“Como se amanhecesse”

Recordar o centenário do nascimento, quando Eugénio foi senha da revolução de Tiananmen

| 20 Jan 2023

eugenio de andrade Foto © Centenário Eugénio de Andrade

“Ele sentia que ‘a intolerância, a violência, a bestialidade entravam-nos pela casa a qualquer momento do dia, particularmente à hora do jantar'”. Foto © Centenário Eugénio de Andrade.

 

Para os antigos a realidade verdadeira (ou o que nós pensamos ser verdadeira) não ostentava nenhum particular privilégio em relação à realidade inventada (ou o que nós pensamos ser inventada). O facto de uma coisa ter acontecido não dava nenhuma vantagem a respeito de uma que não tinha acontecido, mas que deveria ter acontecido, segundo a lógica do bom senso e da oportunidade.

Tudo isto para dizer que para os gregos e os romanos, fundamentalmente, a verdade tem a ver com a utilidade, a finalidade e, em última instância, com a beleza. O que é mais útil ou mais apto para um determinado objetivo, ou simplesmente mais belo, mais elegante, mais divertido, mais trágico, mais cómico, mais justo, é mais verdadeiro.

Por isso é que as biografias antigas dos heróis, dos poetas, dos filósofos, dos reis ou imperadores e dos atletas eram uma espécie de categoria interpretativa do real. Se uma coisa não fizesse muito sentido, mudava-se a coisa, de um modo ou de outro. Se uma morte não correspondesse à vida gloriosa que o herói viveu (ou à ideia que se tinha dessa vida), adaptava-se, corrigindo com a palavra o erro que a natureza ou o fado cometeu.

Tudo isto para vos contar uma história que não saberia como caracterizar, se de realidade verdadeira ou inventada, mas de todas as maneiras real. Éramos duas testemunhas, confirmados pela absoluta certeza que conferem os afetos. O amor é o melhor viaduto da verdade (“se acreditais em mim, acreditai no que vos digo”). E nós amávamos o Eugénio de Andrade.

Provavelmente são muito poucos, ou quase ninguém, os que sabem desta história. Nunca a vi escrita, nem mencionada nas inúmeras notícias ou biografias do Eugénio, nem muito menos nas crónicas sobre o que aconteceu em Tiananmen, há muitos anos. Tão pouco dá conta disso o seu tradutor em chinês, Yao Jingming, que conheceu o poeta em 1988. É disso que pretendo dar testemunho, ad perpetuam rei memoriam, no dia em que o Eugénio de Andrade celebraria cem anos de vida.

Estávamos em 2002 e o Eugénio de Andrade favorecera-me, imerecidamente, com um matinal prefácio ao livro O Vento da Noite (Assírio e Alvim, 2002). E já aí ele sentia que “a intolerância, a violência, a bestialidade entravam-nos pela casa a qualquer momento do dia, particularmente à hora do jantar, pelos canais de televisão, metendo-nos no prato bocados de corpos explodidos pelas minas, e que, insensíveis já, íamos comendo juntamente com o bife e as batatas fritas”.

Foi ao relembrar esses dias de terror, instaurados com os atentados de 11 de setembro de 2001, que o Eugénio de Andrade nos contou o seu encontro com um poeta chinês dissidente que escapara ao massacre da Praça de Tiananmen no dia 4 de Junho de 1989.

Encontraram-se por acaso (mas seria o acaso?) em Santiago de Compostela, onde se deslocaram ambos para um daqueles eventos literários com direito a prémio e tudo e que tanto faziam exasperar o Eugénio. O frio parecia varrer a terra, vindo de mais longe ou de mais fundo. O próprio coração da vida dilacerava-se com o vento gelado, “como finas agulhas de aço”. Aqueles eram os tempos da “descida ao inferno” de que o Eugénio escrevera no prefácio: “um vazio total onde assistíamos à apoteose do nada”.

Encontraram-se por acaso, dizia, no hall do hotel dos Reis Católicos, mesmo no centro da cidade do apóstolo. E o poeta chinês (hei-de recuperar o seu nome, prometo!), de estatura chinesa, olhar submisso, muito chinês, em atitude quase natural de veneração da velhice, delicadíssimo, ajoelha-se a seus pés e beija-lhe as mãos.

“Naturalmente, ajudei-o a levantar-se e abracei-o”, disse-nos o Eugénio, ainda sem conhecer o verdadeiro motivo de tão grande devoção.

Foi ali que o jovem chinês lhe revelou, com o coração aflito, que naqueles dias vermelhos e negros dos protestos de Tiananmen, entre as palavras de ordem secretas que os jovens estudantes dissidentes passavam de mão em mão, corriam os versos de Eugénio de Andrade! Os versos de Eugénio de Andrade funcionavam como password da revolução sonhada por aqueles jovens estudantes, na longínqua China.

Para o Eugénio, “foi como se amanhecesse!”

 

Roma, 19 de Janeiro de 2023

 

Mário Rui de Oliveira é padre, autor de O Livro da Consolação, e trabalha em Roma.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This