos vão receber um exemplar da nova edição dos Quatro Evangelhos e Salmos, editada pela Conferência Episcopal Portuguesa. Foto © Timóteo Cavaco.

 

O bispo auxiliar de Lisboa, Joaquim Mendes, que no âmbito da Comissão Episcopal de Pastoral Social tutela a Coordenação Nacional da Pastoral Penitenciária, da Igreja Católica, considera este processo “muito delicado: lamentamos estas medidas, tal como lamentámos as restrições da Páscoa ou em Fátima, mas compreende-se a situação para a própria defesa dos reclusos”.

Argumentando com o facto de os contágios terem chegado por pessoas que vão de fora, D. Joaquim diz que o director-geral “tem sido muito compreensivo”. Na directiva 6/GDG/2020, de Julho, Rómulo Mateus autorizava o reinício da assistência espiritual, começando por reconhecer a “importância que tem para muitos reclusos a assistência espiritual e religiosa, e os efeitos que o termo desta e doutras atividades teve na população reclusa”, recorda o bispo.

“Há um reconhecimento da importância da assistência espiritual e religiosa; o director-geral acha importante e valoriza esta presença nas cadeias e o contributo que este serviço dá, não noto que haja bloqueio”, diz o bispo, defendendo que as normas vão sendo estabelecidas à medida do avanço ou recuo da doença. E argumenta que a situação das prisões é diferente da dos hospitais, onde a assistência religiosa não tem deixado de funcionar, sempre com as regras de segurança previstas pelas administrações hospitalares.

Joaquim Mendes nota que, com a pandemia, muitos dos detidos se aproximaram da dimensão espiritual. Com a chegada do Natal, 1500 exemplares dos Quatro Evangelhos e Salmos, na nova edição da Conferência Episcopal Portuguesa, estão a ser distribuídos pelas prisões. Além de outras lembranças: peúgas, calçado, artigos de higiene, lembranças que os reclusos possam enviar aos filhos. E há ainda um “acompanhamento de forma indirecta: tenho escrito imensas cartas”, diz. E em Bragança, a Cáritas diocesana recolhe, até ao início de Janeiro, ofertas de meias ou sabão em barra para serem entregues aos detidos das cadeias de Bragança e Izeda.

 

Igreja Universal: “Não questionamos, mas lamentamos”

Já não estamos na situação de Março, acrescenta o bispo, quando o objectivo foi aliviar as cadeias da pressão: um total de 1928 reclusos foram libertados com perdão parcial de penas (1222), indulto (14) ou regime extraordinário de licença de saída administrativa de reclusos condenados (692).

Nem só de padres e de Igreja Católica se faz a assistência espiritual nas prisões em Portugal. Evangélicos, muçulmanos, protestantes e outros grupos religiosos também têm esse serviço. Quer o padre Davide Matamá quer José Alberto Lopes Costa dizem que, neste momento, a instituição com presença mais forte nas prisões em que trabalham, além da Igreja Católica, é a Igreja Universal do Reino de Deus.

O 7MARGENS quis saber como encara a IURD a suspensão da assistência religiosa, bem como quantos voluntários da Universal estão envolvidos neste serviço. Fonte oficial da instituição limitou-se a responder que a “Igreja não questiona a decisão” da direcção-geral. “Respeitamos todas as decisões dos nossos governantes, que levam sobre si a grande responsabilidade de dar respostas à população, quanto ao aumento de casos de pessoas infectadas. Mas lamentamos por não podermos dar assistência espiritual aos detentos, mesmo obedecendo a todas as medidas de segurança repassadas pela DGS.”

Continuar a ler...

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

O poder no feminino, nas histórias de seis portuguesas negras

O programa Poder no Feminino, que estreia às 19h30 deste domingo, 10 de Janeiro, na RTP África, dará voz a seis mulheres de ascendência africana, portuguesas ou que residem em Portugal, que fizeram o seu percurso profissional na academia, nos negócios, na política, no jornalismo, na psicologia, em Portugal e no mundo.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Papa Francisco e Bento XVI vacinados, e em breve toda a população do Vaticano

A primeira dose da vacina contra a covid-19 já foi administrada ao Papa Francisco e ao emérito Bento XVI, confirmou esta quarta-feira o porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. Depois de terem chegado ao Vaticano, no início desta semana, dez mil doses da vacina fabricada pela Pfizer, dentro de poucos dias todos os 4.730 residentes, trabalhadores e religiosos afetos ao pequeno estado estarão imunizados. O Vaticano será assim o primeiro estado do mundo a ter toda a sua população vacinada.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This