Reconciliação e fraternidade…

| 17 Mar 19

O Papa Francisco e Ahmad Al Tayyeb, Grande Imã de Al Azhar Al Sharif (dirª) assinam o “Documento sobre a Fraternidade Humana, a 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos). (Foto Eissa Al Hammadi/Ministry of Presidential Affairs/Vicariato Apostólico do Sul da Arábia)

 

Ao lermos a mensagem do Papa Francisco para esta Quaresma é a dignidade da pessoa humana que está em causa: «Se não estivermos voltados continuamente para a Páscoa, para o horizonte da Ressurreição, é claro que acaba por se impor a lógica do tudo e imediatamente, do possuir cada vez mais». Este é um apelo para todos, quando estamos tantas vezes dominados pela lógica mercantil e passageira, “pela ganância insaciável que considera o desejo um direito”. E o Papa lembra ainda: que «a criação – diz São Paulo – deseja de modo intensíssimo que se manifestem os filhos de Deus, isto é, que a vida daqueles que gozam da graça do mistério pascal de Jesus se cubra plenamente dos seus frutos, destinados a alcançar o seu completo amadurecimento na redenção do próprio corpo humano». E que é a Quaresma senão um apelo a que os cristãos encarnem «de forma mais intensa e concreta, o mistério pascal na sua vida pessoal, familiar e social, particularmente através do jejum, da oração e da esmola»? 

O encontro recente entre o Papa Francisco e o Grande Imã da Mesquita de Al Azhar, Ahmed Mohamed El-Tayeb, no Abu Dhabi, constituiu um momento da maior importância no âmbito do diálogo entre as religiões. Mais do que uma cerimónia formal, a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana, em 4 de fevereiro de 2019, permitiu a afirmação de uma cultura de paz baseada no respeito mútuo, na liberdade de consciência e na necessidade de uma compreensão baseada no conhecimento e na sabedoria. “A fé leva o crente a ver no outro um irmão que se deve apoiar e amar. Da fé em Deus, que criou o universo, as criaturas e todos os seres humanos – iguais pela sua Misericórdia -, o crente é chamado a expressar esta fraternidade humana, salvaguardando a criação e todo o universo, apoiando todas as pessoas, especialmente as mais necessitadas e pobres».

O Documento é «um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, (…) entre os crentes e os não-crentes, e entre todas as pessoas de boa vontade»; «um apelo a toda a consciência viva, que repudia a violência aberrante e o extremismo cego; um apelo a quem ama os valores da tolerância e da fraternidade, promovidos e encorajados pelas religiões»; mas também «um testemunho da grandeza da fé em Deus, que une os corações divididos e eleva a alma humana»; bem como «um símbolo do abraço entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul e entre todos aqueles que acreditam que Deus nos criou para nos conhecermos, cooperarmos entre nós e vivermos como irmãos que se amam». Pode dizer-se, assim, que se trata de uma tomada de posição única, que merece uma especial atenção por parte de todos, mulheres e homens de boa vontade. De facto, a paz entre as religiões é, desde sempre, e hoje especialmente, uma exigência da sabedoria humana. A partir do reconhecimento da existência da família humana, impõe-se salvaguardá-la, o que obriga a um diálogo diário e efetivo. No fundo, a identidade não é a autossuficiência, nem o fechamento sobre o que herdamos. O valor do que recebemos só poderá ser acrescentado se houver disponibilidade e liberdade de espírito. As identidades enriquecem-se, crescem e desenvolvem-se dando e recebendo. O isolamento gera a decadência e o desaparecimento. Mas não há diálogo entre as religiões, como entre as culturas, se não nos dispusermos a colocar-nos no lugar dos outros.

O insucesso do diálogo entre culturas deve-se à ignorância, ao desconhecimento e à indiferença. Nunca devemos esquecer o que Paul Claudel dizia sobre a palavra conhecimento, que só pode ser entendida se for partilhada – conhecer, “con-naître” é nascer com… Não devemos abdicar de quem somos para agradar ao outro, mas temos de ter a coragem de ir ao encontro do outro. O pleno reconhecimento do outro, a compreensão da sua liberdade, obriga-nos a tudo fazermos para que a sua autonomia e os seus direitos sejam respeitados, em toda a parte e por todos. Como afirmou o Papa Francisco: “sem liberdade não se é filho da família humana, mas escravo”. E o certo é que, entre as liberdades humanas, não podemos deixar de colocar em destaque a liberdade religiosa, não como mera liberdade de culto, mas como reconhecimento de que somos filhos de uma mesma humanidade, deixando-nos Deus a liberdade, que pressupõe que nenhuma instituição humana pode forçar, nem mesmo em nome da transcendência… Como afirma ainda o documento: «O pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos. Esta Sabedoria divina é a origem donde deriva o direito à liberdade de credo e à liberdade de ser diferente. Por isso, condena-se o facto de forçar as pessoas a aderir a uma determinada religião ou a uma certa cultura, bem como de impor um estilo de civilização que os outros não aceitam». Do mesmo modo, «a justiça baseada na misericórdia é o caminho a percorrer para se alcançar uma vida digna, a que tem direito todo o ser humano».

Artigos relacionados

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Peste Malina novidade

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Cultura e artes

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco