Reconhecimento

| 31 Ago 2022

cerimonia de graduacao universidade reconhecimento Foto © MD DuranUnsplash

“Acredito que o reconhecimento deveria ocupar um lugar mais cimeiro na pirâmide das emoções e dos sentimentos.” Foto © MD Duran/Unsplash.

 

No início do Verão, dei por mim sentado no palco de uma das grandes salas de espetáculos londrinas. Não, não se tratava de integrar uma qualquer performance artística. Felizmente para todos. Era “apenas” a cerimónia de graduação da universidade. O meu papel resumiu-se a estar sentado e aplaudir. Mais de duas horas. Mas foram muitas as emoções ao ver, um a um, centenas de jovens recém-graduados a celebrar o esforço de vários anos.

Cada um teve direito a ouvir o seu nome, a ser saudado pelo reitor e a receber o respetivo diploma. Com colegas e professores a testemunharem e partilharem desta alegria. E, em muitos casos, também com as famílias em pano de fundo. Muitas delas, viajando de outros países para se juntarem à celebração.

Valorizo, cada vez mais, estes rituais. Podem parecer apenas um mero folclore (e são muitas as cores) ou até uma estratégia de marketing. Podemos ser cínicos e considerar que o certificado não é mais do um papel, que poderá nem sequer dizer muito do que se aprendeu e, sobretudo, do que se é enquanto pessoa. Em todo o caso, estes momentos são um marco e são fundamentais para a autoestima.

Por outro lado, fiquei a pensar em tantos outros que terão ficado pelo caminho e não chegam a fechar o ciclo com o diploma que almejavam. E de como muitas pessoas raramente têm momentos de reconhecimento, e não apenas academicamente. Quantas pessoas não viverão os seus dias sem nunca terem sido aplaudidas, sem se sentirem valorizadas e apreciadas.

No filme Os Coristas, de que tanto gosto, sempre me fascinou uma das cenas finais. Passa-se no concerto público do recém-criado coro dos meninos do orfanato, com benfeitores da instituição a assistir. O solista, um rapaz problemático, como os demais, ultrapassa as suas inseguranças e consegue uma performance notável. Isso provoca um conjunto de emoções positivas nele próprio, como a alegria, o orgulho, experimentando uma nova sensação, até aí desconhecida para ele, que foi o reconhecimento.

Acredito que o reconhecimento deveria ocupar um lugar mais cimeiro na pirâmide das emoções e dos sentimentos. Os certificados, as medalhas, os prémios, etc, são objetos tangíveis, certamente específicos de determinados momentos e contextos. Mas a sensação de reconhecimento pode chegar de muitas outras formas mais ou menos subtis. Com um e-mail, uma nota de agradecimento, um presente, uma palavra que seja.

 

Luís Pereira, pai de dois filhos, reside em Inglaterra desde 2012, depois de ter concluído o doutoramento em educação para os media na Universidade do Minho. Desempenha funções na área da pedagogia e da educação digital.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Desta vez, o Papa desiludiu?

Desta vez, o Papa desiludiu?

Francisco é o primeiro a admitir que as mulheres continuam hoje, em muitos locais e circunstâncias, a ser “diáconos”. Faz sentido que seja negada às mulheres a graça sacramental da ordenação, em vez de celebrado e apoiado esse magistério que tão bem podem exercer – e que a Igreja Católica tanto precisa que exerçam?

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This