Religiões e mulheres

Apresentação na Feira do Livro de Lisboa nesta quinta, 9

A médica e mística cuja obra influenciou um dos maiores teólogos do século XX

Foi uma das primeiras mulheres suíças a ser médica; nasceu protestante mas aos 38 anos tornou-se católica; pensou duas vezes no suicídio e acabou a ser considerada mística; escolheu como director espiritual o teólogo Hans Urs von Balthasar, considerado um dos maiores teólogos do século XX, mas este escreveu que a obra dela era “bastante mais importante do que” a sua própria.

Com bispo como vice-presidente

Mulher leiga preside à comissão organizadora do Sínodo da Igreja da Irlanda

Os bispos católicos da Irlanda nomearam uma mulher leiga para dirigir a realização do sínodo nacional da Igreja daquele país, que decorrerá até 2026. A escolha da conferência episcopal recaiu sobre Nicola Brady, atualmente com responsabilidades em vários domínios, sendo secretária-geral do Conselho das Igrejas da Irlanda e co-secretária do Encontro Inter-Igrejas Irlandês, além de diretora de duas instituições ligadas ao trabalho de reconciliação  de comunidades que passaram por experiência de guerras.

Mais de um ano após ter sido criada

Comissão para o estudo do diaconado feminino reúne pela primeira vez

A nova comissão para o estudo do diaconado feminino na Igreja Católica, cuja criação foi anunciada pelo Papa Francisco em abril de 2020, irá reunir-se pela primeira vez no próximo mês de setembro. A notícia deste encontro, que acontece nas vésperas do arranque de um processo sinodal em que se refletirá sobre diferentes aspetos da Igreja (entre eles, seguramente o papel das mulheres), foi avançada esta segunda-feira, 23, pelo jornal The Tablet.

Uma teóloga leiga no Sínodo

“Estamos a arriscar o futuro da Igreja e a sua credibilidade no curto prazo”

Cristina Inogés-Sanz, teóloga leiga que foi nomeada pelo Vaticano para a Comissão Metodológica do Sínodo dos Bispos, defende que a Igreja vive um “momento histórico forte”, em que arrisca o seu futuro e credibilidade. “Ir apertando a corda é uma situação em que as mulheres têm uma certa prática, principalmente as teólogas da Igreja, porque em princípio, ou melhor, por princípio, não somos ouvidas e quando somos, somos questionadas.”

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

Federação Mundial

Luteranos elegem pela primeira vez uma mulher como secretária-geral

Pela primeira vez a estrutura mundial dos Luteranos terá como secretária-geral uma mulher, Anne Burghardt, 45 anos, teóloga estoniana. Ultimamente, Burghard tem desempenhado as funções de diretora para o desenvolvimento no Instituto de Teologia da Igreja Evangélica Luterana da Estónia e de consultora para as relações internacionais e ecuménicas daquela Igreja. Além disso, foi coordenadora para as celebrações do 500º aniversário da Reforma e tem integrado o conselho da Conferência das Igrejas Europeias.

Nova presidente da Igreja Evangélica Alemã tem 25 anos

    Tem apenas 25 anos a nova presidente do Sínodo da Igreja Evangélica da Alemanha, que acaba de ser eleita por este órgão. Na história da Igreja Evangélica, é a pessoa mais jovem a ocupar o cargo. A nova presidente, Anna-Nicole Heinrich, é investigadora de...

“Alguma coisa de tão forte dentro de nós”: Maria Natália Duarte Silva Teotónio Pereira (1930-1971)

Inspirou-se num excerto da Carta aos Romanos para propor uma comissão de apoio aos presos políticos. Desejava que a sua vida fosse uma aventura e envolveu-se em dezenas de iniciativas de oposição à ditadura. Natália Duarte Silva morreu prematuramente há 50 anos, que se completam neste dia 23, antes de ver chegar a liberdade e a democracia pelas quais lutava. À filha Luísa, que aqui a evoca, escreveu que antes de passar qualquer coisa ao papel, é preciso senti-la fortemente dentro de nós.

Judeus e muçulmanos na JMJ, e mais mulheres a participar na Igreja

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou nesta quinta-feira, 15, que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a realizar em Lisboa, em 2023, deve estar aberta a todos os jovens, independentemente da religião. Citando o exemplo de judeus e muçulmanos, acrescentou que a JMJ é uma uma organização da Igreja Católica por iniciativa do Papa, para todos os jovens.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto (II)

Sabemos hoje que, para além das mais conhecidas ammas do deserto – Sinclética, Theodora, Sarah, Matrona, aquelas que deixaram escritos – houve pelo menos 50 ammas dispersas pelo Egito, Terra Santa, Capadócia mas, também, em França e na Irlanda. Como é possível terem sido ignoradas ao longo de tantos séculos?

“Viver com um encantamento” – um testamento espiritual de Xexão Moita

No final das exéquias de Maria da Conceição Moita, conhecida entre familiares, amigos e vários círculos por Xexão, celebradas na manhã deste dia 2 de Abril, Sexta-feira Santa no calendário cristão, a família quis partilhar o texto que ela deixara. Uma espécie de testamento espiritual, que o 7MARGENS aqui reproduz com autorização da família.

Maria da Conceição Moita (1937-2021): libertadora da nossa liberdade

Quando estava a ser torturada pela polícia política do Estado Novo, Conceição Moita reagiu: “Podem fazer o que quiserem que continuarei a lutar. Nem que tenha 80 anos quando sair daqui, vou continuar a lutar. E vocês hão-de cair!” Saiu de lá pouco depois, viveu até quase completar 84 anos, sempre a lutar. Pela liberdade, pela justiça, pela dignidade e pela paz.

Santa Sé na ONU: Urge combater “pena da maternidade” para as mulheres

“A sociedade deve combater a ‘pena da maternidade’ que inibe as mães de continuar os seus estudos ou que lhes cria desvantagens no trabalho em relação aos colegas do sexo masculino.” A posição foi tomada esta semana por Francesca di Giovanni, subsecretária para o Setor Multilateral da Secção de Relações com os Estados, da Santa Sé, ao intervir na 65ª sessão da Comissão sobre a Situação da Mulher, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

O sonho que Maria Lía quis partilhar com o Papa Francisco (Documento)

“Sonho com uma Igreja com mulheres capazes de serem juízas em todos os tribunais onde se julgam as questões matrimoniais, nas equipas de formação de cada seminário, mulheres que exerçam ministérios (…). E sonho que durante o seu pontificado inaugure, ao lado dos sínodos dos bispos, um sínodo diferente: o sínodo do povo de Deus, com uma representação proporcional do clero, consagrados e consagradas, e leigos.”

Francisco nomeia mais uma mulher para cargo de relevo no Vaticano

O Papa Francisco nomeou esta semana mais uma mulher para um cargo de relevo no Vaticano. Desta vez, foi a irmã Nuria Calduch-Benages, das Missionárias da Sagrada Família de Nazaré e professora na Universidade Gregoriana de Roma, que foi nomeada secretária de um importante organismo, a Pontifícia Comissão Bíblica. A nova secretária é catalã, tem 64 anos, doutorou-se em Sagrada Escritura e participou na Comissão de Estudo sobre o Diaconado da Mulher (2016-2019).

Liderança das mulheres cristãs ainda não é valorizada, sublinha Conselho Mundial de Igrejas

“A liderança das mulheres em algumas igrejas na África não é valorizada. A falta de representação feminina adequada e de líderes femininas altamente qualificadas foi considerada um dado adquirido”, mas “as igrejas ainda funcionam como se estivessem no primeiro século”. A afirmação é da reverenda Lydia Mwaniki, diretora do departamento de Género, Mulher e Juventude da Conferência de Igrejas de Toda a África, numa sessão que, na passada segunda-feira, 8, assinalou o Dia Internacional da Mulher.

Palmirinha – Bolbos, socas e Deus

A Ir. Maria Domingos deixou-nos nesta segunda-feira, 15, ao meio dia, na hora que marca a passagem da manhã para a tarde, como se o dia se pudesse dividir em dois. Impossível. O Sol vai-se levantando e depois tombando, devagarinho, até se deitar. Mas o zénite, implacável, revelou-se. Parou ao meio dia, para a Domingos se despedir.

Que Igreja (também) para as mulheres?

Foi notícia em todo o mundo: o Papa permite às mulheres os ministérios laicais do leitorado e acolitado. Os mais otimistas, como eu, viram aí um caminho aberto para uma compreensão mais ampla da natureza destes e de outros ministérios; os mais pessimistas, também como eu, percebem que, apesar da grandeza e justeza da revisão legal, nada mudará verdadeiramente.

Maria Domingos, OP (1936-2021), alma do mosteiro do Lumiar

A irmã Maria Domingos, monja dominicana, uma das fundadoras, em 1982, do Mosteiro de Santa Maria (Lumiar, Lisboa), morreu nesta segunda-feira, 15 de Fevereiro, em Leiria, na sequência de uma infecção por covid. Uma eucaristia de exéquias será celebrada nesta terça, 16, às 19h, podendo ser acompanhada no canal YouTube de frei Filipe Rodrigues.

Ir. Maria Domingos: Em memória de um mosteiro livre

“Onde Moras? É uma pergunta um pouco ociosa... Queriam ir mais longe e aquilo que descobriram foi o suficiente para André dizer a Pedro (...) que tinha encontrado o Messias.” (Frei Mateus Peres a preparar a sua homilia no Mosteiro do Lumiar em Onde Moras?)   Ouvi...

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Francisco nomeia primeira mulher com direito de voto no Sínodo

Vai ser a primeira mulher com direito a voto no Sínodo dos Bispos. O seu nome é Nathalie Becquart, é freira e acaba de ser nomeada pelo Papa Francisco para o cargo de subsecretária daquele órgão criado em 1965 por Paulo VI, como um dos frutos do Vaticano II. Também com subsecretário foi designado Luis Marín de San Martín, padre espanhol da ordem de Santo Agostinho.

Uma árabe nascida em Israel é a nova presidente dos Focolares

Margaret Karram, 58 anos, árabe nascida em Haifa (Norte de Israel), católica e licenciada em Judaísmo pela Universidade Hebraica de Los Ángeles (Estados Unidos), é a nova presidente do Movimiento dos Focolares. Karram foi eleita no domingo, 31 de Janeiro, na assembleia geral que decorre numa plataforma virtual, e o seu nome foi ratificado na segunda-feira.

Papa altera regra e confirma possibilidade de mulheres serem leitoras e acólitas, já praticada na maior parte das dioceses

Um motu proprio (decreto) do Papa Francisco publicado nesta segunda-feira confirma aquilo que já é prática na esmagadora maioria das paróquias e dioceses católicas: as mulheres passam a poder ser também, formalmente, leitoras e acólitas – ou seja, podem proclamar os textos bíblicos ou colaborar no serviço do altar, durante as eucaristias.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Brasil: Tribunal obriga ONG Católicas pelo Direito de Decidir a mudar de nome

Um tribunal de São Paulo proibiu a associação Católicas pelo Direito de Decidir, feminista e pró-aborto nos casos já previstos na lei (anencefalia, risco de morte da mãe e violação), de utilizar a palavra “católicas” no seu nome, alegando que a finalidade da instituição “revela incompatibilidade com os valores adotados pela Igreja Católica”, noticiaram vários meios de comunicação brasileiros.

Papa pede mais mulheres nos cargos de decisão da Igreja

Foi divulgado esta quinta-feira, 8 de outubro, “O Vídeo do Papa” para este mês, no qual Francisco apela a uma maior integração dos fiéis leigos, em particular das mulheres, nas instâncias de maior responsabilidade dentro da Igreja Católica.

Núncio de França promete levar ao Vaticano candidaturas das “mulheres apóstolas”

Depois de uma delas ter sido ameaçada de morte, as sete mulheres pertencentes ao grupo “Toutes Apôtres” (em português, “Todas Apóstolas”), que apresentaram em julho passado as suas candidaturas a cargos reservados aos homens na hierarquia da Igreja, foram recebidas, uma por uma, pelo núncio apostólico de França. Celestino Migliore prometeu a todas elas que levaria os seus pedidos ao Vaticano.

Ruth Bader Ginsburg: a juíza pioneira e “orgulhosamente judia” que provou que as mulheres não se medem aos palmos

O facto de tantos chamarem “gigante” a uma mulher que não media mais do que 1,55m diz muito sobre ela. Ruth Bader Ginsburg, que morreu esta sexta-feira aos 87 anos vítima de cancro no pâncreas, era a mais antiga juíza do Supremo dos Estados Unidos da América e será a primeira da história a merecer dois dias de exéquias, incluindo uma cerimónia no Capitólio, tal a legião de admiradores que conquistou ao longo do seu percurso como defensora da justiça, e em particular dos direitos das mulheres.

Monja budista denuncia discriminação e maus tratos nos mosteiros femininos de Myanmar

A monja budista Ketumala, ativista dos direitos das mulheres em Myanmar, alerta para a discriminação e desprezo de que continuam a ser alvo os conventos femininos no país. Enquanto os monges são altamente respeitados na sociedade e não têm dificuldades em obter donativos para financiar os seus mosteiros, as monjas vêem-se muitas vezes obrigadas a pedir esmola na rua, onde chegam a ser maltratadas, denuncia.

Ex-freira acusa padre de a ter violado e diz-se pronta a falar com o Papa, se a justiça não funcionar

Claire Maximova, ou irmã Virginie enquanto carmelita que foi durante dez anos, acusa um padre de a ter violado em várias ocasiões durante 16 meses enquanto estava no Carmelo. A sua história foi contada há dias pela revista francesa L’Obs, já depois de a própria ter publicado o livro La Tyrannie du Silence (“A tirania do silêncio”), em Janeiro de 2019.

Núncio de França convoca “mulheres apóstolas” para reunião, depois de uma delas receber ameaças de morte

O núncio de França convocou esta semana para uma reunião as sete “mulheres apóstolas” que no passado dia 22 de julho entregaram as suas candidaturas a cargos reservados aos homens na Igreja Católica. A primeira a ser contactada pelo representante do Papa, Celestino Migliore, foi a teóloga francesa Sylvaine Landrivon, que horas antes tinha recebido uma carta anónima com ameaças de morte.

Cardeal critica relação de “submissão e domínio” dos homens sobre as mulheres na Igreja

O cardeal brasileiro João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica do Vaticano, criticou o que considera a relação de “submissão e domínio” que os homens frequentemente têm sobre as mulheres na Igreja Católica, e sublinhou a necessidade de uma renovação mais profunda da vida religiosa em toda a linha.

Sete mulheres candidatam-se a cargos reservados aos homens na Igreja Católica

Diácono, padre, bispo, núncio apostólico… todas estas funções essenciais na hierarquia da Igreja Católica estão reservadas aos homens, mas em França houve sete mulheres que decidiram desafiar as regras e candidatar-se a elas. Pertencem ao coletivo “Toutes Apôtres!” (“Todos Apóstolos!”, em português) e escolheram simbolicamente o dia de Santa Madalena, considerada a “13ª apóstola”, assinalado a 22 de julho, para entregar as suas candidaturas na nunciatura francesa, em Paris.

“Não há como voltar atrás”: pandemia fortalece luta das mulheres por um papel mais relevante na Igreja

Durante o período de confinamento, viram-se privadas das missas, e isso só fez crescer nelas a convicção de que poderiam tê-las celebrado sem um padre: dez religiosas alemãs tornaram pública, esta quinta-feira, a sua reivindicação de poderem celebrar eucaristias, e estão cada vez mais acompanhadas nesta luta por um papel relevante da mulher dentro da Igreja Católica. Em França, vão-se somando os apoios à recente candidatura de Anne Soupa a bispa. Nos EUA, sugere-se que o Papa só está à espera que haja mais pressão nesse sentido por parte dos leigos. Na Alemanha, o famoso monge beneditino Anselm Grün assegura que é uma questão de tempo até que o sacerdócio feminino se torne realidade.

Clero da Igreja de Inglaterra cada vez mais feminino

Pela primeira vez na sua história e desde que em 1994 aprovou o sacerdócio feminino, a Igreja de Inglaterra ordenou, em 2019, mais mulheres do que homens: 51%, dizem estatísticas publicadas pela Igreja-mãe da Comunhão Anglicana.

Leigos e mulheres à frente de paróquias: Igreja Católica alemã ensaia novos modelos de liderança

A diocese de Münster, uma das maiores da Alemanha, acaba de apresentar um documento sobre o tema “Liderança e responsabilidade na Igreja”. Trata-se de uma brochura destinada a provocar debate e reflexão a todos os níveis diocesanos. Apresentam-se vários modelos de liderança para as comunidades paroquiais, como alternativas ao modelo tradicional de um padre/pároco por paróquia.

Alemanha: Mulheres querem permissão para pregar nas eucaristias

A Comunidade Católica das Mulheres (KFD) da diocese de Münster, na Alemanha, enviou uma carta ao seu bispo, Felix Genn, pedindo-lhe que aprove a pregação por parte de leigos nas eucaristias, o que permitiria às mulheres assumir essa função, até agora exercida exclusivamente por diáconos e padres.

Teóloga francesa “candidata-se” a arcebispo de Lyon

A teóloga e biblista francesa Anne Soupa anunciou esta semana na sua conta de Twitter que irá “candidatar-se” para suceder ao cardeal Barbarin como arcebispo de Lyon, num gesto inédito e provocatório que pretende reivindicar um papel mais relevante para as mulheres na Igreja Católica.

Suíça: Mulher leiga nomeada como delegada episcopal

A diocese de Lausana-Genebra-Friburgo, na Suíça, terá uma mulher leiga como delegada episcopal, um cargo que, na Igreja Católica, tem sido quase exclusivamente ocupado por padres. Marianne Pohl-Henzen foi nomeada pelo bispo Charles Morerod e assumirá funções em agosto, ficando responsável por gerir diversas entidades eclesiais e respetivos recursos humanos na parte alemã de Friburgo (uma das cinco vigararias daquela diocese).

Sudão prepara-se para criminalizar mutilação genital feminina

Foi aprovada pelo governo sudanês uma emenda ao código penal que prevê uma pena de até três anos de prisão para quem realizar a mutilação genital feminina. Aguarda-se agora que a lei seja promulgada, mas o avanço foi já aplaudido por diversas organizações de defesa dos direitos humanos, que lutam há décadas pela abolição da prática da excisão, noticiou esta quarta-feira o jornal La Croix.

“A Longa Solidão” – Dorothy Day, uma mulher desinquietada por Deus

A autobiografia de Dorothy Day (1897-1980) intitulada A Longa Solidão, vinda a público em 1952, foi traduzida e publicada em Portugal, em 2019, pela editora Lucerna. Finalmente temos a versão portuguesa entre mãos. Os dias de confinamento deram-me tempo e disponibilidade para saborear de um trago a leitura desta autobiografia, o que também me levou a revisitar o livro de Jim Forest Tudo é Graça, traduzido e publicado em 2016 pela Paulinas Editora.

Cardeal Ouellet quer maior participação das mulheres na formação de padres

O cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos, no Vaticano, defende um maior envolvimento direto das mulheres na formação dos padres nos seminários. Numa entrevista ao suplemento do jornal Osservatore Romano, Donne Chiesa Mondo, o cardeal canadiano afirmou esta sexta-feira, 24, que “não se trata de promover as mulheres, mas de considerá-las como parte integral da formação”.

“Se fosse Papa, revia a ordenação das mulheres”, diz vice-presidente dos bispos alemães

“Se fosse Papa por um dia, o que faria?” A questão foi colocada ao bispo Franz-Josef Bode, vice-presidente da Conferência Episcopal Alemã, durante uma sessão de perguntas e respostas em vídeo que decorreu esta segunda-feira, 21, no perfil de Instagram da sua diocese, Osnabrück. “A primeira coisa que faria seria rever a ordenação das mulheres”, respondeu sem hesitar o bispo alemão.

Violência doméstica: “outra pandemia” a alastrar silenciosamente

Os telefones da Linha de Apoio à Vítima estão estranhamente silenciosos. Desde que foi decretado o estado de emergência, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) passou a receber “menos de metade das chamadas” que habitualmente recebia com pedidos de ajuda. Serão boas notícias? Daniel Cotrim, psicólogo da APAV, gostaria de acreditar que sim, mas confessa estar mais “assustado” que esperançoso. “Recebermos menos contactos é sinal de uma tranquilidade aparente”, afirma, temendo que, a par da pandemia de covid-19, também a “pandemia da violência doméstica” esteja a alastrar. E mais rapidamente do que antes, mas agora em silêncio.

Católicas manifestam-se em Espanha contra discriminação na Igreja

“O nosso objectivo, esta manhã, não é de ruptura nem excludente”, disse uma das intervenientes na manifestação da Revolta das Mulheres na Igreja. A iniciativa juntou algumas centenas de pessoas, sobretudo mulheres, no exterior da catedral de Almudena, em Madrid, neste domingo, 1 de Março, reivindicando mais participação das mulheres no interior da Igreja Católica. “Procuramos, isso sim, uma reforma da Igreja a partir da perspectiva das mulheres”, acrescentou.

CNJP critica Justiça e silêncio mediático a propósito do assassinato da irmã Maria Antónia Pinho

Críticas à lentidão da justiça, ao pouco destaque dado à notícia do crime se comparado com outros casos semelhantes e às poucas reacções de organizações de mulheres. A Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), da Igreja Católica, divulgou neste fim-de-semana um comunicado em que aborda o “cruel feminicídio” que vitimou a irmã Maria Antónia Pinho.

Marie-Hélène Mathieu, 90 anos: um coração transformado diante da diferença

Nascida em França, a 4 de Julho de 1929, numa família numerosa, a infância de Marie-Hélène Mathieu é vivida no campo, em Tournus (região da Borgonha, França). Um dia, aos 5 anos, viu um arco-íris de volta inteira e ficou fascinada. Perguntou o que era aquilo e os irmãos mais velhos contaram a história de Noé e da promessa de Deus de nunca mais enviar o dilúvio. Isso tocou-a profundamente e despertou uma enorme confiança num Deus que faz maravilhas e em quem se pode confiar.

Dia das mulheres diáconos na Alemanha para insistir num tema prioritário

O dia não terá sido escolhido por acaso: 29 de Abril é, no calendário litúrgico, o dia de Santa Catarina de Sena, uma das mulheres mais destacadas da história da Igreja. Catarina de Sena teve um relevante papel na Igreja do seu tempo (século XIV), a ponto de ter sido proclamada doutora da Igreja e uma das padroeiras da Europa. A organização das mulheres católicas da Alemanha escolheu, por isso, o dia litúrgico de Santa Catarina de Sena como “dia das diaconisas”, celebrado desde 1998.

Crentes e não-crentes celebram a mulher na Capela do Rato, em Lisboa

Crentes e não-crentes, mulheres e homens, vão celebrar a figura da mulher através de canto, prosa e poesia. A iniciativa, organizada pela escritora e jornalista Leonor Xavier, tem lugar na Capela do Rato, em Lisboa, nesta quarta-feira, 3 de abril, a partir das 18h30. A ideia é que cada pessoa escolhe um texto para ler ou declamar ou uma canção para cantar, que simbolize o papel ou a importância da mulher.

Demissão das mulheres de “Donne Chiesa Mondo” provoca perplexidades e ameaça ideia de reforma

Um espelho das lutas pelo poder no Vaticano? Mais um sinal de que a oposição interna ao Papa Francisco não o larga? Manifestações de idiossincrasias pessoais e incompatíveis? Um empurrão a alguém que os seus detractores dizem não ser pró-Francisco? Um sinal de que o Papa está a perder a batalha da reforma? Tudo isso e ainda outros factores escondidos? A demissão de Lucetta Scaraffia e da equipa editorial da revista Donne Chiesa Mondo (“Mulheres Igreja Mundo”) provoca várias perplexidades e pode não estar ainda completamente clarificada em todos os seus contornos.

Ascensão (religiosa) e declínio (político) da mulher muçulmana

As experiências das mulheres muçulmanas variam enormemente entre e dentro de diferentes sociedades. Ao mesmo tempo, a sua adesão ao islão é um fator partilhado que afeta as suas vidas em graus diferentes e lhes dá uma identidade comum que pode servir para fechar as diferenças culturais, sociais e económicas entre elas. Enquanto que as mais importantes tradições e práticas do profeta Maomé foram preservadas e transmitidas pelas mulheres mais próximas (as esposas e filhas), as mulheres têm ficado com papéis mais secundários, sobretudo na história recente de vários países de maioria muçulmana – mas, mesmo neste universo, a realidade é diversa consoante o contexto ou os países de que falamos.

A progressiva iluminação das mulheres no budismo

A história do budismo e das mulheres tem início com Mahapajapati Gotami, madrasta de Buda Segundo o livro Old Path, White Clouds (“Caminho velho, nuvens brancas”), de Thich Nhat Hanh, que pretende recordar a história de Buda Gautama, a madrasta e tia de Buda quis ser consagrada quando morreu o rei Suddhodhana, seu marido.

A discriminação das mulheres hindus e o cordão humano de 620 quilómetros

No período pós-independência da Índia, o estatuto social da mulher hindu melhorou, mas ainda há um longo caminho a percorrer. O cordão humano de mulheres, com 620 quilómetros, por causa da interdição das mulheres entrarem no templo Sabarimala (que se realizou no dia 1 de janeiro), mostrou mulheres não conformadas e com uma necessidade de mudança perante o seu papel na sociedade indiana.

Do desconforto das mulheres judias à oração no Muro das Lamentações

Segundo os textos mais clássicos do judaísmo – não só a Bíblia, como também o Talmude e outros –, sempre existiram algumas diferenças entre os géneros. Nos primórdios dos tempos bíblicos, o casamento e a lei familiar favorecia os homens.
A literatura clássica, como o Talmude, tem várias citações que colocam as mulheres subordinadas aos homens. Mas o contrário, por vezes, também acontece, com as mulheres colocadas num patamar superior ao dos homens.

Pin It on Pinterest

Share This