Pré-publicação

“Reconstruir a catedral”, prefácio de José Tolentino Mendonça ao “Livro da Deslocação”

| 25 Jun 2022

Na próxima terça-feira 28, às 21h30, na Capela da Imaculada (Rua de S. Domingos, 94B) em Braga, o Livro da Deslocação, obra poética de Joaquim Félix de Carvalho, será apresentado por Manuel Pinto, professor universitário e membro da equipa editorial do 7MARGENS. O autor é vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga, professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa e autor de vários livros, entre os quais Triságia.
A sessão, de entrada livre, terá atuações musicais de André Bandeira e Olavo Barros. A capa reproduz uma foto de Alcino Gonçalves, a partir de uma obra de Rui Chafes numa exposição em Matera, sul de Itália. O livro tem prefácio do cardeal José Tolentino Mendonça, que se publica a seguir.

 

Imagem da capa do livro: Rui Chafes, L’oggi così lento e lo ieri così breve (2011), ferro. Exposição Entrate per la porta stretta, 2011, Matera (Itália). Foto © Alcino Gonçalves.

Para nos adentrarmos na admirável obra poética com que Joaquim Félix de Carvalho se estreia, meditemos na prática da esgrima. Esta pode ser descrita como a ativação de uma cadeia de deslocações que ocorrem num corpo em ordem ao encontro com outro corpo. O primeiro de todos os movimentos é a «Saudação». Os dois esgrimidores colocam-se frente a frente, dispondo os pés de forma a que os calcanhares se juntem e erguem então a lâmina, saudando o oponente. Só depois se sucedem os diversos lances em que os corpos dos lutadores se deslocam, ora protegendo, ora projetando. São eles, por exemplo, a «Guarda», o «Marchar e Romper», a «Estocada», a «Flecha» ou o «Destaque». Essas deslocações parecem minimais (pois implicam sobretudo gradações na flexão dos joelhos; sincronização de cotovelo e pulso; alongamentos e retrações; saltos e quedas…), mas delas depende que um corpo saia do combate ileso ou em ferida, vitorioso ou em irremediável perda.

De deslocações minimais se faz também este livro e a ideia de poesia que o autor persegue. Podemos dizer que ele opera na linguagem isso mesmo: gradações, sincronizações, alongamentos ou retrações, movimentos que se desenham na discrição. Ele diz: «Não apagues o livro. Não multipliques a luz/ das lâmpadas» (iii, lâmpada da leitura). Estamos obviamente longe de forçamentos ou de imposições ideológicas de sentido. A paisagem do mundo não se altera: descobre-se, sim, fluvial («A arquitetura é água», i, água silêncio); desloca-se, que é coisa diversa. No seu modo persiste aquela elegância que os escritores espirituais chamam de indiferença e desapego. E isso que é a sua grafia, vem também reclamado pela genealogia estética que Joaquim Félix de Carvalho nomeia. No texto de epígrafe, retirado de Entre o céu e a terra (2012), de Rui Chafes, são citados Pier Paolo Pasolini e Robert Bresson. O primeiro diz: «O sentido poético é o que nos permite agir sobre o mundo mediante uma deslocação, por vezes mínima de sentido ou de ponto de vista». E para o segundo «não é necessário nem possível procurar a poesia, ela penetra pelas juntas».

O que é que isto tem a ver com a esgrima? Os primeiros tratados sobre a esgrima (o manuscrito «Flos Duellatorum», de Fiore de’ Liberi, o «De dignoscendis hominibus», escrito pelo teólogo Pietro Monti ou o «Tratado do Engano» de Giacomo Di Grassi) descrevem-na não como um confronto agonístico ou um desporto violento, baseado na submissão, mas como uma aventura de conhecimento do que somos em solidão e companhia, do que interpretamos e trocamos uns com os outros. A esgrima é, segundo eles, uma pedagogia da vigilância e do encontro, um despertar dos sentidos em vista não tanto do combate quanto da hospitalidade, um exercício de escuta do outro, uma prática espiritual.

O facto de se praticar com máscara, aproxima, por exemplo, a esgrima do teatro antigo. No teatro a máscara funcionava como uma espécie de operador de deslocação: através dela o ator assumia-se como agente de uma identidade alterada, transformando a própria presença em re-presentação. Também na esgrima podemos dizer que a máscara protege e expõe. É porque possuem a máscara que os atletas estão equipados e se apresentam devidamente protegidos. Mas, ao mesmo tempo, é a colocação da máscara que marca a possibilidade do duelo, do avanço que os expõe aos golpes, a esse jogo que, vimos já, só na aparência é uma encenação da hostilidade. De facto, a esgrima e o poema coincidem na ordem: «Basta de sangue!» (viii, anfisbena, p.?). Não será essa a sua direção. Na esgrima e no poema, descobre-se uma circularidade incessante de sujeitos («Lento o meu corpo descerra no teu», vii, lento). Há um trânsito de sentidos, um questionamento («Habito o questionamento/da sua carne tão confiante», iv, verbo da floresta), um «pathos artesanal» (i, lâminas cerdeiras), uma deslocação a esclarecer. E, como afirma, Joaquim Félix de Carvalho, «Oh! Esclarecer. Sapiência» (viii, anfisbena). Esclarecer é, efetivamente, o programa desta refinadíssima ars poetica. Vejamos, porém, como é colocado em prática e com que fim.

Tomemos, a esse propósito, o poema intitulado ii, atmosfera orgã, pois possui uma exemplaridade, talvez útil ao leitor para aventurar-se ao conjunto da obra:

Da arca os abetos exalam essências
e as cerejeiras reabrem-se
pela vazia das estrelas liquidâmbares

Golpeai-vos naquele touché
ao reconhecimento do ataque manual
esgrima de ameixeira e ébano

O gládio do mundo-música atinge-vos
nas possibilidades tímbricas
das sonoridades consistentes

Oh! acendei os sentidos na atmosfera órgã
Oh! Ruah de pulmões. Immixtio. E sorvei o vento
Dos registos divididos

o alabastro quebrado
a beleza até ao carpo

A composição vem intitulada «atmosfera órgã». A intitulação abre-nos ao elemento cosmológico e também a um certo entendimento do cosmos, pois a atmosfera é dita «órgã», um neologismo que a descreve como instrumento musical («órgã» seria, neste caso, o feminino de órgão). No bíblico Livro dos Salmos essa compreensão é, afinal, muito comum. Pensemos no Salmo 148: «Louvem o Senhor sol e lua, louvem-no todas as estrelas cintilantes./Louvem-no os mais altos céus e as águas acima do firmamento…/Louvem o Senhor relâmpagos e granizo, neve e neblina,/ vendavais que cumprem o que ele determina». O cosmos é uma caixa acústica do louvor. Ou, como se anuncia mais adiante no poema, o «mundo-música» atinge-nos, atinge antes de tudo o leitor revelando-lhe «possibilidades tímbricas» e «sonoridades» onde antes víamos apenas o mundo. Mas para que a mudança aconteça temos que nos deixar ferir: «Golpeai-vos naquele touché/ao reconhecimento». Somos assim introduzidos na importância da esgrima que, podemos dizer, é aqui um outro modo de pensar a poesia. Felizes os que se deixam ferir. A ferida é a condição de uma perceção transformada. É ela que nos conduz por um itinerário mistagógico em três etapas. Primeiro: «acendei os sentidos». Trata-se praticamente da citação do verso «accende lumen sensibus» que integra o antiquíssimo hino «Veni Creator Spiritus», cantado nas celebrações do Pentecostes. É um convite a abrir amplamente os sentidos físicos e espirituais. Depois: «immixtio», um termo típico da ritualidade eucarística. A dado momento, antes da comunhão, o sacerdote parte a hóstia e deposita no cálice uma minúscula parte: é a «immixtio», literalmente, o misturar com outra coisa. A terceira etapa está contida no verbo «sorver». Que coisa sorvemos? O vento que é «Ruah», espírito. Mas espírito de quem? E a resposta da poética de Joaquim Félix de Carvalho é inequivocamente cristológica: «o alabastro quebrado/a beleza até ao carpo». Duas referências claras à paixão e à ressurreição: a cena da unção de Jesus por uma mulher anónima, que rompe sobre a sua cabeça um alabastro de perfume (Mc 14:3-9); e o desafio que o ressuscitado faz na aparição aos discípulos que tinham medo de O reconhecer: «vejam as minhas mãos» (Lc 24:39). Se pensarmos que o lugar mais plausível das mãos para pregar os pregos foi o carpo, percebemos o significado do verso conclusivo.

É um volume de mística este? Um ensaio sobre o combate espiritual? É. Mas isso não faz menos dele um magnífico poemário. O subtítulo da obra apresenta com naturalidade essa ambição: «da ruína farei uma betel». O hebraico bet-El significa casa de Deus. Ora, fazer da ruína uma casa de Deus não é tarefa exclusiva dos místicos e dos teólogos. É, sim, a tarefa que os artistas devem assumir. Isso mesmo afirma Rui Chafes numa das epígrafes: «Para mim, a questão que se continua a colocar é saber como vamos reconstruir a catedral». Joaquim Félix de Carvalho não poderia estar mais de acordo.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This