Reino Unido

Relatório denuncia “falhas chocantes” das instituições religiosas na prevenção dos abusos sexuais

| 4 Set 21

crianca abuso infantil foto soupstock

Frequentemente, as instituições religiosas dão prioridade à reputação da organização sobre as necessidades das vítimas de abuso sexual. Foto: Soupstock.

 

A generalidade das instituições religiosas em Inglaterra e no País de Gales revela “falhas chocantes” e “hipocrisia” na forma como lida com os casos de abusos sexuais de menores. “O seu propósito é ensinar o bem, e no entanto falham em proteger as crianças”, denuncia um estudo realizado ao longo do último ano pelo Independent Inquiry into Child Sexual Abuse (IICSA), publicado esta quinta-feira, 2 de setembro.

A investigação analisou as práticas de proteção de menores em 38 organizações religiosas, associadas ao Judaísmo, Hinduísmo, Budismo, Islão, Testemunhas de Jeová, Batistas, Metodistas, e outras denominações cristãs não conformistas, tendo concluído que muito poucas apresentam políticas de proteção de menores implementadas.

“As barreiras organizacionais e culturais à denúncia de abuso sexual infantil em organizações e ambientes religiosos são numerosas, variadas e difíceis de superar”, mostra o estudo. Entre elas, incluem-se “culpar as vítimas, ausência de discussão sobre sexo e sexualidade e desencorajar relatos externos, dando prioridade à reputação da organização sobre as necessidades das vítimas de abuso sexual”.

O relatório termina com duas recomendações: “que todas as organizações religiosas tenham uma política de proteção da criança e procedimentos de apoio”, e que o governo legisle no sentido de que estas instituições passem a ser obrigadas a implementar essas políticas e sujeitas a inspeção.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

O Sínodo dos Bispos não é o sínodo da Igreja

O Sínodo dos Bispos não é o sínodo da Igreja novidade

Está a Igreja Católica Romana a caminhar para mais um Sínodo dos Bispos, a acontecer em 2023, e para isso toda uma máquina funciona no sentido da obtenção de mais diretivas ao serviço do Evangelho. Vamos lá lembrar o que está a acontecer: já não é a primeira vez que se realiza um Sínodo dos Bispos para refletir sobre algumas questões colocadas, sem que, no entanto, se sintam alterações substantivas ao funcionamento da Igreja, dando vitalidade ao seu caminhar.

Fale connosco

Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This