Reino Unido: Líderes católicos condenam cortes na ajuda ao desenvolvimento

| 28 Nov 20

Uma criança apoiada pela Cáritas Venezuela: os bispos britânicos dizem que os países mais ricos devem ajudar os mais pobres, ainda mais em tempo de pandemia. Foto: Cáritas.

 

A hierarquia da Igreja Católica britânica condenou veementemente a decisão anunciada esta semana pelo ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, de reduzir a ajuda ao desenvolvimento em 2021 para 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) contra os habituais 0,7%, o que significa um valor de cerca de 10 mil milhões de libras (cerca de 11 mil milhões de euros), contra os 15 mil milhões de libras de anos anteriores.

O Partido Conservador havia prometido manter os 0,7% para financiar projetos de ajuda ao desenvolvimento em todo o mundo, mas justifica agora o corte com a “crise sem precedentes”.

Para o cardeal Vincent Nichols, presidente da Conferência Episcopal (católica) de Inglaterra e Gales, este é “um passo retrógrado”. “Nestes tempos extraordinariamente difíceis, não deveríamos voltar atrás com as nossas responsabilidades para com as pessoas mais vulneráveis do mundo, especialmente quando combater a disseminação da covid-19 significa necessariamente que os países mais ricos apoiem os mais pobres”, sublinhou. Ler mais aqui (em inglês).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This