Cidade de Jerusalém

Rei jordano elogiado por defender direitos dos cristãos

| 1 Out 2022

A Abadia da Dormição, na Cidade Velha de Jerusalém. Foto © Eldadc1, CC BY-SA 3.0 , via Wikimedia Commons.

A Abadia da Dormição, na Cidade Velha de Jerusalém. Foto © Eldadc1, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

Os patriarcas e líderes das igrejas cristãs em Jerusalém elogiaram o rei Abdullah II da Jordânia por chamar a atenção para o que eles dizem ser “a deterioração da situação dos direitos humanos básicos” dos cristãos na cidade e em toda a chamada Terra Santa, revelou a agência católica asiática UCA News.

“Hoje, o cristianismo na Cidade Santa está sob fogo. Os direitos das igrejas em Jerusalém estão ameaçados. Isso não pode continuar. O cristianismo é vital para o passado e o presente. da nossa região e da Terra Santa. Deve continuar a ser parte integrante do nosso futuro”, afirmou o rei jordano, no seu discurso na Assembleia Geral da ONU em 20 de setembro.

Esta afirmação recebeu o aplauso dos líderes cristãos de Jerusalém, num comunicado publicado a 27 de setembro. Para os patriarcas e chefes das igrejas em Jerusalém — ortodoxos, ortodoxos orientais, católicos, anglicanos e protestantes — a descrição feita pelo rei é “verdadeira e honesta da realidade cristã na Terra Santa, especialmente em Jerusalém”, motivando o seu agradecimento.

“Também aplaudimos o compromisso público de Sua Majestade de proteger o status quo histórico e legal das nossas comunidades, preservando assim nossa segurança e futuro”, disseram os líderes religiosos. “Os esforços de sua majestade para tocar os sinos de alerta sobre a deterioração da situação dos direitos humanos básicos cristãos envia uma forte mensagem ao mundo sobre os perigos claros e presentes que cercam a herança e a presença cristã em Jerusalém e no resto da Terra Santa”, apontaram, citados pela agência.

Segundo a mesma fonte, Abdullah tinha defendido nas Nações Unidas que “a cidade é sagrada para milhões de muçulmanos, cristãos e judeus em todo o mundo”. Para o rei, qualquer política ou desenvolvimento que prejudique o “status quo legal e histórico de Jerusalém desencadeia tensões globais e aprofunda divisões religiosas. A Cidade Santa não deve ser um lugar para ódio e divisão”.

O rei Abdullah, que continua a reivindicar o título tradicional de guardião dos locais sagrados muçulmanos e cristãos de Jerusalém, há muito que se queixa de que Israel está a violar os acordos vigentes ao permitir colonatos judeus em bairros tradicionalmente cristãos e muçulmanos e, mais recentemente, ao não aplicar o acordo de uma lei de 1967 que permite aos judeus visitar o complexo ao redor da mesquita de Al-Aqsa, mas sem rezarem no local. Os judeus referem-se à área como o Monte do Templo, o local dos antigos templos judaicos.

 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This