Reconciliação e fraternidade…

| 17 Mar 19 | Entre Margens, Últimas

O Papa Francisco e Ahmad Al Tayyeb, Grande Imã de Al Azhar Al Sharif (dirª) assinam o “Documento sobre a Fraternidade Humana, a 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos). (Foto Eissa Al Hammadi/Ministry of Presidential Affairs/Vicariato Apostólico do Sul da Arábia)

 

Ao lermos a mensagem do Papa Francisco para esta Quaresma é a dignidade da pessoa humana que está em causa: «Se não estivermos voltados continuamente para a Páscoa, para o horizonte da Ressurreição, é claro que acaba por se impor a lógica do tudo e imediatamente, do possuir cada vez mais». Este é um apelo para todos, quando estamos tantas vezes dominados pela lógica mercantil e passageira, “pela ganância insaciável que considera o desejo um direito”. E o Papa lembra ainda: que «a criação – diz São Paulo – deseja de modo intensíssimo que se manifestem os filhos de Deus, isto é, que a vida daqueles que gozam da graça do mistério pascal de Jesus se cubra plenamente dos seus frutos, destinados a alcançar o seu completo amadurecimento na redenção do próprio corpo humano». E que é a Quaresma senão um apelo a que os cristãos encarnem «de forma mais intensa e concreta, o mistério pascal na sua vida pessoal, familiar e social, particularmente através do jejum, da oração e da esmola»? 

O encontro recente entre o Papa Francisco e o Grande Imã da Mesquita de Al Azhar, Ahmed Mohamed El-Tayeb, no Abu Dhabi, constituiu um momento da maior importância no âmbito do diálogo entre as religiões. Mais do que uma cerimónia formal, a assinatura do Documento sobre a Fraternidade Humana, em 4 de fevereiro de 2019, permitiu a afirmação de uma cultura de paz baseada no respeito mútuo, na liberdade de consciência e na necessidade de uma compreensão baseada no conhecimento e na sabedoria. “A fé leva o crente a ver no outro um irmão que se deve apoiar e amar. Da fé em Deus, que criou o universo, as criaturas e todos os seres humanos – iguais pela sua Misericórdia -, o crente é chamado a expressar esta fraternidade humana, salvaguardando a criação e todo o universo, apoiando todas as pessoas, especialmente as mais necessitadas e pobres».

O Documento é «um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, (…) entre os crentes e os não-crentes, e entre todas as pessoas de boa vontade»; «um apelo a toda a consciência viva, que repudia a violência aberrante e o extremismo cego; um apelo a quem ama os valores da tolerância e da fraternidade, promovidos e encorajados pelas religiões»; mas também «um testemunho da grandeza da fé em Deus, que une os corações divididos e eleva a alma humana»; bem como «um símbolo do abraço entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul e entre todos aqueles que acreditam que Deus nos criou para nos conhecermos, cooperarmos entre nós e vivermos como irmãos que se amam». Pode dizer-se, assim, que se trata de uma tomada de posição única, que merece uma especial atenção por parte de todos, mulheres e homens de boa vontade. De facto, a paz entre as religiões é, desde sempre, e hoje especialmente, uma exigência da sabedoria humana. A partir do reconhecimento da existência da família humana, impõe-se salvaguardá-la, o que obriga a um diálogo diário e efetivo. No fundo, a identidade não é a autossuficiência, nem o fechamento sobre o que herdamos. O valor do que recebemos só poderá ser acrescentado se houver disponibilidade e liberdade de espírito. As identidades enriquecem-se, crescem e desenvolvem-se dando e recebendo. O isolamento gera a decadência e o desaparecimento. Mas não há diálogo entre as religiões, como entre as culturas, se não nos dispusermos a colocar-nos no lugar dos outros.

O insucesso do diálogo entre culturas deve-se à ignorância, ao desconhecimento e à indiferença. Nunca devemos esquecer o que Paul Claudel dizia sobre a palavra conhecimento, que só pode ser entendida se for partilhada – conhecer, “con-naître” é nascer com… Não devemos abdicar de quem somos para agradar ao outro, mas temos de ter a coragem de ir ao encontro do outro. O pleno reconhecimento do outro, a compreensão da sua liberdade, obriga-nos a tudo fazermos para que a sua autonomia e os seus direitos sejam respeitados, em toda a parte e por todos. Como afirmou o Papa Francisco: “sem liberdade não se é filho da família humana, mas escravo”. E o certo é que, entre as liberdades humanas, não podemos deixar de colocar em destaque a liberdade religiosa, não como mera liberdade de culto, mas como reconhecimento de que somos filhos de uma mesma humanidade, deixando-nos Deus a liberdade, que pressupõe que nenhuma instituição humana pode forçar, nem mesmo em nome da transcendência… Como afirma ainda o documento: «O pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos. Esta Sabedoria divina é a origem donde deriva o direito à liberdade de credo e à liberdade de ser diferente. Por isso, condena-se o facto de forçar as pessoas a aderir a uma determinada religião ou a uma certa cultura, bem como de impor um estilo de civilização que os outros não aceitam». Do mesmo modo, «a justiça baseada na misericórdia é o caminho a percorrer para se alcançar uma vida digna, a que tem direito todo o ser humano».

Artigos relacionados

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Teatro em Lisboa sobre a emergência climática

Uma peça de teatro sobre o “tema premente” das alterações climáticas será levada à cena neste sábado e domingo, 8 e 9 de Junho, pelo TUT – Teatro Académico da Universidade de Lisboa.

Missa de Pentecostes ou a festa da linguagem

No próximo domingo, 9 de Junho, dia de Pentecostes, a celebração da eucaristia (11h30) na Capela do Rato, em Lisboa, contará com os Sete Lágrimas a interpretar uma vez mais a minha Missa de Pentecostes (2011).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco