Reino Unido

Relatório denuncia “falhas chocantes” das instituições religiosas na prevenção dos abusos sexuais

| 4 Set 2021

crianca abuso infantil foto soupstock

Frequentemente, as instituições religiosas dão prioridade à reputação da organização sobre as necessidades das vítimas de abuso sexual. Foto: Soupstock.

 

A generalidade das instituições religiosas em Inglaterra e no País de Gales revela “falhas chocantes” e “hipocrisia” na forma como lida com os casos de abusos sexuais de menores. “O seu propósito é ensinar o bem, e no entanto falham em proteger as crianças”, denuncia um estudo realizado ao longo do último ano pelo Independent Inquiry into Child Sexual Abuse (IICSA), publicado esta quinta-feira, 2 de setembro.

A investigação analisou as práticas de proteção de menores em 38 organizações religiosas, associadas ao Judaísmo, Hinduísmo, Budismo, Islão, Testemunhas de Jeová, Batistas, Metodistas, e outras denominações cristãs não conformistas, tendo concluído que muito poucas apresentam políticas de proteção de menores implementadas.

“As barreiras organizacionais e culturais à denúncia de abuso sexual infantil em organizações e ambientes religiosos são numerosas, variadas e difíceis de superar”, mostra o estudo. Entre elas, incluem-se “culpar as vítimas, ausência de discussão sobre sexo e sexualidade e desencorajar relatos externos, dando prioridade à reputação da organização sobre as necessidades das vítimas de abuso sexual”.

O relatório termina com duas recomendações: “que todas as organizações religiosas tenham uma política de proteção da criança e procedimentos de apoio”, e que o governo legisle no sentido de que estas instituições passem a ser obrigadas a implementar essas políticas e sujeitas a inspeção.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This