Reconhecimento

| 31 Ago 2022

cerimonia de graduacao universidade reconhecimento Foto © MD DuranUnsplash

“Acredito que o reconhecimento deveria ocupar um lugar mais cimeiro na pirâmide das emoções e dos sentimentos.” Foto © MD Duran/Unsplash.

 

No início do Verão, dei por mim sentado no palco de uma das grandes salas de espetáculos londrinas. Não, não se tratava de integrar uma qualquer performance artística. Felizmente para todos. Era “apenas” a cerimónia de graduação da universidade. O meu papel resumiu-se a estar sentado e aplaudir. Mais de duas horas. Mas foram muitas as emoções ao ver, um a um, centenas de jovens recém-graduados a celebrar o esforço de vários anos.

Cada um teve direito a ouvir o seu nome, a ser saudado pelo reitor e a receber o respetivo diploma. Com colegas e professores a testemunharem e partilharem desta alegria. E, em muitos casos, também com as famílias em pano de fundo. Muitas delas, viajando de outros países para se juntarem à celebração.

Valorizo, cada vez mais, estes rituais. Podem parecer apenas um mero folclore (e são muitas as cores) ou até uma estratégia de marketing. Podemos ser cínicos e considerar que o certificado não é mais do um papel, que poderá nem sequer dizer muito do que se aprendeu e, sobretudo, do que se é enquanto pessoa. Em todo o caso, estes momentos são um marco e são fundamentais para a autoestima.

Por outro lado, fiquei a pensar em tantos outros que terão ficado pelo caminho e não chegam a fechar o ciclo com o diploma que almejavam. E de como muitas pessoas raramente têm momentos de reconhecimento, e não apenas academicamente. Quantas pessoas não viverão os seus dias sem nunca terem sido aplaudidas, sem se sentirem valorizadas e apreciadas.

No filme Os Coristas, de que tanto gosto, sempre me fascinou uma das cenas finais. Passa-se no concerto público do recém-criado coro dos meninos do orfanato, com benfeitores da instituição a assistir. O solista, um rapaz problemático, como os demais, ultrapassa as suas inseguranças e consegue uma performance notável. Isso provoca um conjunto de emoções positivas nele próprio, como a alegria, o orgulho, experimentando uma nova sensação, até aí desconhecida para ele, que foi o reconhecimento.

Acredito que o reconhecimento deveria ocupar um lugar mais cimeiro na pirâmide das emoções e dos sentimentos. Os certificados, as medalhas, os prémios, etc, são objetos tangíveis, certamente específicos de determinados momentos e contextos. Mas a sensação de reconhecimento pode chegar de muitas outras formas mais ou menos subtis. Com um e-mail, uma nota de agradecimento, um presente, uma palavra que seja.

 

Luís Pereira, pai de dois filhos, reside em Inglaterra desde 2012, depois de ter concluído o doutoramento em educação para os media na Universidade do Minho. Desempenha funções na área da pedagogia e da educação digital.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores