Desafio e responsabilidade comuns

Relatório sobre abusos “também nos implica e afeta”, diz bispo da Igreja Lusitana

| 24 Fev 2023

bispo jorge pina cabral, foto osae

O bispo Jorge Pina Cabral considera que o relatório da Comissão Independente representa um desafio e um compromisso para todos “enquanto cidadãos e cristãos”. Foto © OSAE.

 

O relatório sobre os abusos sexuais de menores na Igreja Católica “naturalmente que implica também e diz respeito às outras Igrejas cristãs”, defende o bispo da Igreja Lusitana (Comunhão Anglicana), Jorge Pina Cabral. Na sua homilia de Quarta-feira de Cinzas, o presidente do Conselho Português de Igrejas Cristãs (COPIC) fez questão de lembrar que a Igreja é “una” e que “este mesmo drama dos abusos sexuais a crianças e adultos vulneráveis existiu e existe na Comunhão Anglicana”.

“Não somos mais nem menos pecadores do que os irmãos e irmãs de outras Igrejas. Não há Igrejas melhores do que as outras”, sublinhou na sua alocução. “É esta comunhão em Cristo enquanto povo de batizados que nos leva a acolher este relatório não como algo estranho à nossa Igreja, mas enquanto realidade que também nos implica enquanto Instituição eclesial”, afirmou Jorge Pina Cabral.

Para o bispo da Igreja Lusitana, o relatório da Comissão Independente criada pela Conferência Episcopal Portuguesa representa um desafio e um compromisso para todos “enquanto cidadãos e cristãos, dado que o problema da pedofilia e dos abusos sexuais é transversal à sociedade que somos e ocorre na família, na escola, no trabalho, no desporto e em muitas outras áreas da nossa vivência social”.

Além disso, assinalou, “trabalhar pela unidade dos cristãos” exige implicar-se nas realidades dos outros irmãos, “por muito exigentes e desafiantes que as mesmas se nos apresentem”.

“Necessitamos juntos de corrigir os nossos erros, de purificar as nossas intenções, de reconhecer o mal, de nos arrependermos e de chorarmos”, defendeu o presidente do COPIC, que considera que a quaresma “é o tempo propício a que tal aconteça”. Trata-se, pois, de “reconhecer não só os erros e pecados individuais e particulares, mas também os erros e pecados coletivos que ganham força e expressão quando sustentamos sistemas morais, religiosos, económicos e políticos assentes em valores e práticas que colocam em causa a dignidade de cada um e de todos enquanto família humana”.

Face ao contexto em que vivemos, esta quaresma “será sem dúvida uma quaresma sofrida e pesada”, afirmou o bispo. Uma quaresma “marcada pelo sofrimento que se expressa nos gemidos destes inocentes que corajosamente souberam dar ‘Voz ao silêncio'”, mas também “nos gemidos das vítimas da guerra na Ucrânia e de muitas outras guerras que assolam o mundo, no gemido da Criação de Deus que continua a sofrer uma exploração desenfreada provocada pela ganância humana e nos gemidos das vítimas dos desastres naturais na Síria e na Turquia”.

E terminou, deixando dois pedidos: “Nesta quaresma saibamos também ‘Dar voz ao silêncio’ ou se quisermos aos silêncios que carregamos e ainda nos impedem de ser quem somos. Saibamos também ‘Dar voz ao silêncio’ dos outros acolhendo os seus dramas e ouvindo as suas histórias”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados novidade

Estou na Calábria com vista para a Sicília e o vulcão Stromboli ao fundo. Reunião de Coordenadores das Redes Internacionais do Graal. Com uma amiga mexicana coordeno a Rede de Migrantes e Refugiados que abrange nada mais nada menos que 10 países, dos Estados Unidos, Canadá e México às Filipinas, passando por África e o sul da Europa. Escolhemos reunir numa propriedade de agroturismo ecológico (Pirapora), nas escarpas do mar Jónio, da antiga colonização grega. Na Antiguidade, o Mar Jónico foi uma importante via de comércio marítimo, principalmente entre a Grécia e o Sul da Itália.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This